Chega preocupado com “fronteiras comprometidas”

A vertente do Chega pediu ao Governo que reverta a decisão de reprimir o SEF, salientando que, face ao atual contexto de guerra na Ucrânia, a proteção das fronteiras portuguesas “não pode ficar comprometida”.

Em comunicado, o grupo parlamentar do Chega “reafirmou a necessidade de manter o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) operacional, enquanto a data da sua extinção for iminente”, referindo-se ao prazo, fixado por lei, que estipula que o processo de transferência do SEF competências devem ser concluídas até 12 de maio.

Proteção de fronteira

“A proteção das nossas fronteiras não pode ser comprometida, especialmente no atual contexto europeu, onde há informações que revelam que os imigrantes ilegais estão usando a guerra para entrar ilegalmente no nosso país”, afirma o partido, mas não respalda as alegações com fatos. .

Referindo-se às “últimas notícias” e à “informação”, o Chega relata “uma rede de apoio à imigração ilegal que usufrui dos direitos de proteção temporária concedidos por Portugal a todas as pessoas que, durante a invasão russa da Ucrânia, se estivessem em território ucraniano viver, estudar ou trabalhar”.

“É, pois, incompreensível que, sobretudo neste contexto, o governo não tenha revogado definitivamente a decisão de extinção do SEF e, portanto, por razões ideológicas, tenha posto em causa a segurança de Portugal e de toda a Europa, na ausência de uma forte criminalidade Aja. É impossível para a polícia garantir a segurança nas fronteiras”, disse o partido.

O Chega salientou o “quão importante é a defesa” da fronteira para Portugal e a Europa, reiterando os apelos ao Governo para “reverter, definitivamente, a decisão de extinção do SEF”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.