Aqui é o novo hotspot imobiliário exclusivo de Portugal

Portugal não é estranho ao turismo – ou a um afluxo de compradores de casas de férias de toda a Europa, Estados Unidos e além. Eles vêm por causa do clima temperado durante todo o ano com dias principalmente ensolarados; excelente comida fresca; uma alta qualidade de vida; e uma variedade de atrações, incluindo praias, locais históricos e atividades como golfe, surf, passeios de barco e caminhadas – e preços acessíveis em comparação com destinos semelhantes na Europa.

O Algarve, no sul de Portugal, é o local mais popular do país para casas de férias, favorecido por suas muitas praias e dezenas de campos de golfe, disse Patrick Bonnet, diretor de marketing da Berkshire Hathaway HomeServices Portugal Property. Mas os compradores de casas que procuram evitar as multidões de que a região se tornou sinónimo estão a voltar os olhos mais para norte, para outra costa chamada Comporta.

Parte do Alentejo, uma região vinícola do sul a cerca de uma hora de carro de Lisboa, a Comporta é uma área que inclui uma vila com o mesmo nome. A paisagem é plana e acidentada, quase selvagem, emoldurada por uma praia que se estende por mais de 48 km. Arrozais, pinheiros, quintas e dunas de areia estão por toda a parte.

Relativamente desconhecida há não muito tempo, a Comporta está agora a experimentar um aumento no desenvolvimento com várias novas comunidades residenciais de empresas imobiliárias locais e internacionais, bem como casas familiares recém-construídas.

Paulo Barreto, consultor imobiliário da Berkshire Hathaway Home Services Portugal Property, que possui uma casa na Comporta, disse que grande parte do terreno aqui já foi propriedade do Espírito Santos, uma proeminente família bancária portuguesa. Foi nacionalizado na década de 1970 durante a Revolução dos Cravos do país, mas foi privatizado novamente no final dos anos 1980.

Reserva protegida

A Comporta conseguiu evitar os holofotes, disse Barreto, porque grande parte dela é uma reserva natural protegida onde o governo restringe a construção. A acessibilidade também foi um fator: uma autoestrada que ligava parcialmente Lisboa à Comporta e reduzia para metade o tempo de viagem só foi construída no final da década de 1990.

“A Comporta era um lugar de pescadores e agricultores. As casas eram casinhas simples, sem eletricidade ou água encanada”, disse Barreto. “E como nunca foi permitido construir muito perto do mar, eles geralmente ficavam no meio dos campos de arroz.”

Um pequeno grupo de compradores de casas proeminentes, incluindo o famoso designer francês Jacques Grange e o artista alemão Anselm Kiefer, ajudaram a colocar a Comporta no centro das atenções internacionais quando compraram casas de férias há mais de uma década. Grange descreveu a região como os Hamptons no extremo leste de Long Island antes de ser desenvolvido. “Não há muito por quilómetros na Comporta, é exatamente essa a razão de estar aqui”, disse.

Uma renderização fornecida pela Muda Reserve mostra uma área de Muda em construção na Comporta, Portugal. O Muda será composto por 175 moradias com piscinas privadas e 50 quintas maiores. Foto: Muda Reserve via The New York Times

De acordo com Julian Walker, diretor e especialista em Portugal da empresa imobiliária Spot Blue International Property, com sede em Londres, esta parte do país só recentemente começou a atrair um interesse mais amplo dos compradores de casas, atraídos pelo estilo de vida português, mas não animado. e cena ocupada. “No fundo, a Comporta é um pouco exclusiva e rústica e muito privada”, disse.

Barreto acrescentou que as restrições de construção diferenciam a Comporta de outras localidades à beira-mar. “Pouquíssimas propriedades estão na praia ou mesmo de frente para a praia”, disse ele. “Você pode estar perto do oceano, mas não mora diretamente nele.”

