Apelo a um Portugal sem tabaco

Em comunicado conjunto, as várias entidades filiadas nos sindicatos da hotelaria, turismo, restauração e afins do Norte assinalam que “nenhuma renovação/extracção, ventilação ou compartimentalização/separação de espaços é eficaz para eliminar o fumo do tabaco e/ou assegurar qualidade do ar interno”.

“A ciência está ciente de que sistemas de ventilação, salas para fumantes e áreas/áreas para fumantes não protegem contra os riscos à saúde do fumo passivo. A única forma conhecida de reduzir os riscos associados ao tabagismo passivo são os ambientes 100% livres de fumo”, sublinha o grupo de entidades que integra as Sociedades Portuguesas de Medicina Dentária e do Trabalho.

A declaração, que também foi assinada por associações de doentes como a Respira e a Ordem dos Farmacêuticos, bem como entidades brasileiras e espanholas, apela aos proprietários e gestores destes espaços para que se tornem “totalmente livres do fumo do tabaco e dos aerossóis dos aparelhos electrónicos “.

“Essa exposição é prejudicial do ponto de vista da promoção e proteção da saúde, não apenas pela fumaça que pode estar presente, mas também porque normaliza e promove o uso de tabaco e dispositivos eletrônicos de nicotina”, afirmam as organizações.

No comunicado hoje publicado, a Sociedade Portuguesa de Pneumologia apela ainda à população portuguesa a não se encontrar em espaços onde possa estar presente o fumo do tabaco ou aerossóis de cigarros eletrónicos e “a exercer o seu direito e dever cívico e a manifestar o seu desagrado com a vida com tais situações em salas que eles querem ir como livres de fumo”.

Eles também exigem que os casos de violação da Lei de Proteção à Fumaça do Tabaco sejam relatados.

Artigo relacionadoNovas regras para fumar estão chegando

Marco Soares

Entusiasta da web. Comunicador. Ninja de cerveja irritantemente humilde. Típico evangelista de mídia social. Aficionado de álcool

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *