Caos no serviço nacional de saúde: “O problema não é novo”

“Esse problema não é novo”, disse a ministra da Saúde, Marta Temido, a um grupo de repórteres que esperava durante todo o dia de segunda-feira uma resposta do governo aos problemas que estiveram nas telas de TV do país nas quase surreais 72 horas.

A Sra. Temido esteve reunida com representantes de médicos, enfermeiros e outras organizações profissionais ao longo do dia – e deverá reunir-se com representantes de unidades de saúde do Algarve e Alentejo ao início da noite.

Sua aparição em meio aos boletins de segunda-feira à noite, foi dito ao país, deve finalmente fornecer a resposta há muito esperada do governo para lidar com questões que preocupam os mais vulneráveis: pessoas que não podem pagar por assistência médica privada.

Não são permitidas perguntas, disseram âncoras de notícias. O que aconteceu foi confuso na melhor das hipóteses: a Sra. Temido realmente “respondeu” às perguntas dos jornalistas, que vieram grossas e rápidas – embora com muitas frases vazias.

Ela descreveu dois planos a serem implementados: um plano de curto prazo e um plano de médio prazo. O “plano de contingência” de curto prazo deve começar imediatamente, ela enfatizou.

Mas, além de oferecer aos funcionários de 40 a 50 euros por horas extras, em vez dos 12 euros atualmente pagos – e concordar com a necessidade de abrir novas vagas para médicos -, havia muito pouca gente concreta que pudesse segurar. O plano de emergência de verão, que decorre de julho a setembro inclusive, visa “fazer todo o possível para evitar situações como as que vimos nos últimos dias em relação à perturbação da calma social em relação ao funcionamento do serviço público de saúde”. .

“Menos de 24 horas depois que ela anunciou ao país no caótico e insubstancial comunicado à imprensa que estava avançando com um plano de emergência, surgiram notícias do fechamento de departamentos de emergência em três hospitais”, comentou um deles. Correio da Manha principais colunistas.

“Não é bom” dizer que os problemas que atualmente atacam os hospitais “não são novos”, explicou Paulo João Santos, do CM. “Esta seria uma desculpa aceitável se Marta Temido não estivesse no governo desde outubro de 2018. Se em todo este tempo não conseguiu resolver os problemas da escassez de trabalhadores de saúde e da organização do serviço de saúde do SNS, é legítimo pensar que não os pode resolver agora – sobretudo porque a situação se agravou. .”

Então o que aconteceu?

Os piores problemas concentram-se na capital, onde as equipes de obstetrícia de emergência operam com equipes de emergência que muitas simplesmente fecharam suas portas, principalmente durante a noite – acrescentando o estresse extra às mulheres que dão à luz por terem que encontrar um lugar para ter seus bebês.

Hospitais que enviam “comunicados” disseram que “todos os outros serviços estão totalmente operacionais” – mas, novamente, essa foi uma declaração relativamente vazia, já que as equipes de ambulância relatam longas esperas para descarregar pacientes para qualquer tipo de tratamento, que por sua vez é o culpado caso, compromete a cobertura de emergência em geral.

No Algarve, a Maternidade de Portimão só vai acolher mães em trabalho de parto na próxima segunda-feira. Isto significa que a região tem apenas um porto de escala: Faro. Isto pode não ser um grande problema para as pessoas que vivem a leste de Portimão, mas para quem vive a oeste de Lagos acrescenta pelo menos mais uma hora a viagens que, quando necessário, geralmente têm de ser feitas rapidamente.

O ex-ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes chamou este momento da história do serviço de saúde do SNS de “tempestade perfeita”, transformando-o em um serviço puro aos pobres – e ainda por cima totalmente inadequado.

Miguel Guimarães, presidente da Ordem dos Médicos, limitou-se a dizer que “o SNS não está preparado para responder às necessidades de 10 milhões de portugueses”.

As parcerias público-privadas foram consideradas (acordos em que o setor privado absorve a demanda que o público não consegue atender), mas a resposta do governo até agora resistiu a essa opção – apesar de ter gasto pouco mais de 34 milhões de euros em trabalhadores temporários em , nos primeiros três meses deste ano, os chefes dos hospitais foram “proibidos” de contratar pessoal urgentemente necessário.

Pior resultado em Caldas da Rainha

Com todos os partidos políticos “unidos contra o governo mas divididos sobre as soluções”, a verdade é que o pior resultado possível já aconteceu – e aconteceu antes do fim-de-semana prolongado nas Caldas da Rainha, onde o hospital nem sequer avisou à população que a emergência obstétrica não estava admitindo novos pacientes.

Uma mulher de 34 anos com complicações tardias de sua segunda gravidez apareceu no hospital, teve que esperar mais do que deveria – e quando finalmente fez uma cesariana de emergência, o bebê morreu.

O hospital quase imediatamente enviou um comunicado à imprensa “garantindo que nenhuma relação causal havia sido estabelecida entre a morte e as restrições à conclusão dos planos de pessoal”.

Miguel Guimarães respondeu que o hospital “deve explicar a sua reclamação e ser responsabilizado por ela.

“As responsabilidades geralmente são atribuídas ao sistema de saúde e àqueles que o administram”, disse ele. “(Esta declaração) me dá a impressão de que o governo está tentando desdramatizar a situação e sugerir que estava tudo bem. Eu não tenho essa informação.”

Desde então, várias investigações foram iniciadas sobre o que levou à morte desse bebê, incluindo uma investigação do Departamento de Estado.

A juntar ao surrealismo dos acontecimentos que parecem cada vez mais confusos, Rui Rio do PSD comentou o drama… de Moçambique, onde aparentemente celebrava o “Dia de Portugal”.

Ele disse a repórteres que “o Partido Socialista se opôs abertamente à colaboração público-privada e insistiu mais no público” a ponto de “agora termos um serviço de saúde pública que se deteriorou completamente”. Há “cada vez menos pessoal: os médicos são mais propensos a mudar para o setor privado devido à falta de recursos”, o que por sua vez “leva aos problemas que todos vemos agora”.

“Ninguém pode dizer em que consiste o plano de contingência do governo… mas uma coisa é certa”, conclui uma coluna na revista Correio da Manha intitulado “Temendo o pior”: “Se o plano não funcionar, já sabemos a resposta: Este não é um problema novo…”

Por Natasha Don

natasha.donn@portugalresident.com

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.