A onda de calor da Grã-Bretanha está interrompendo os serviços de viagens e saúde – e espera-se que fique ainda mais quente

Milhões de pessoas na Grã-Bretanha ficaram em casa ou procuraram sombra durante o primeiro alerta ‘vermelho’ de calor extremo do país na segunda-feira, quando o clima quente e seco que devastou a Europa continental na semana passada mudou para o norte, prejudicando as viagens de trem e obrigou dois aeroportos a fechar suas pistas.

O alerta de calor vermelho está cobrindo grande parte da Inglaterra e deve durar até terça-feira, quando as temperaturas podem chegar a 40°C pela primeira vez, representando risco de doenças graves e até morte em pessoas saudáveis, de acordo com o Met Office, a agência meteorológica do Reino Unido. .

“Temos 48 horas difíceis pela frente”, disse Kit Malthouse, ministro encarregado da coordenação do governo, à rádio BBC.

O alerta de calor extremo se estende de Londres, no sul, até Manchester e Leeds, no norte.

A temperatura atingiu 38,1°C na segunda-feira em Downham, no leste da Inglaterra, um pouco abaixo da maior já registrada no Reino Unido – 38,7°C, recorde estabelecido em 2019. O país não está nem um pouco preparado para lidar com esse calor – a maioria das casas, escolas e pequenas empresas no Reino Unido não têm ar condicionado.

Um ciclista senta-se na grama seca do Greenwich Park, no sudeste de Londres, na segunda-feira. (Dominic Lipinski/PA/The Associated Press)

O País de Gales registrou provisoriamente sua temperatura mais alta de todos os tempos, disse o Met Office – 37,1°C em Hawarden, no nordeste do País de Gales.

O alerta de calor de nível 4 do Met Office é definido como uma emergência nacional a ser usada quando uma onda de calor é “tão grave e/ou prolongada que seus impactos se estendem além dos sistemas de saúde e bem-estar. Nesse nível, doença e morte podem ocorrer entre os aptos e saudáveis, e não apenas em grupos de alto risco”.

Pelo menos quatro pessoas se afogaram em todo o Reino Unido tentando se refrescar em rios, lagos e reservatórios.

Interrupções de serviço em vigor

Os operadores de trem pediram aos clientes que não viajassem a menos que fosse absolutamente necessário, dizendo que o calor provavelmente deformaria os trilhos e cortaria a energia, causando atrasos graves. Algumas rotas estavam funcionando em velocidades reduzidas ou foram interrompidas completamente à tarde, quando as temperaturas estavam no pico.

No aeroporto de Luton, em Londres, os voos foram temporariamente interrompidos devido ao que é conhecido como “falha de superfície” na pista em altas temperaturas. O aeroporto disse que engenheiros foram chamados ao local e trabalhos de reparo estão sendo realizados. A pista foi reaberta para voos de entrada e saída às 18h05, horário local, informou o aeroporto em comunicado. atualização da noite.

A RAF Brize Norton, uma importante base aérea a noroeste de Londres, também fechou sua pista por causa do calor. A Força Aérea disse que “as aeronaves estão usando aeródromos alternativos de acordo com um plano estabelecido há muito tempo”.

Uma mulher em um vestido estampado floral segura um guarda-chuva sobre a cabeça enquanto caminha em uma ponte.
Uma mulher se esconde sob um guarda-chuva enquanto caminha perto da Catedral de São Paulo, em Londres, na segunda-feira. (Carl Court/Getty Images)

As consultas médicas foram canceladas para aliviar a pressão do Serviço Nacional de Saúde.

Com a maioria das escolas do Reino Unido ainda não fechadas para o verão, o governo disse para elas permanecerem abertas. Mas muitos tiveram que fechar mais cedo do que o habitual, os requisitos normais de uniforme foram descartados e os dias esportivos de fim de aula foram cancelados. Algumas escolas foram fechadas e recorreram ao ensino on-line no estilo de bloqueio.

Pelo menos um grande zoológico em Chester disse que fecharia por dois dias, enquanto o London Zoo e o Whipsnade Zoo disseram que muitos animais podem se retirar para “zonas frias” e algumas exposições podem ser fechadas.

Algumas fábricas também adiantaram suas horas para evitar que os trabalhadores dos trabalhos mais quentes, como soldagem, fiquem doentes.

O calor extremo até levou o Parlamento a relaxar seu rígido código de vestimenta. O presidente da Câmara dos Comuns disse que os legisladores homens podem ficar sem paletó e gravata por uma semana.

O tráfego atravessa uma ponte no reservatório de Woodhead, em West Yorkshire, Inglaterra, pois os níveis de água estão perigosamente baixos durante a onda de calor do país. (Jon Super/The Associated Press)

O calor deve continuar

As altas temperaturas são um choque ainda maior, pois a Grã-Bretanha normalmente tem temperaturas de verão muito moderadas. Em todo o Reino Unido, as temperaturas médias de julho variam de uma alta diária de 21°C a uma mínima de 12°C.

Mas o anoitecer de segunda-feira trará pouco alívio do calor, já que o Met Office prevê temperaturas de 29°C em Londres à meia-noite.

A noite de segunda-feira será “muito opressiva” e será difícil dormir, disse o meteorologista-chefe Paul Davies.

RELÓGIO | A infraestrutura precisa ser construída para lidar com o calor extremo, diz o cientista:

Clima ‘sem precedentes’ no Reino Unido pode revelar consequências inesperadas: especialista

Nigel Arnell, professor de ciência de sistemas climáticos da Universidade de Reading, diz que eventos climáticos extremos devem ser um alerta para atualizar a infraestrutura que não foi projetada para suportar temperaturas muito altas.

Espera-se que as temperaturas continuem a subir à medida que o ar quente se move para o norte na terça-feira, disse a CEO do Met Office, Penelope Endersby.

“Então, amanhã o que estamos realmente vendo é a maior probabilidade de 40 graus e temperaturas acima”, disse Endersby à BBC.

“Quarenta e um não está fora de questão. Temos até alguns 43s no modelo, mas esperamos que não seja tão alto.”

O clima quente varreu o sul da Europa desde a semana passada, provocando incêndios florestais na Espanha, Portugal e França. Quase 600 mortes relacionadas ao calor foram relatadas na Espanha e Portugal, onde as temperaturas atingiram 47°C na semana passada.

Especialistas em clima alertam que o aquecimento global aumentou a frequência de eventos climáticos extremos, com estudos mostrando que as temperaturas no Reino Unido são agora 10 vezes mais prováveis ​​do que eram na era pré-industrial. Secas e ondas de calor associadas às mudanças climáticas também dificultaram o combate a incêndios florestais.

FOTOS | Cenas da onda de calor na Europa Ocidental:

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *