A UE está lutando para reduzir a dependência do gás russo

BRUXELAS (AP) – Os países da União Europeia lutaram nesta segunda-feira para encontrar um consenso sobre como afastar o bloco de sua dependência do gás natural russo para aplacar consumidores cautelosos e estressados ​​em casa, mantendo a unidade, enquanto Moscou fecha a torneira.

O presidente russo, Vladimir Putin, tem exportações de gás armado para pressionar o bloco a reduzir suas sanções sobre a guerra na Ucrânia ou para buscar outros objetivos políticos.

Na véspera de uma reunião de emergência para discutir planos para reduzir o consumo de gás da UE em 15% nos próximos meses, os enviados de segunda-feira ainda estavam negociando um possível compromisso que deve manter todas as 27 nações alinhadas até a noite de terça-feira.

“Este é um trabalho em andamento”, disse um diplomata sênior, que pediu para não ser identificado enquanto as negociações estavam em andamento.

O bloco está se preparando para uma possível interrupção completa no fornecimento de gás natural da Rússia, o que pode trazer um grande esfriamento para o próximo inverno, colocando nações como a gigante econômica Alemanha em risco particular. Mas alguns outros países da UE, como Espanha e Portugal, que têm pouca dependência do gás russo, não querem impor um corte tão grande a seus cidadãos.

Até agora, a Rússia desligou ou reduziu o gás em uma dúzia de países da UE. Na segunda-feira, anunciou que esta semana reduzirá os fluxos através de um grande oleoduto para a Alemanha em mais metade para 20% da capacidade. Cortes no gasoduto Nord Stream 1 comprometem ainda mais o objetivo de encher as instalações de armazenamento de gás da Europa para o inverno, já que os enviados regatearam os planos da UE.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, viu isso acontecer quando anunciou o plano. Ela está convencida de que Putin cortará as exportações de gás natural para causar estragos econômicos e políticos na Europa neste inverno.

“Esse é exatamente o cenário ao qual o presidente se referiu na semana passada”, disse o porta-voz da Comissão Eric Mamer. “Este desenvolvimento confirma nossa análise. Esperamos, portanto, que o Conselho adote uma resposta adequada na terça-feira.

O diplomata disse que os embaixadores estão trabalhando sem parar na questão divisiva, tentando restringir os poderes da Comissão Europeia executiva, que planeja contornar os países membros para impor tais cortes.

“Em primeiro lugar” é a necessidade de dar aos Estados da UE o poder de decidir quando tais cortes devem se tornar obrigatórios, disse o diplomata. A entrega de alguns de seus poderes de política energética a funcionários da UE em Bruxelas tem sido um anátema em algumas capitais nacionais. Autoridades húngaras estiveram em Moscou na semana passada, supostamente procurando por importações adicionais de energia.

Espanha e Portugal já disseram que as reduções obrigatórias são um fracasso. Eles descobriram que usam muito pouco gás russo em comparação com países como Alemanha e Itália, e que existem poucas ligações de energia que os ligam ao resto da Europa.

Uma solução de tamanho único parecia fora da mesa na segunda-feira, quando os enviados consideraram isenções para nações insulares não conectadas a outras redes, estados bálticos intimamente ligados à rede elétrica da Rússia ou nações cujas indústrias dependem fortemente das importações de gás.

Reduzir o consumo de gás da UE em 15% entre agosto e março não será fácil. A Comissão Europeia sinalizou que sua meta proposta exigiria que os países da UE como um todo triplicassem os cortes que já alcançaram desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro.

Ainda assim, há temores de mostrar falta de solidariedade enquanto o resto do mundo – especialmente a Rússia – observa.

“O mundo está observando muito de perto”, disse o diplomata.

Durante a guerra, a UE aprovou proibições ao carvão russo e à maior parte do petróleo, que devem entrar em vigor ainda este ano, mas o gás natural não foi incluído, pois o bloco depende do gás para abastecer fábricas, gerar eletricidade e aquecer casas.

O objetivo das propostas da Comissão é garantir que, em caso de paralisação da Rússia, indústrias e serviços importantes, como hospitais, possam funcionar, enquanto outros terão que fechar. Isso pode incluir diminuir o aquecimento em prédios públicos e fazer com que as famílias usem menos energia em casa.

___

Siga a cobertura da guerra da AP em https://apnews.com/hub/russia-ukraine.

Direitos autorais 2022 The Associated Press. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, transcrito ou redistribuído sem permissão.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.