A prevalência da variante Omicron BA.2 aumenta para 82%

A variante BA.2 da variante Omicron do coronavírus SARS-Cov-2, considerada mais transmissível, é responsável por 82% das infecções registadas em Portugal, enquanto a prevalência da linhagem BA.1 caiu para 18%. .

“Estima-se que a linhagem BA.2 seja claramente dominante em Portugal, representando 82% das amostras positivas a 14 de março”, lê-se no relatório semanal do Instituto Nacional de sobre a diversidade genética do SARS-CoV-2 Saude Doutor Ricardo Georg (INSA).

A linhagem BA.2, que compartilha vários traços genéticos com BA.1, foi descoberta em Portugal no final de 2021 e desde então tem aumentado em prevalência.

Classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a variante Omicron compreende várias linhagens identificadas pelo prefixo “BA”, incluindo BA.1 e BA.2, que descendem da mesma linhagem ancestral (B.1.1. 529 ) e apresentam um “excesso” de mutações na proteína “spike”.

Quanto ao BA.1, que foi identificado pela primeira vez em Portugal em novembro de 2021 e atingiu uma prevalência máxima de 95,6% das infeções em janeiro, a tendência de queda das últimas semanas continua e agora caiu para 18%, segundo o INSA.

Recentemente, a OMS avançou que estudos preliminares sugerem que BA.2 é mais transmissível do que BA.1, mas a organização descobriu que os dados de gravidade clínica do “mundo real” na África do Sul, Reino Unido e Dinamarca, onde a imunidade contra a vacinação e infecção natural é alta, indicam que “nenhuma diferença na gravidade entre BA.2 e BA.1 foi relatada”.

“A reinfecção de BA.2 após a infecção de BA.1 foi documentada, mas os dados iniciais de estudos em nível populacional sugerem que a infecção de BA.1 fornece forte proteção contra a reinfecção de BA.2”, acrescentou a OMS.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.