Após a noite mais quente já registrada, o Reino Unido se prepara para um calor recorde

LONDRES (AP) – Milhões de pessoas na Grã-Bretanha acordaram da noite mais quente do país nesta terça-feira, preparando-se para um dia em que as temperaturas podem quebrar recordes com uma onda de calor devastando a Europa devastando um país não construído para tais extremos.

O clima excepcionalmente quente e seco tomou conta de grandes partes do continente desde a semana passada, provocando incêndios florestais de Portugal aos Balcãs e resultando em centenas de mortes relacionadas com o calor. Imagens de chamas correndo em direção a uma praia francesa e sensual britânico – mesmo à beira-mar – levaram a preocupações sobre as mudanças climáticas.

A Suprema Corte do Reino Unido foi fechada para visitantes depois que um problema de ar condicionado a forçou a mover as audiências online. O Museu Britânico planejava fechar mais cedo. Muitos prédios públicos, incluindo hospitais, não têm ar condicionado, um reflexo do quão incomum esse calor extremo é no país mais conhecido por chuva e temperaturas amenas.

O Met Office da Grã-Bretanha disse que números preliminares mostraram que a temperatura ficou acima de 25°C durante a noite em partes do país pela primeira vez. A meteorologista do Met Office, Rachel Ayers, disse que as altas de terça-feira foram “sem precedentes”.

“A temperatura será muito quente ao longo do dia antes de subir para 40°C, talvez até 41°C em pontos isolados da Inglaterra à tarde”, disse ela.

Isso quebraria o recorde de 38,7 ° C (101,7 ° F) estabelecido em 2019. A temperatura de segunda-feira quase chegou a isso: 38,1°C (100,6°F) em Santon Downham, no leste da Inglaterra.

Uma enorme faixa da Inglaterra, de Londres, no sul, a Manchester e Leeds, no norte, permaneceu sob o primeiro alerta de calor “extremo” do país na terça-feira, o que significa que até os saudáveis ​​correm risco de morte.

Muitas pessoas lidaram com a onda de calor ficando paradas. O tráfego rodoviário caiu de seu nível habitual na segunda-feira. Os trens corriam em baixa velocidade por causa da preocupação de que os trilhos pudessem dobrar ou não funcionar. A estação ferroviária de Kings Cross, em Londres, um dos centros ferroviários mais movimentados do país, estava vazia na terça-feira, sem trens circulando na movimentada linha da costa leste que liga a capital ao norte e à Escócia. O aeroporto de Luton, em Londres, teve que fechar sua pista devido a danos causados ​​​​pelo calor.

O secretário de Transportes Grant Shapps disse que a infraestrutura de transporte da Grã-Bretanha, algumas das quais remonta à era vitoriana, “simplesmente não foi construída para suportar esse tipo de temperatura – e levará muitos anos até que possamos substituir a infraestrutura por esse tipo de infraestrutura”. quem poderia fazer isso.”

Pelo menos cinco pessoas se afogaram em rios, lagos e reservatórios em todo o Reino Unido tentando se refrescar.

Especialistas em clima alertam que o aquecimento global aumentou a frequência de eventos climáticos extremos, com estudos mostrando que as temperaturas no Reino Unido agora são 10 vezes mais propensas a atingir 40°C do que na era pré-industrial. Secas e ondas de calor associadas às mudanças climáticas também dificultaram o combate a incêndios florestais.

No sul da Europa, os perigos do calor extremo foram mostrados. Pelo menos 748 mortes relacionadas ao calor foram relatadas na onda de calor na Espanha e no vizinho Portugal, onde as temperaturas atingiram 47C (117F) no início deste mês.

Na região de Gironde, no sudoeste da França, os incêndios florestais continuaram a se espalhar pelas florestas de pinheiros secos, frustrando os esforços de mais de 2.000 bombeiros e aviões de bombas de profundidade.

Mais de 37.000 pessoas foram evacuadas de casas e resorts de verão desde que os incêndios começaram em 12 de julho, queimando 190 quilômetros quadrados de floresta e vegetação, disseram autoridades de Gironde.

Um terceiro incêndio menor ocorreu na região vinícola de Medoc, ao norte de Bordeaux, na segunda-feira, sobrecarregando ainda mais os recursos de combate a incêndios. Cinco parques de campismo foram incendiados na zona de praia da costa atlântica onde as chamas se alastravam, em torno da bacia marítima de Arcachon, famosa pelas ostras e resorts.

As previsões meteorológicas ofereceram algum conforto, no entanto, já que as temperaturas das ondas de calor diminuíram ao longo da costa atlântica na terça-feira e a possibilidade de chuva no final do dia era esperada.

___

O escritor da Associated Press, John Leicester, de Le Pecq, França, contribuiu para esta história.

___

Siga a cobertura climática da AP em https://apnews.com/hub/climate-and-environment

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *