ATUALIZAÇÃO 3 – Promotores no Brasil dizem que subornos foram pagos no negócio da refinaria da Petrobras no Texas

(Detalhes atualizados sobre incursões, alvos dos promotores, antecedentes da compra de Pasadena)

CURITIBA, Brasil, 16 de novembro (Reuters) – A polícia e os promotores brasileiros que investigam corrupção na Petroleo Brasileiro SA disseram nesta segunda-feira que têm evidências de que subornos foram usados ​​como parte da compra de US$ 1,2 bilhão da Pasadena Refining Systems Inc. em 2006.

O procurador dos EUA, Carlos Fernando dos Santos Lima, disse em entrevista coletiva anunciando uma nova rodada de buscas, apreensões e prisões que os subornos relacionados à refinaria norte-americana da Costa do Golfo podem levar ao cancelamento da compra.

Após a operação policial de segunda-feira, dois foram presos e cinco levados para interrogatório, disseram os promotores, a mais recente reviravolta em uma investigação de quase 20 meses sobre fixação de preços e propinas políticas na empresa conhecida como Petrobras.

“Este caso é importante porque, quem sabe, podemos anular a venda ou recuperar bens pertencentes ao público brasileiro”, disse Lima a repórteres em Curitiba, Brasil, onde a investigação está sendo conduzida.

O procurador não disse como uma transação baseada nos EUA poderia ser revertida, mas esforços sérios foram feitos durante o processo de corrupção para devolver fundos desviados ilegalmente ao governo ou à Petrobras.

O promotor disse que a Petrobras perdeu US$ 792 milhões comprando a refinaria de 100.000 barris por dia da Astra Oil, uma unidade da Astra Transcor Energy, controlada pela Bélgica. Ele também alegou que a Petrobras pagou a mais pela instalação e afirma que estava em péssimas condições quando foi adquirida.

A Petrobras pagou US$ 360 milhões pela metade da Pasadena Refining em 2006, mais de oito vezes o que a Astra pagou por toda a refinaria um ano antes. Em 2012, a Petrobras havia investido US$ 1,18 bilhão, incluindo o custo de comprar a metade restante da Astra após uma batalha legal entre as duas empresas.

Lima citou evidências de que a Astra pagou US$ 15 milhões em subornos ao vender os primeiros 50% da refinaria de Pasadena para a Petrobras em 2006.

A Petrobras comprou a refinaria à medida que suas exportações de petróleo pesado de grau Marlim e outras misturas de petróleo aumentaram, principalmente para os Estados Unidos. Esperava gerar lucros adicionais nessas exportações, refinando-as em combustíveis como a gasolina. Uma investigação do Congresso descobriu que ele pagou caro demais pela refinaria.

“Além de desatualizada e em péssimo estado, a refinaria não tinha capacidade para refinar o petróleo bruto de Marlim produzido pela Petrobras”, disseram os promotores em comunicado.

Em Houston, um pedido de comentário por correio de voz para a Astra Oil Company LLC não foi respondido imediatamente. Um funcionário da Astra Transcor Energy em Rotterdam se recusou a comentar. Um funcionário de assuntos corporativos em Zug, na Suíça, não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

Funcionários da Petrobras não comentaram. (Reportagem adicional de Guillermo Parra-Bernal, Pedro Fonseca, Jeb Blount e Anthony Boadle no Brasil, Joshua Schneyer em Nova York e Marianna Parraga em Houston; Roteiro de Jeb Blount; Edição de W. Simon e Christian Plumb)

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *