Calor, seca e incêndios florestais: um período escaldante atormenta Portugal

Por Barry Hatton
Imprensa associada

LISBOA, Portugal (AP) – Portugal está se preparando para uma onda de calor, com temperaturas em algumas áreas que devem subir para 43 C (109 F) neste fim de semana, com uma seca severa que atinge o país.

A Agência de Proteção Civil, agência do governo português que coordena a resposta oficial à emergência, disse quinta-feira que está a colocar as tripulações em alerta máximo devido ao risco de incêndios florestais. Cerca de um terço do país enfrenta um risco extremo de incêndios florestais, dizem as autoridades.

As altas temperaturas devem durar pelo menos uma semana. O serviço meteorológico nacional do IPMA disse que o que chamou de “noite tropical”, quando as temperaturas ficam acima de 20 C (68 F) após o pôr do sol, é possível.

O governo disse que colocaria o país em alerta oficial para incêndios florestais a partir de sexta-feira. A medida dá à autoridade poderes especiais, como a proibição da queima de feno e fogos de artifício nos festivais de verão, e permite solicitar equipamentos como escavadeiras para abrir aceiros.

Mais de metade dos incêndios florestais em Portugal começam por negligência, mostram estudos.

A onda de calor veio porque grande parte de Portugal estava passando por uma seca. No final de junho, 96% do país foi classificado como seca “extrema” ou “grave” – ​​as duas categorias mais altas.

O serviço meteorológico disse que durante os nove meses desde outubro passado as chuvas foram pouco mais da metade da média do período e foram as segundas mais baixas desde 1931, quando começaram os registros nacionais confiáveis.

Ondas de calor e secas não são incomuns em Portugal, mas os cientistas do clima dizem que o resto do sul da Europa pode esperar temperaturas mais altas e chuvas mais baixas como resultado do aquecimento global.

Quando o tempo muito seco atingiu os países do Mediterrâneo, O Executivo da União Europeia disse quinta-feira o continente está enfrentando um de seus anos mais difíceis para lidar com desastres naturais, como secas e incêndios florestais, devido ao aumento das mudanças climáticas.

Junho também é muito seco na Espanha, que é vizinha de Portugal na Península Ibérica, com chuvas cerca de metade da média de 30 anos e reservatórios com capacidade média de 45% – 20 pontos percentuais abaixo da média de 10 anos, segundo dados do governo. .

A Itália passou recentemente por uma onda de calor prolongada e experimentou sua pior seca em 70 anos.

___

Acompanhe todas as matérias da AP sobre mudanças climáticas em https://apnews.com/hub/climate

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.