Bruxelas alerta Lisboa para disciplina fiscal ‘coerente’ – EURACTIV.com

O Governo português deve tomar as medidas necessárias para tornar o orçamento de 2023 coerente com a prudência fiscal, afirmou esta terça-feira a Comissão Europeia, alertando para os riscos relacionados com o défice e a dívida do sustento das famílias.

A Comissão “convida” Portugal a tomar as medidas necessárias no âmbito do seu processo orçamental nacional para garantir que o orçamento de 2023 esteja “em linha com a recomendação do Conselho”, o executivo da UE disse em seu comunicado dando a avaliação geral do projeto de orçamento do próximo ano, publicado na terça-feira.

Tendo em conta o projeto de orçamento para 2023 apresentado por Lisboa e as previsões de outono da Comissão, a instituição indicou que no próximo ano em Portugal estima “que o crescimento da despesa corrente financiada a nível nacional se aproxime do crescimento do produto potencial a médio prazo, assumindo a redução planejada das medidas em resposta aos altos preços da energia, incluindo apoio temporário e direcionado a famílias e empresas vulneráveis.”

“Existe, portanto, o risco de o crescimento da despesa corrente primária financiada a nível nacional não estar em linha com a recomendação do Conselho”, sublinha Bruxelas.

A recomendação do Conselho de meados de julho afirmava que Portugal deveria “assegurar políticas orçamentais prudentes em 2023, em particular limitando o crescimento da despesa corrente primária financiada internamente abaixo do crescimento do produto potencial no médio prazo, permitindo ao mesmo tempo a continuação do apoio temporário e direcionado às famílias e empresas mais vulneráveis ​​aos aumentos dos preços da energia e aquelas que fogem da Ucrânia”.

Na comunicação publicada esta terça-feira, a Comissão Europeia nota que considera que o projeto de orçamento de Portugal “é apenas parcialmente coerente com as orientações orçamentais definidas na recomendação do Conselho” uma vez que o país “acelerou a implementação de medidas energéticas no contexto da emergência”. Como resposta política aos aumentos excecionais dos preços da energia, alargar as medidas de apoio existentes e/ou adotar novas medidas de apoio em resposta aos preços elevados da energia contribuiria para um maior crescimento das despesas correntes líquidas financiadas pelo governo e para um aumento do défice-dívida pública projetado em 2023.”

“Portanto, é importante que os Estados-Membros concentrem melhor essas medidas nas famílias e empresas mais vulneráveis ​​para incentivar reduções na demanda de energia, e que sejam retiradas quando a pressão sobre os preços da energia diminuir”, enfatizou Bruxelas.

Para o executivo da UE, Portugal também “tem feito progressos limitados na parte estrutural das recomendações orçamentais […] e, portanto, insta as autoridades a acelerar o progresso.”

O Conselho recomendou a Portugal, em meados de julho, que em 2023 “prosseguisse políticas orçamentais destinadas a alcançar posições orçamentais prudentes no médio prazo e assegurar uma desalavancagem credível e gradual e finanças públicas sustentáveis ​​no médio prazo através de consolidação gradual, investimento e reformas”.

Em meados de outubro, o Governo apresentou ao Parlamento o projeto de orçamento para 2023, que prevê que a economia portuguesa cresça 1,3% em 2023 e registe um défice orçamental de 0,9% do PIB.

A Comissão publicou na terça-feira o ciclo de 2023 do Semestre Europeu de coordenação das políticas económicas, com base nas previsões económicas de outono publicadas em meados de novembro.

Nestas previsões, a Comissão Europeia espera que Portugal tenha um défice de 1,1% do PIB em 2023, um crescimento económico de 0,7%, uma dívida pública de 109,1% do PIB e uma taxa de inflação de 5,8% em 2023.

(Ana Matos Neves, Lusa.pt)

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *