Carlos Carvalhal sobre como o goleador de 15 anos Roger Fernandes conquistou seu momento emocionante com o Braga | notícias de futebol

Foi talvez o momento mais emocionante da temporada até agora. Roger Fernandes, um rapaz de 15 anos que teve a oportunidade no Braga, marcou no final do jogo da taça frente ao Moitense e correu para a linha lateral para abraçar o seu treinador Carlos Carvalhal.

Roger nasceu na Guiné-Bissau, mas mudou-se para Portugal ainda criança. Seu pai faleceu pouco antes do jogo em meados de outubro. Ele não pôde comparecer ao funeral na África devido a restrições de viagem durante a pandemia.

“Tentamos dar-lhe o melhor apoio possível”, diz Carvalhal Sky Sports. “Um menino nessas circunstâncias precisava de um pouco de amor, ele precisava de um momento. E foi um momento especial, devo dizer. Há uma conexão porque eu joguei com ele, mas fiz isso porque ele merecia.

Foto:
Carlos Carvalhal com Roger Fernandes antes da sua atuação na Taca de Portugal frente ao Moitense a 17 de outubro (Sipa US/Alamy Stock Photo)

“Você sempre tem que merecer. Gosto de ver um menino e pensar que ele pode ser um jogador da primeira equipe. Quando analisamos os jovens jogadores, eles nunca nos decepcionam. Eu nunca desejei não ter feito isso”. Esses caras sempre parecem nos surpreender de uma maneira positiva.”

O Carvalhal já tinha dado a Roger a sua estreia profissional na Supertaça de Portugal frente ao Sporting em julho. Ele fez sua estréia na liga pouco depois contra o mesmo adversário. Lesões apresentaram a oportunidade, mas foi sua maturidade excepcional que o ajudou a aproveitá-la.

“Um dia tive um problema com o meu extremo esquerdo, Galeno, por isso fui aos dirigentes da academia e perguntei se tinham algum jogador nessa posição”, disse Carvalhal. “Eles disseram: ‘Treinador, eu quero que você veja esse menino.’ Então eu consegui que ele jogasse em um jogo amistoso.

“Quando fiz minhas anotações de análise após o jogo para corrigir o menino, havia algo que não entendi porque aquele menino fez tudo o que pedimos para aquela posição. Eu queria corrigir algo, mas não tinha nada. Absolutamente zero.

O técnico do Braga, Carlos Carvalhal, abraça Roger Fernandes após marcar na vitória por 5 a 0 sobre o Moitense na Taça de Portugal (Sipa US/Alamy Stock Photo)
Foto:
Carlos Carvalhal abraça Roger Fernandes após seu gol (Sipa US/Alamy Stock Photo)

“Foi incrível. Conheço futebol. Não é normal.

“No dia seguinte, perguntei a ele: ‘Onde você aprendeu isso? Quem lhe ensinou? É uma posição complexa.’ Ele me disse que assistia a todos os jogos do Braga e, quando lhe disseram que jogaria na ponta esquerda, assistiu a vídeos do Galeno o dia todo.

“Ele estudou suas jogadas na fase ofensiva, na fase defensiva e na transição. Uau. Aos 15, isso foi especial. O jovem jogador moderno não gosta de assistir a jogos inteiros, mas esse menino fez tudo o que podia para aprender Este cargo.”

O técnico do Braga, Carlos Carvalhal, abraça Roger Fernandes após marcar na vitória por 5 a 0 sobre o Moitense na Taça de Portugal (Sipa US/Alamy Stock Photo)
Foto:
Comemorações continuam após o gol de Roger Fernandes (Sipa US/Alamy Stock Photo)

Esse talento precoce pode ser raro, mas o compromisso de Braga com a juventude não é nada incomum. Na verdade, é vital para o seu sucesso contínuo.

“Na época passada, o Benfica gastou 100 milhões de euros em jogadores e nós gastamos 250 mil libras, por isso estamos a jogar em circunstâncias completamente diferentes”, diz Carvalhal.

“Por isso, tentamos jogar um bom futebol e desenvolver os jogadores porque para o clube sobreviver é preciso vender jogadores e ganhar dinheiro. Os jovens são importantes para nós. Nesse contexto, colocamos nove jogadores da academia no time. Um desses caras em Roger.”

A estratégia funciona. O Braga está a caminho de chegar aos oitavos-de-final da Liga Europa ao liderar o seu grupo de qualificação. Eles garantiram o seu lugar na competição ao vencer a final da Taça de Portugal na época passada no seu ano centenário – frente ao Benfica.

Para o Carvalhal, o herói do regresso a casa, foi um momento muito especial, sem dúvida o maior momento da sua carreira. “Nasci em Braga, vivo em Braga, toda a minha família é bracarense. Joguei na equipa e fui capitão. Ainda vivo a cerca de um quilómetro do estádio.”

Ele havia recusado uma oferta do gigante brasileiro Flamengo para assumir o cargo no verão de 2020. “Minha esposa, meu filho, minha filha, todos me disseram a mesma coisa – é uma pandemia, muito perigosa, não sabemos o que vai acontecer. Decidi que não posso ir ao Brasil.”

Esse interesse da América do Sul continua em parte porque Carvalhal se tornou um dos homens do renascimento do futebol, mudando seu estilo de jogo desde seus dias no futebol inglês no Sheffield Wednesday e como treinador da Premier League no Swansea.

No Rio Ave, trouxe-os para a Europa com o melhor resultado da sua história ao jogar um futebol emocionante e deu continuidade a esta filosofia em Braga. O treinador do Porto, Sérgio Conceição, descreveu a equipa de Carvalhal como a melhor equipa de futebol de Portugal.

“Esta transformação no nosso futebol foi um grande passo, mas tínhamos que fazer algo diferente. Em vez de preparar um time com um sistema – 4-3-3 ou 5-4-1 – preparamos um time com foco nos espaços. Mudamos completamente nossa ideia de futebol.”

Carlos Carvalhal, treinador do Braga
Foto:
O treinador do Braga, Carlos Carvalhal, mudou a sua filosofia futebolística

A entrega deste troféu, uma das três finais de taça em que o Braga participou, confirmou a decisão de Carvalhal de mudar de ideias e validou a decisão de regressar a casa.

“Tive a ideia de que poderíamos colocar nosso nome na sala de troféus, que poderíamos fazer algo especial. Vencer no ano de aniversário do clube foi algo especial, absolutamente fantástico. Fiquei muito emocionado. Segurando o troféu nas mãos, significava tudo para mim.

“Quando falei com minha família, foi um momento emocionante porque eles não puderam estar lá por causa da pandemia. Esses são os momentos em que faz sentido por que você está no futebol quando conecta todas essas coisas que voltam no tempo tem cinco anos”.

Foi um dia especial, mas Carvalhal espera que o legado dure mais.

“O nosso nome entrou na história do clube por causa do troféu, mas acho que os adeptos vão lembrar-se do bom futebol e dos rapazes que produzimos”.

Caras como Roger Fernandes.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.