“Bitcoin Family” pretende criar uma comunidade de criptomoedas no Algarve

Em uma história que provavelmente despertará muitas novas ideias no Ministério das Finanças de Portugal, o canal de notícias americano CNBC anunciou que “o patriarca da chamada família Bitcoin está criando raízes em Portugal, o paraíso fiscal de criptomoedas da Europa”.

Depois de Didi Taihauttu e sua família “passarem um tempo em 40 países”, descobriram que Portugal é “um dos últimos lugares da Europa” com um imposto de 0% sobre o Bitcoin.

“Você não paga imposto sobre ganhos de capital ou qualquer outra coisa sobre criptomoedas em Portugal”, disse Taihuttu. Desde que não ganhe criptomoedas por prestar serviços em Portugal, está seguro.

“É muito bom o paraíso do bitcoin”, diz o pai de três filhos de 43 anos, que trocou tudo o que possuía por bitcoin “e uma vida na rua” em 2017 e acabou com o que a CNBC chama de fortuna de bitcoin inscrita, “preservada em cofres secretos em quatro continentes diferentes”.

“Com esse tipo de implantação de criptomoedas, os incentivos fiscais em Portugal são certamente um grande benefício, embora não prejudique que o país ofereça um modo de vida seguro e confortável. 2021 classifica o país Quarto no Índice Global da Paze está no topo da lista de Os melhores países para expatriados‘, diz CNBC.

Mas a família bitcoin não está apenas focada em colher as recompensas de seus investimentos na segurança e conveniência comparativa de Portugal: eles parecem dispostos a ganhar ainda mais dinheiro criando uma espécie de vila de criptomoedas para colegas entusiastas de bitcoin que são atraídos pela ideia de não pagando impostos.

Os próprios irmãos de Didi Taihuttu “também podem fazer a mudança”, diz o canal de notícias. “O irmão e a irmã de Didi estão vendendo suas casas e investindo o dinheiro em bitcoin”, nos dizem.

CNBC explica a “beleza” de Portugal como paraíso fiscal de criptomoedas: “Ao contrário dos EUA, que lidam com moedas virtuais como propriedade, que os tributa de forma semelhante a ações ou imóveis, Portugal considera as criptomoedas um meio de pagamento. Esta distinção é um divisor de águas em termos de impostos.

“Os ganhos de capital de transações criptográficas, como saques e negociações cripto para cripto, não estão sujeitos ao imposto de renda pessoal”, explicou Shehan Chandrasekera, CPA e chefe de estratégia tributária da empresa de software fiscal cripto CoinTracker.io.

“Isso significa que os lucros da compra ou venda de criptomoedas não são tributados de forma semelhante a outras moedas fiduciárias. Isso também significa que transações ou pagamentos de criptomoedas, bem como trocas de bitcoin por dinheiro fiduciário, não estão sujeitos ao IVA.

“Isso torna Portugal um lugar realmente atraente para os usuários de criptomoedas”, continuou Chandrasekera.

“A única exceção ao generoso regime de criptomoedas do país diz respeito às empresas registradas em Portugal negociando criptomoedas. Essas empresas enfrentam impostos sob certas circunstâncias.”

No entanto, isso não afeta a família Bitcoin, que simplesmente administra seus negócios por conta própria.

A CNBC detalha os regulamentos e as empresas focadas em orientar os expatriados para o status de residência.

A emissora fala com outro “bilionário do Bitcoin” em Lagos, que afirma que “pelo menos três” outros como ele já vivem na cidade, e outros 12″ (principalmente do Reino Unido) que se mudam para Portugal num futuro próximo como alguns meses para os benefícios fiscais de criptografia”.

O holandês Wout Deley “acredita que a migração de criptomoedas também é boa para Portugal”, diz a CNBC.

“Você tem uma tremenda fuga de cérebros. Os mais jovens vão. Então eles tentam ser mais abertos a pessoas com capital, nômades digitais.”

Enquanto isso, os Taihuttus dizem à emissora que “querem interromper a experiência típica de expatriado em Portugal construindo sua própria vila de criptomoedas.

“A família está comprando imóveis atualmente”, diz a emissora. “Eles reduziram suas opções para três lotes diferentes (um com 250.000 acres) ao longo da costa sul do país no Algarve.

“O plano é que a comunidade seja descentralizada, com a terra sendo dividida por metro quadrado e vendida como tokens não fungíveis, ou NFTs, para denotar propriedade.

“Taihuttu também quer minerar Bitcoin usando energia solar e eólica e, em seguida, usar o calor gerado pelas plataformas para aquecer as casas no inverno, em uma espécie de sistema de circuito fechado.

“Por enquanto, o plano de trabalho é implantar uma organização autônoma descentralizada, ou DAO, para governar a comunidade. Os DAOs são executados na tecnologia blockchain”, diz a CNBC.

Os Taihuttus “desejam construir um estilo de vida descentralizado, que é o futuro”, dizem eles.

natasha.donn@algarveresident.com

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *