Bombeiros lutam para apagar o fogo num navio de luxo nos Açores

O navio Felicity Ace, que partiu de Emden, na Alemanha, onde a Volkswagen tem uma fábrica, para Davisville, em Rhode Island, arde a mais de 100 km das ilhas dos Açores, em Portugal, a 18 de fevereiro de 2022. Marinha Portuguesa (Marinha Portuguesa)/Apostila via REUTERS/File Photo

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

LISBOA, 20 Fev (Reuters) – Bombeiros estão lutando para apagar um incêndio que começou nesta quarta-feira em um navio que transportava milhares de carros de luxo na costa das ilhas portuguesas dos Açores, disse uma autoridade portuária, acrescentando que não está claro quando eles irão ter sucesso.

O navio Felicity Ace transportando cerca de 4.000 veículos, incluindo Porsches, Audis e Bentleys, alguns elétricos com baterias de íons de lítio, pegou fogo no meio do Atlântico na quarta-feira. Os 22 tripulantes a bordo foram evacuados no mesmo dia. continue lendo

“A intervenção (para extinguir o fogo) tem que ser feita muito lentamente”, disse João Mendes Cabeças, capitão do porto mais próximo da ilha do Faial, nos Açores, à Reuters no sábado. “Vai demorar algum tempo.”

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

As baterias de íon-lítio nos veículos elétricos a bordo “mantêm o fogo vivo”, disse Cabeças, acrescentando que equipamentos especializados estão a caminho para extingui-lo.

Não ficou claro se as baterias iniciaram o incêndio.

A Volkswagen, dona das marcas, não confirmou o número total de carros a bordo e disse na sexta-feira que aguarda mais informações. O gerente do navio Mitsui OSK Lines Ltd (9104.T) não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Cabeças disse anteriormente que “a cerca de cinco metros acima da linha d’água estava tudo em chamas” e o fogo ainda estava longe dos tanques de combustível do navio. Está se aproximando, disse ele.

“O fogo se espalhou mais para baixo”, disse ele, explicando que as equipes só podiam combater o fogo do lado de fora resfriando a estrutura do navio, pois era muito perigoso embarcar.

Também não se pode usar água, pois o peso extra pode deixar o navio mais instável, e os extintores tradicionais de água não impedem que as baterias de íon-lítio queimem, disse Cabeças.

O navio com bandeira do Panamá será rebocado para um país da Europa ou Bahamas, mas não está claro quando isso acontecerá.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

Reportagem de Catarina Demony em Lisboa; Reportagem adicional de Victoria Waldersee em Berlim; Editado por Bárbara Lewis

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.