Crise de saúde: comitê consultivo se reúne hoje

A “comissão de acompanhamento” criada para “responder à crise nos serviços de urgência obstétrica e ginecológica” encontra-se esta manhã com a ministra da Saúde, Marta Temido, entre um número crescente de críticos que dizem que podem não estar à altura da tarefa.

Segundo a Lusa, o encontro com as autoridades regionais de saúde surge no momento em que os serviços obstétricos e ginecológicos falidos estão a dar sinais positivos.

Os serviços em Portimão, por exemplo – encerrados há quase uma semana – deverão reabrir, tal como os de Braga.

Também Setúbal, onde a falta de anestesiologistas levou a limitações tanto na obstetrícia quanto na cirurgia do trauma, deve voltar a um contexto mais operacional – embora não haja ilusões, o serviço de saúde está oscilando com a escassez crônica de pessoal, e muitos diriam que falta da Organização coerente.

Em declarações à Lusa antes do início do encontro, o coordenador nacional da nova comissão, Diogo Ayres de Campos – especialista que acredita firmemente que a obstetrícia precisa de ser repensada em Portugal – disse que o foco está em encontrar uma fórmula para “criar mais coordenação” entre hospitais quando as maternidades e/ou maternidades estiverem fechadas.

É Chefe de Obstetrícia do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Norte (CHULN) e Presidente do Associação Europeia de Medicina Perinataldestacou Ayres de Campos “alta prioridade” é “Encontrar soluções para o verão”. Mas a Comissão tratará disso “Problemas agudos”vai ter que “Pegue os problemas mais estruturais” “E tente mudar alguma coisa aí, porque senão você fica fácil reagir e não planejar“.

Como o comentador de TV Luís Marques Mendes comentou no seu horário habitual de domingo no noticiário da SIC, a ministra ou está a transformar os cuidados de saúde ou vai ser “transformada” (ou seja, ficará desempregada).

natasha.donn@portugalresident.com

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.