Casos de abuso em Portugal estão se acumulando em meio a perguntas sobre o bispo Nobel

Por BARRY HATTON – Associated Press

LISBOA, Portugal (AP) — Casos de abuso sexual por parte do clero lançam uma sombra sobre a Igreja Católica em Portugal e seduzem altos funcionários, mesmo quando as autoridades lutam para explicar por que um bispo vencedor do Prêmio Nobel da Paz está no centro das alegações de abuso sexual. proteção de má conduta foi concedida.

Os principais líderes católicos pediram desculpas no fim de semana pelos danos causados ​​por décadas de supostos abusos e encobrimentos – as estimativas atuais colocam o número em cerca de 400 casos – com o arcebispo de Lisboa pedindo aos fiéis que não percam a fé na igreja.

“Esteja confiante de que faremos o melhor de nossa parte, em termos da lei e do evangelho”, disse o arcebispo Manuel Clemente após a missa dominical.

Os holofotes caíram sobre as autoridades da Igreja portuguesa e o Vaticano na semana passada, quando o Escritório de Abuso Sexual da Santa Sé confirmou uma reportagem da mídia holandesa que havia em 2020 sancionado secretamente Dom Carlos Ximenes Belo, o reverenciado herói da independência de Timor Leste, uma pequena ex-colônia portuguesa na Ásia Oriental. Belo, que vive em Portugal, recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1996.

As pessoas também lêem…

Mais revelações indesejadas para a igreja portuguesa se acumularam nos últimos dias, assim como Portugal está tentando ganhar impulso para sediar a Jornada Mundial da Juventude do próximo ano em Lisboa. O Papa Francisco estará presente no evento, que é um evento importante no calendário católico.

A Procuradoria-Geral da República de Portugal confirmou segunda-feira à Associated Press que o chefe da Conferência Episcopal Portuguesa, Dom José Ornelas, está sob investigação por suspeita de acobertar abusos de padres em Moçambique, uma ex-colônia portuguesa.

Ornelas, que preside o mundialmente famoso santuário português em Fátima, negou qualquer irregularidade ou irregularidade e prometeu cooperar com qualquer investigação, mas a investigação aumentou a pressão sobre as autoridades eclesiásticas portuguesas.

Ornelas voou para a Itália no fim de semana para um encontro privado no Vaticano com Francisco, que também estava recebendo seu embaixador em Portugal. O Vaticano não forneceu nenhuma informação sobre as reuniões.

A visita de Ornelas ao Papa ocorre dois meses depois que o arcebispo de Lisboa, Clemente, se encontrou com o Papa em meio a uma série de alegações de abuso sexual infantil por padres e supostos encobrimentos por membros seniores da Igreja portuguesa.

Os escândalos ocorreram em meio a revelações divulgadas por um comitê leigo que investiga casos históricos de abuso sexual da Igreja em Portugal. Cerca de 400 casos suspeitos foram revelados desde janeiro. Autoridades da Igreja haviam dito anteriormente que conheciam apenas um punhado de casos.

No sábado, a Diocese de Braga, no norte de Portugal, emitiu um pedido de desculpas pela “dor e sofrimento” causados ​​pelas acusações de abuso sexual feitas contra um padre local por homens e mulheres da região. O abuso teria ocorrido na década de 1990 e as vítimas reclamam que nada aconteceu depois de soar o alarme após a virada do século.

Muitas perguntas sem resposta permanecem sobre o tempo de Belo em Portugal. A ordem missionária salesiana à qual pertence disse que o acolheu a pedido de seus superiores. Seu paradeiro atual não é claro.

O Vaticano impediu Belo de entrar em contato com menores ou com Timor Leste com base em alegações de má conduta que chegaram a Roma em 2019.

A embaixada de Timor-Leste em Lisboa não respondeu de imediato a um pedido de comentário sobre uma reportagem da imprensa portuguesa de que o tinha apanhado numa propriedade salesiana em Lisboa e o levado para um local não revelado na sequência das revelações da semana passada.

Belo disse que se aposentou em 2002 devido a problemas de saúde e para trazer uma liderança diferente da igreja para o Timor Leste recém-independente. Mas um ano depois de sua aposentadoria, Belo foi enviado a Moçambique pelo Vaticano e pelos Salesianos para trabalhar como padre missionário. Portugal mantém laços estreitos com o país africano.

Lá, diz Belo, ele passava seu tempo “ensinando catecismo para crianças e dando retiros para jovens”.

As Nações Unidas e os Advogados das Vítimas pediram a Francisco para fazê-lo autorizar uma investigação sobre as circunstâncias da aposentadoria de Belo em 2002, quando ele estava 20 anos abaixo da idade normal de aposentadoria, e por que ele foi enviado para Moçambique.

Direitos autorais 2022 The Associated Press. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, transcrito ou redistribuído sem permissão.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *