A UE não tem aeronaves militares para apagar incêndios florestais, mas a Airbus acha que tem a resposta

Ondas de calor em toda a Europa levaram a um número impressionante de incêndios florestais neste verão.

Na França e na Espanha, os incêndios queimaram seis vezes mais terras este ano do que a média dos últimos 15 anos. Em Portugal é três vezes mais.

Aviões de combate a incêndios que extinguem as chamas por cima são essenciais, mas nenhum país da UE tem aviões suficientes.

Assim, a Airbus interveio para ajudar convertendo aeronaves existentes em aeronaves de combate a incêndios.

O fabricante europeu de aeronaves acaba de testar uma nova tecnologia Espanha que acredita que poderia ajudar a combater incêndios florestais: um kit de combate a incêndio destacável para sua aeronave de transporte militar A400.

A empresa diz que esses aviões podem ser rapidamente reconfigurados para “resposta rápida a incêndios imprevistos”.

Aeronaves de combate a incêndios: Nova tecnologia pode fortalecer a força de combate a incêndios da Europa a partir do ar

Uma das aeronaves de combate a incêndios mais comuns atualmente em uso é fabricada por uma empresa chamada Canadair. Esses aviões são especialmente projetados para cargas de profundidade chamas e pode ser encontrado em frotas ao redor do mundo. Têm capacidade para 6.000 litros de água.

Em um teste nesta semana, o novo kit destacável da Airbus derrubou com sucesso 20 toneladas de água em menos de 10 segundos – três vezes mais do que os bombardeiros de água da Canadair. No entanto, ele não pode tirar água de lagos e deve ser preenchido no solo.

O vice-chefe de aeronaves militares da Airbus diz que os ataques de carga de profundidade usando o A400M não pretendem competir com a Canadair, mas complementar as aeronaves que já estão no serviço de bombeiros de um país.

“O desenvolvimento deste kit de combate a incêndios é parte integrante de nossa jornada para contribuir para um mundo mais sustentável e seguro, não apenas por meio de nossas ações, mas também por meio de nossos produtos”, acrescenta Mike Schoellhorn, CEO da Airbus Defence and Space.

“Acreditamos firmemente que o A400M pode desempenhar um papel vital no combate à crescente ameaça de incêndios florestais e ajudar a restaurar os sistemas sociais e ambientais”.

Devido à sua capacidade de voo baixo e manobrabilidade em baixa velocidade, o A400M pode ejetar água com precisão até 50 metros acima do solo.

Mudança climática significa que mais aviões são necessários para combater incêndios florestais

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse na semana passada que seu país claramente precisa de mais aviões de combate a incêndios para acompanhar o número crescente de incêndios florestais. Ele acrescentou que eles devem fazer parte de uma frota europeia que pode ser mobilizada para ajudar os 27 membros do bloco.

Já existem vários aviões e helicópteros dos Estados-Membros que compõem a resposta de emergência da UE.

No entanto, espera-se que os pedidos de assistência aumentem por causa das mudanças climáticas. Este ano houve cinco – menos da metade da temporada de incêndios no Mediterrâneo, de junho a setembro.

Agora, a UE está em negociações com fabricantes para comprar mais combater o fogo Aviões para combater o aumento do risco de incêndios florestais. Embora tecnicamente comprados pelos estados membros, eles são financiados pela UE para apoiar sua resposta coletiva.

Outra opção é converter aeronaves que os países europeus já possuem como parte de suas forças de defesa.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *