Como anfitriã da cúpula, a Espanha pede à Otan que monitore seu flanco sul

BARCELONA, Espanha (AP) – Enquanto a invasão da Ucrânia pela Rússia certamente dominará uma próxima cúpula da Otan em Madri, a Espanha e outros estados membros estão silenciosamente pedindo à aliança ocidental que considere como mercenários aliados ao presidente russo Vladimir Putin devem expandir a influência de Moscou em África.

Como anfitriã da cúpula, que acontecerá de terça a quinta-feira, a Espanha quer enfatizar sua proximidade com a África ao defender um foco maior no flanco sul da Europa em um novo documento que descreve a visão da OTAN sobre seus desafios e missão de segurança.

O Conceito Estratégico é o principal documento de trabalho da OTAN após o Tratado do Atlântico Norte de 1949, que incluía a cláusula chave de que um ataque a um membro seria considerado um ataque a todos. A Avaliação de Segurança é atualizada aproximadamente a cada dez anos para redefinir a agenda de segurança do Ocidente.

A versão atual, adotada em Lisboa em 2010, qualificou de “baixo” o risco de uma guerra convencional em território da OTAN. Preocupações com a instabilidade na África não foram especificamente mencionadas. Na época, a Aliança via a apatia como sua maior ameaça militar; As queixas dos EUA de que alguns membros europeus não estavam pagando suas dívidas tiveram destaque nas negociações da cúpula.

Se avançarmos uma dúzia de anos, a visão da sede da OTAN em Bruxelas parece muito diferente. Depois que a Rússia trouxe a guerra Perto das fronteiras orientais da OTAN, a aliança tem trabalhado para fornecer à Ucrânia uma gama de armas mais poderosas e evitar o risco muito real de ser arrastada para a luta.

Mas parece haver um consenso entre os membros da OTAN que se dirigem à cúpula de Madri de que, embora a Rússia continue sendo a preocupação número 1, a aliança precisa ampliar suas vistas globalmente. A posição da Espanha para uma orientação “sul” mais forte é compartilhada pela Grã-Bretanha, França e Itália.

Na opinião deles, os desafios de segurança na África surgem tanto de um Putin que parece determinado a restaurar a glória imperial da Rússia quanto de uma China expansionista. A Rússia vem ganhando terreno graças à presença de seus mercenários no Sahel, uma extensão semi-árida que se estende do Senegal ao Sudão atormentada por agitação política, terrorismo e seca.

“Toda vez que me encontro com os ministros da Otan, o apoio dos aliados é absoluto devido à instabilidade que estamos vendo atualmente na fronteira sul da aliança e particularmente à situação no Sahel”, disse o ministro das Relações Exteriores da Espanha, José Albares.

O Kremlin nega vínculos com o Grupo Wagner, grupo mercenário com uma presença crescente na África Central e do Norte e no Oriente Médio. A empresa militar privada, que também participou da guerra na Ucrânia, conquistou uma posição na Líbia, Mali, Sudão e na República Centro-Africana.

No Mali, soldados Wagner estão preenchendo uma lacuna que surgiu quando a França, a antiga potência colonial, deixou o país. No Sudão, a oferta da Rússia de uma aliança econômica rendeu-lhe a promessa de uma base naval no Mar Vermelho. Na República Centro-Africana, os combatentes Wagner protegem as minas de ouro e diamantes do país. Em troca, Putin obtém aliados e recursos diplomáticos.

O presidente francês, Emmanuel Macron, há muito pede um “maior engajamento” da OTAN no Sahel. Agora que Wagner se mudou para o Mali, as autoridades francesas destacaram que os mercenários de Wagner foram acusados ​​de abusos de direitos humanos na República Centro-Africana, Líbia e Síria.

O ex-secretário-geral da Otan, Javier Solana, disse que a ação militar brutal da Rússia em apoio ao presidente sírio Bashar al-Assad durante a longa guerra civil de seu país o encorajou.

“A Síria fez (os russos) sentirem que poderiam ser mais ativos naquela parte do mundo”, disse Solana à Associated Press. “Eles têm relações muito boas com a Argélia e têm (…) o tipo Wagner de pessoas no Sahel que são melindrosas.”

Com o Sahel, Marrocos e Argélia em risco de agravar a instabilidade, “a parte sul da NATO, para Portugal, Espanha, Grécia, etc., querem ficar de olho nessa parte do mundo”, disse.

A Itália é outro membro da OTAN sintonizado com o clima político mediterrâneo. A Base de Comando da Força Conjunta do país em Nápoles, que abriu um centro no sul em 2017, focou especificamente em terrorismo, radicalização, migração e outras questões de segurança emanadas do norte da África e do Oriente Médio.

O embaixador italiano na OTAN, Francesco Maria Talo, disse em entrevista à agência de notícias italiana ANSA em maio que as crises humanitárias na África devem afetar todos os aliados da Otan.

“Perto de nós, há uma África com um bilhão de habitantes em risco de pobreza, agravado pela insegurança alimentar, terrorismo e mudanças climáticas, todos fatores que se combinam para criar insegurança”, disse Talo. “E a Rússia também está presente lá.”

A importância do outro lado do Mediterrâneo tornou-se dolorosamente clara para a Espanha no ano passado devido a uma série de crises diplomáticas entre Marrocos e Argélia e sua rivalidade sobre o destino do Saara Ocidentaluma ex-colônia espanhola.

Em meio às disputas, redução da segurança nas fronteiras permitiu a entrada de migrantes em território espanhole ameaças percebidas ao fornecimento de energia. Os analistas consideram ambas táticas de “guerra híbrida” quando os governos as usam contra outros países.

O secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, falou em Madri no mês passado sobre os problemas causados ​​no ano passado quando a Bielorrússia, aliada de Putin, supostamente encorajou os migrantes a cruzar suas fronteiras para a Polônia e outros países vizinhos.

“Quando pessoas como Wagner obtêm o controle que têm ou gostariam de ter em países como a Líbia ou o que estamos vendo que já estão fazendo no Mali, não pense que a Espanha não será afetada”, disse Wallace.

A OTAN também deverá incluir no novo Documento Estratégico uma referência ao crescente alcance militar da China dentro e fora da Orla do Pacífico. O secretário-geral Jens Stoltenberg disse em Madri no mês passado: “A China se alinhou com a Rússia e nega abertamente o direito de cada país de escolher seu próprio caminho”.

Em maio, o general do Exército dos EUA Stephen J. Townsend, comandante do Comando da África dos EUA, alertou que a China estava tentando estabelecer uma base naval militar na costa atlântica da África. Ele disse que a China tem “a maior força” para estabelecer uma base na Guiné Equatorial, uma pequena ditadura rica em petróleo que já foi a única colônia da Espanha na África Subsaariana.

A China opera apenas uma base militar estrangeira reconhecida, localizada em Djibuti, na África Oriental. No entanto, muitos acreditam que seu Exército Popular de Libertação está ocupado construindo uma rede militar estrangeira, embora não use o termo “base”.

A OTAN convidou os líderes do Japão, Coréia do Sul, Austrália e Nova Zelândia para a cúpula para mostrar seu interesse na região da Ásia-Pacífico.

O ministro das Relações Exteriores da Mauritânia, ex-colônia francesa na África Ocidental, também foi convidado para um almoço de trabalho com outros ministros das Relações Exteriores na cúpula da Otan. A Otan disse que o país, que faz fronteira com o Saara Ocidental, Argélia, Mali e Senegal, está “estreitamente envolvido no trabalho preparatório” para o novo Conceito Estratégico.

___

Os escritores da AP Ciarán Giles em Madri, Sylvie Corbet em Paris e Nicole Winfield em Roma contribuíram para este relatório.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.