600 mil euros investidos em ambulâncias – The Portugal News

O Presidente do INEM disse que investir 600 mil euros em equipamentos representa um “ganho muito significativo” em termos de saúde.

O novo protocolo de dor torácica já está em vigor, de acordo com reportagem do Jornal de Notícias, e técnicos de todas as ambulâncias do país podem introduzir uma série de procedimentos a serem treinados, incluindo a realização de eletrocardiograma (ECG) e administração de medicamentos sob orientação médica orientação em um Pacientes com suspeita de infarto agudo do miocárdio.

Em declarações à Lusa, o presidente do Instituto Nacional de Emergências Médicas (INEM) explicou que uma das prioridades do instituto é “não apenas equipar as ambulâncias com este equipamento”, mas sobretudo avançar com a implementação do protocolo de dor torácica que gera efectivamente ganhos de saúde permite.

Permitirá também uma “melhoria significativa” das condições de trabalho dos técnicos de emergência pré-hospitalar (TEPH), já que dispõem de equipamentos que “facilitarão significativamente a sua missão, pois envolve múltiplas competências”.

“Além de poder realizar eletrocardiograma (ECG), eles têm a opção de ter um monitor de sinais vitais no mesmo aparelho”, o que facilitará muito o monitoramento dos pacientes, além da desfibrilação externa automatizada.

Mas, enfatizou, “o objetivo claro é sempre garantir o atendimento médico pré-clínico nas melhores condições possíveis, especialmente na perspectiva das vítimas de acidentes e pessoas subitamente doentes”, com um foco muito especial nos ataques cardíacos agudos.

“É uma situação grave e deve ser reconhecida o mais cedo possível para permitir o encaminhamento adequado destes doentes”, defendeu o Presidente do INEM, lembrando que um enfarte agudo do miocárdio mata anualmente cerca de 8.000 portugueses e que as doenças cardiovasculares uma delas são as principais causas de morte em Portugal.

Portanto, poder fazer o diagnóstico o mais rápido possível e poder encaminhar imediatamente o paciente para o local mais adequado para tratamento é fundamental para a redução da mortalidade.

Luís Meira estima que os técnicos realizem entre 10 e 20 eletrocardiogramas por dia, com o apoio de equipamentos encontrados em todas as ambulâncias.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.