Um dos mais novos e maiores empreendimentos residenciais da Comporta é o CostaTerra Golf and Ocean Club de Scottsdale, Arizona, Discovery Land Company, que possui um portfólio de mais de uma dúzia de clubes residenciais de alto padrão nos Estados Unidos e nas Caraíbas.

CostaTerra cobre mais de 900 acres, 224 dos quais são reservas naturais, e tem uma milha de praia, embora suas casas não sejam à beira-mar. Um restaurante e bar na árvore com vista para o mar já estão abertos, assim como um spa e vilas para potenciais compradores. A maior parte do clube vai estrear em junho próximo, de acordo com o gerente de vendas Adrian Wadey.

Wadey disse que os preços dos imóveis da CostaTerra começaram em cerca de US$ 4 milhões. Até agora, 71 apartamentos foram vendidos, disse ele. A aclamada designer de interiores Alexandra Champalimaud, que supervisionou projetos prolíficos como a reforma do Raffles Singapore Hotel, é a principal designer do CostaTerra. A nascida em Portugal, que chama a Comporta de casa, disse que a estética do clube reflete a área. “Eu uso muitas cores neutras e branco e uso azulejos de terracota feitos localmente”, disse ela.

Apartamento compartilhado

O Atlantic Club Comporta é outro novo e notável condomínio residencial. Com estreia prevista para o final de 2023, contará com 21 moradias térreas que variam em tamanho de 280 a 604 metros quadrados (3.000 a 6.500 pés quadrados); Os preços começam nos 3 milhões de euros. As casas serão construídas em torno de um pátio ajardinado e terão piscinas, disse Dietrich E. Rogge, fundador e CEO da Rockstone Real Estate, a empresa sediada em Munique por trás do projeto.

Interior de uma villa no Atlantic Club Comporta.  Foto: Atlantic Club Comporta via The New York Times

Interior de uma villa no Atlantic Club Comporta. Foto: Atlantic Club Comporta via The New York Times

“A vida na Comporta está centrada nas casas das pessoas, onde passam o tempo e se encontram com os seus amigos e familiares”, disse. “Por esta razão, o Atlantic Club não terá restaurante nem locais de reunião públicos.”

Grange, o designer de interiores francês, projeta o Atlantic Club e tem uma casa de férias nas proximidades. “É um lugar que terá o mesmo espírito da minha casa”, disse ele. Uma empresa imobiliária portuguesa, a Vanguard Properties, está por detrás de outro empreendimento da Comporta denominado Muda Reserve. Composto por 175 moradias com piscinas privadas e 50 quintas maiores (os preços das moradias começam nos 1,1 milhões de euros), o Muda está em construção e incluirá também um restaurante, igreja e espaço de co-working, segundo Duarte Zoio, director de comunicação da Vanguard. Todas as fazendas foram vendidas, disse ele.

A Vanguard também está construindo outras duas propriedades próximas, cada uma das quais terá casas e quartos de hotel e um campo de golfe, disse ele. As novas casas unifamiliares que não fazem parte das comunidades estão a contribuir para o crescimento da Comporta como destino de férias. Barreto disse que muitos compradores compraram lotes com casas antigas, demoliram e construíram novas. “Todos estão localizados no interior, geralmente em arrozais, e alguns têm mais de 50 acres”, disse ele.

Uma casa de 93 pés quadrados custa cerca de US$ 400.000 a US$ 500.000, disse Barretto, e lotes maiores podem custar até US$ 4,3 milhões. Mas não são apenas os preços que convencem. Proprietários de casas na Comporta, incluindo Barretto, Grange e Champalimaud, disseram que a região oferece um estilo de vida despreocupado, com as pessoas passando a maior parte dos dias na praia ou na piscina nos dias mais quentes. Eles também se reúnem nas casas uns dos outros para refeições de uma hora – geralmente banquetes de frutos do mar e muito vinho português.

Comporta, Pego e Carvalhal são algumas das principais praias e raramente ficam lotadas. “Não é incomum estar lá sozinho”, disse Champalimaud. – Este artigo foi publicado originalmente em O jornal New York Times

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.