Devemos fazer melhor uso das Coalizões dos Dispostos – EURACTIV.com

Há “clareza de entendimento” de que as circunstâncias da defesa europeia mudaram e há uma percepção crescente de que a Europa não pode ser geopoliticamente relevante sem uma dimensão militar, disse o ministro da Defesa de Portugal, João Gomes Cravinho, ao EURACTIV em entrevista.

Segundo Gomes Cravinho, “muitas coisas mudaram” nos últimos meses no que diz respeito ao pensamento de defesa da UE.

“Houve uma percepção coletiva de que, se queremos ser geopoliticamente relevantes, precisamos ser capazes de desenvolver algumas ferramentas – não podemos ser geopoliticamente relevantes sem ter uma dimensão militar”, acrescentou.

Os ministros da defesa da UE na semana passada, no contexto do desenvolvimento da Bússola Estratégica da UE, começaram a considerar a criação de uma força militar de reação rápida de 5.000 homens que poderia intervir precocemente em crises internacionais.

“Vimos um sentido se desenvolvendo de que deveríamos olhar mais de perto o artigo 44 do tratado da UE, que foi um pouco negligenciado e que nos permitiria considerar trabalhar com um grupo de países em um projeto específico que está fazendo isso. não tem interesse unânime”, disse Gomes Cravinho.

O artigo 44.º estabelece que o Conselho pode delegar missões da PCSD a um grupo de Estados-Membros, as chamadas “coligações de vontade”, ao abrigo do tratado da UE.

“Penso que, realisticamente, com 27 Estados-Membros à volta da mesa, deveríamos aproveitar melhor isto”, acrescentou Gomes Cravinho.

Questionado sobre a luta da UE para manter plenamente algumas de suas missões militares existentes, ele acrescentou que “as ambições políticas da UE superam nossa capacidade de se firmar, uma questão que precisa ser abordada”.

“Há um entendimento de que não devemos desenvolver novas missões sem a devida medição de força, sem uma identificação de onde virão os recursos”, acrescentou Gomes Cravinho, apontando que a Operação IRINI, missão naval lançada em 2020 tornou-se o objetivo da aplicação do embargo de armas da ONU à Líbia.

Segundo ele, uma solução poderia ser desenvolver mecanismos de incentivo para que os países usem forças militares em diversas missões consideradas politicamente importantes.

Ao mesmo tempo, desde 2007, a UE tem um sistema pronto para combate de unidades de combate com 1.500 homens que não foram mobilizados.

Quando perguntado se a nova ideia não corria o risco de sofrer um destino semelhante, ele disse que “a experiência dos grupos de combate pode fornecer lições sobre por que essa ferramenta não foi realmente usada”.

“Os três fatores – o Artigo 44, o Fundo Europeu para a Paz e as lições aprendidas com as experiências dos grupos de batalha da UE – realmente criam um novo contexto para operar”, disse ele.

Bússola estratégica

A “Bússola Estratégica” do bloco, uma ferramenta projetada para orientar a implementação da dimensão de segurança e defesa da Estratégia Global da UE e levar a uma análise comum de ameaças em todo o bloco, deve ser aprovada sob a presidência francesa da UE em 2022.

“A Bússola Estratégica nos permitirá capturar esse novo senso de urgência e compromisso com uma Europa geopolítica”, disse Gomes Cravinho, acrescentando que viu uma evolução “positiva” dos estados membros reconhecendo diferentes percepções de ameaças em todo o bloco, algo que não foi t o caso há alguns anos.

Na sua opinião, a criação da Bússola Estratégica deve evitar a criação de um documento que apenas avalie o atual consenso da UE27 sobre a política de defesa da UE.

“Temos que criar um documento com o qual todos estejam um pouco desconfortáveis ​​de certa forma, porque isso nos levará adiante”, acrescentou o ministro da Defesa português.

Região do Indo-Pacífico

Questionado sobre a estratégia Indo-Pacífico lançada recentemente pela UE e a ideia de apostar numa presença naval “significativa” nos oceanos Índico e Pacífico, Gomes Cravinho disse que enquanto a UE está a analisar alguns recursos marítimos, a cooperação não militar é de maior importância.

“Para a UE, as principais ferramentas estratégicas que temos para a região do Indo-Pacífico não são militares, mas estão relacionadas à nossa capacidade de trabalhar com países como Índia, Japão, Coreia do Sul, Austrália e outros da região”, disse.

Referindo-se à China, o ministro da Defesa português disse que a UE deve “evitar confusão” sobre como lidar com a crescente concorrência geopolítica.

“O que precisamos fazer é ter uma compreensão clara de quais áreas devemos trabalhar com a China, em quais áreas não faz muito sentido por qualquer motivo e em quais áreas estamos na competição geoestratégica”, disse ele.

Quando questionado no início da semana passada sobre uma possível presença militar chinesa no Atlântico, Gomes Cravinho disse que qualquer base militar chinesa no Atlântico era desnecessária e qualquer hipótese seria vista com “forte preocupação”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.