40% querem o retorno do serviço militar

Cerca de 60 por cento dos portugueses concordam com o serviço militar voluntário, enquanto 40 por cento apoiam o regresso ao serviço obrigatório, percentagem que aumenta nos grupos etários a partir dos 45 anos, revela um estudo do Instituto de Defesa Nacional.

A investigação resulta de uma parceria entre o Instituto de Defesa Nacional (IDN), a Direcção Nacional de Recursos de Defesa (DGRDN), o Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-ULisboa) e o Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI- Nova) e procura compreender a visão do povo português sobre a defesa nacional e as forças armadas.

O serviço nacional não é obrigatório em Portugal desde 2004 e a maioria dos inquiridos (59,7 por cento) concorda com este modelo. No entanto, uma “parte relevante” de cerca de 40 por cento mostra uma preferência pelo recrutamento.

“Embora a preferência pelo serviço voluntário seja maior em todas as faixas etárias, pode-se observar que o percentual da população a favor do alistamento também aumenta com a idade”, aponta o estudo.

Ao analisar por faixas etárias, há diferenças claras: a esmagadora maioria dos jovens entre os 18 e os 24 anos apoia o regulamento facultativo (74,1%), entre os 25 e os 44 anos essa proporção cai para 65,1%.

A partir dos 45 anos, a proporção de entrevistados que preferem o recrutamento está acima da média (42,9%), e entre os maiores de 65 anos é de 50%.

Por género, são as mulheres que preferem frequentemente a natureza opcional do serviço militar e, em termos de escolaridade, “a percentagem da população a favor do serviço militar opcional aumenta com o nível de escolaridade mais elevado, ultrapassando os 70 por cento entre aqueles com nível de escolaridade mais elevado. .”

Quando questionados sobre o Dia da Defesa Nacional (DDN), ação cidadã obrigatória que visa sensibilizar a defesa nacional e o papel das Forças Armadas entre os jovens que atingem a idade adulta, a maioria concorda (72 por cento), em particular os mais jovens, até aos 24 anos. anos.

No que diz respeito ao financiamento da Bundeswehr, 67 por cento dos inquiridos consideram o orçamento de defesa do estado “insuficiente”, em contraste com 6,4 por cento que o classificam como “excessivo”.

Quanto à dimensão das Forças Armadas, 44,9 por cento dos inquiridos consideram este número “insuficiente” face ao efetivo militar (que atualmente ronda os 23.000), 42,2 por cento “adequado” e apenas 12,9 por cento “exagerado”.

O estudo acrescenta que “há uma percepção muito forte de que o mundo estará mais inseguro na próxima década”, e no caso de Portugal, os inquiridos citam “uma possível crise económica global” e o “surgimento de pandemias e epidemias” como as ameaças mais prováveis.

Nesta área, a Organização do Tratado do Atlântico Norte e a União Europeia, a que Portugal pertence, gozam de elevada reputação e são classificadas por uma clara maioria como importantes para a segurança do país: 72,9 por cento classificam a participação na OTAN como “importante/muito importante”, 83,1% do papel de liderança internacional da UE.

Os resultados serão apresentados hoje no IDN em Lisboa pelos Coordenadores Científicos Pedro Magalhães, Investigador Principal do ICS – Universidade de Lisboa, e Raquel Vaz-Pinto, Investigadora Integrada do IPRI-Nova, numa sessão com o Director do IDN , Helena Carreiras, na Abertura e moderação do debate e com o Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, no encerramento.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.