Aumento da delinquência juvenil – governo forma equipe especial

Catarina Sarmento e Castro, Ministra da Justiça de Portugal, explicou hoje porque o governo está a criar um grupo de trabalho para estudar o aumento da criminalidade entre os jovens adolescentes em Portugal.

Ela disse aos jornalistas em Braga: “Agora é preciso entender e estudar este fenômeno; começar a analisar esta realidade; ver o que justifica esses jovens agirem dessa forma. É preciso estudar a realidade. E é muito provável que seja necessário buscar essas causas”.

José Luís Carneiro, Ministro da Administração Interna, também aludiu uma equipe multidisciplinar dedicada é montada, “composta por elementos de saúde pública, previdência social, polícia e membros de outros setores do governo“.

“Confirmo que está sendo formada uma equipe, que contará com profissionais da saúde pública para avaliar as condições em que as restrições (ou seja, lockdowns) podem ajudar a justificar o crescimento dos indicadores relacionados à delinquência juvenil”, disse.

“Também queremos que as pessoas estejam conectadas à seguridade social e proteção social para os mais desfavorecidos. Depois estarão presentes outros serviços, nomeadamente a PSP, a GNR e outros poderes do governo… para tentar apurar as causas.”

A equipe especial é criada de acordo com o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) para 2021 que mostrou que o crime de gangues aumentou 7,7% no ano passado e o crime juvenil aumentou 7,3% em relação a 2020.

De acordo com a RASI, houve 4.997 denúncias de crimes de gangues em 2021, 359 a mais que no ano anterior.

Isso é o que o relatório disse O crime de gangues está associado principalmente a gangues de jovens entre 15 e 25 anoscom um extenso histórico criminal essencialmente centrado na prática de furto, roubo, agressão agravada e ameaça” todos geralmente “durante o à noite“.

A Sra. Sarmento e Castro disse que a equipa tinha que pedir “o que faz esses jovens se comportarem assim? Depois disso, sabemos o que provavelmente pode ser feito na fonte e, acima de tudo, tentamos evitar”, disse ela.

“O mais importante é a educação jurídica. Se começarmos a trabalhar e educar esses jovens sobre a lei, mais tarde vamos impedir que eles invadam o sistema, então nosso principal objetivo é prevenir e educá-los sobre a lei”, acrescentou. “Essa é a essência.”

As notícias desta equipe especial também seguem uma série de relatos recentes de “tiros de menores” – alguns com as consequências mais trágicas.

Apenas uma semana atrás, um jovem foi baleado na cabeça e essencialmente morto por estar em um mictório de discoteca “na hora errada”. Seu agressor supostamente não gostou da maneira como o jovem olhou para ele, disse – e depois o matou a tiros.

Houve outros incidentes, quase sempre em áreas urbanas – até relatos de jovens atirando em outros jovens em carros em rotatórias movimentadas.

natasha.donn@portugalresident.com

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.