Detenções em massa de suspeitos de tráfico de seres humanos em quintas portuguesas | Notícia

A polícia portuguesa prendeu pelo menos 40 pessoas na quarta-feira por suspeita de envolvimento em uma suposta quadrilha de tráfico de pessoas que leva ilegalmente migrantes para trabalhar em fazendas na região do Alentejo, em Portugal.

A operação levada a cabo pela unidade antiterrorista da Polícia Nacional contou com cerca de 400 agentes a efetuarem 65 incursões nas primeiras horas da manhã.

Isso resultou na prisão de supostos membros de uma operação de tráfico de seres humanos que prometia empregos a migrantes em plantações portuguesas de frutas e oliveiras.

A polícia confirmou que os suspeitos, com idades entre 22 e 58 anos, eram uma mistura de portugueses e estrangeiros. Acredita-se que as vítimas tenham vindo de países como Índia, Paquistão, Romênia e Marrocos.

Os suspeitos foram “gravemente acusados ​​de crimes de associação criminosa, tráfico de pessoas, branqueamento de capitais, falsificação de documentos, entre outros”, disse a polícia.

O Ministério Público de Portugal confirmou a operação, mas não comentou mais sobre a investigação, que está atualmente sob sigilo judicial.

Uma fonte que trabalha para organizações de direitos dos migrantes em Portugal afirma que os suspeitos presos durante a operação de quarta-feira também estavam envolvidos em uma quadrilha de tráfico humano que fornecia mão de obra estrangeira para plantações de azeite perto de Cuba – onde ocorreram os ataques – no outono. como uma quinta de bagas perto de Odemira durante o verão.

A fazenda no município de Odemira, no sul de Portugal, exporta frutas para a Grã-Bretanha e estava anteriormente ligada a supostos abusos dos direitos humanos e exploração do trabalho.

No início deste ano, o Guardian informou que cidadãos do sul da Ásia empregados pelas mesmas fazendas de frutas vermelhas estavam trabalhando em “condições de exploração”, inclusive recebendo menos do que o salário mínimo para colher frutas destinadas a supermercados do Reino Unido, como Waitrose, Tesco e Marks & Spencer.

As evidências sugerem que os trabalhadores são empregados por pelo menos três fazendas que fornecem suas frutas aos supermercados britânicos por meio da multinacional norte-americana Driscoll’s, que opera várias fazendas de frutas vermelhas no sudoeste de Portugal em parceria com produtores independentes.

A empresa disse em comunicado que tem “tolerância zero” para o envolvimento em práticas de tráfico humano e trabalho forçado.

“A Driscoll’s tem uma política rígida contra práticas que não cumpram as leis e padrões trabalhistas globais.

“Se alguma das práticas de nosso produtor independente entrar em conflito com nossos padrões ou com a estrutura legal local, a Driscoll determinará a ação corretiva.”

Tanto a Waitrose quanto a M&S disseram recentemente ao The Grocer que ainda estão negociando com as operações portuguesas da Driscoll, após alegações do The Guardian.

A M&S disse que investigou as alegações e que uma auditoria foi realizada para garantir a conformidade.

Um porta-voz da Waitrose disse: “O bem-estar do trabalhador é extremamente importante para nós e tomamos medidas para melhorar as condições com nossos fornecedores, incluindo auditorias regulares e pesquisas com trabalhadores para acompanhar o progresso”.

A Tesco não comentou seu relacionamento com a Driscoll’s em Portugal.

Chico Braga

"Explorador. Organizador. Entusiasta de mídia social sem remorso. Fanático por TV amigável. Amante de café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *