18 novas rotas Ryanair para Portugal

Em conferência de imprensa virtual, o presidente executivo do grupo Ryanair, Michael O’Leary, e da companhia aérea, Eddie Wilson, anunciaram “um presente de Natal para Portugal”, com a abertura de sete novas rotas a partir de Faro e 11 a partir do Porto, no próximo ano .

A decisão foi tomada “em resposta direta à intervenção da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC), que obriga a ANA a reduzir as taxas aeroportuárias do Porto e de Faro, no próximo ano”.

Assim, cada um dos aeroportos terá mais dois aviões de companhias aéreas de baixo custo.

Segundo a companhia aérea, a decisão representa um investimento adicional de 400 milhões de euros em Portugal e a criação de 120 novos postos de trabalho locais.

A companhia aérea irlandesa lamentou, no entanto, que os reguladores “não tenham conseguido persuadir a ANA a baixar custos noutros aeroportos” e, por isso, “não haverá crescimento adicional em Lisboa, Madeira e Açores” em 2023.

“Lisboa subiu incríveis 12%, temos de inverter este aumento, tal como no Porto e em Faro. Tarifas mais baixas resultam em mais aviões, mais empregos, mais conectividade e mais turismo”, defendeu Eddie Wilson.

Nova rota

A partir de Faro, a Ryanair voará também para Aarhus (Dinamarca), Belfast (Irlanda do Norte), Exeter (Reino Unido), Frankfurt Hahn (Alemanha), Roma Fiumicino (Itália) e Toulouse (França).

A partir do Porto, abriram-se novas rotas para Bristol, Leeds (Reino Unido), Castellon (Espanha), Maastricht (Holanda), Nimes, Estrasburgo (França), Shannon (Irlanda), Estocolmo (Suécia), Trapani, Turim (Itália) e Wroclaw ( Polônia).

“Além das taxas excessivas, outra ameaça ao crescimento do turismo em Portugal são as taxas ETS [environmental fees]que visa injustamente os voos de curto curso, com a recentemente proposta inclusão das regiões ultraperiféricas da União Europeia, incluindo a Madeira, já em 2024”, referiu Michael O’Leary.

Para a direção da companhia aérea, caso esta ação seja aprovada, “os viajantes terão custos mais elevados na visita à Madeira, face a outros destinos de férias não europeus, pelo que a ilha poderá perder visitantes para destinos fora da UE, como Marrocos, Turquia e Jordânia. , que está isento de pagar ETS”.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *