Direitos humanos na Rússia: referência ao Mecanismo de Moscou da OSCE

Faço esta declaração em nome das seguintes delegações: Albânia, Andorra, Áustria, Bélgica, Bulgária, Canadá, Croácia, República de Chipre, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Itália, Letónia, Liechtenstein , Lituânia , Luxemburgo, Malta, Mônaco, Montenegro, Holanda, Macedônia do Norte, Noruega, Polônia, Portugal, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça, Ucrânia, Reino Unido, Estados Unidos e meu país natal Islândia .

Todos temos acompanhado de muito perto a situação dos direitos humanos na Federação Russa e com uma preocupação cada vez maior. Como Estado participante da OSCE, a Federação Russa comprometeu-se voluntariamente a defender os direitos humanos e as liberdades fundamentais. Também reconheceu sua importância universal e reconheceu que o respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais é um fator essencial para alcançar a paz, a justiça e o bem-estar necessários para assegurar o desenvolvimento de relações amistosas e de cooperação entre os Estados.

No entanto, nos últimos anos, inúmeras leis foram promulgadas na Federação Russa, como a lei sobre “agentes estrangeiros”, regulamentação das chamadas organizações “indesejáveis”, além de inúmeros decretos do Serviço Federal de Supervisão de Comunicações e Tecnologia da Informação e Mídia de Massa (Roskomnadzor), bem como decisões administrativas individuais têm sido usadas pelas autoridades russas para reprimir a sociedade civil independente, a mídia independente e a oposição política, visando em particular organizações não governamentais, ativistas anticorrupção, defensores de direitos humanos, jornalistas, outros atores da mídia, pesquisadores e advogados. Alegações de extremismo também têm sido usadas para proibir divergências ou crenças e para banir organizações pacíficas.

Durante a guerra de agressão em curso da Rússia contra a Ucrânia, as liberdades de expressão, reunião e associação foram ainda mais restringidas. Em 4 de março de 2022, o parlamento russo alterou o código penal para impor uma pena de até 15 anos de prisão por divulgar informações supostamente “falsas” sobre a guerra na Ucrânia; em 22 de março de 2022, a lei foi ampliada para criminalizar o compartilhamento de “notícias falsas” sobre quaisquer atividades de autoridades russas no exterior; Em 4 de março de 2022, o parlamento russo criminalizou a disseminação de informações supostamente “falsas” que desacreditam as Forças Armadas russas e quaisquer pedidos de medidas restritivas contra o Estado russo, seus cidadãos ou entidades jurídicas russas. Além disso, em 4 de março de 2022, o parlamento russo proibiu manifestações contra a guerra na Ucrânia.

De acordo com uma declaração do Representante da OSCE sobre Liberdade de Mídia em 16 de março de 2022, “a Federação Russa está se movendo rapidamente para uma situação de censura completa e isolamento de seus cidadãos de qualquer forma de informação independente”. A Federação Russa continua a manter mais de 430 presos políticos, relatam os monitores cidadãos. Há também relatos generalizados de tortura e outros maus-tratos em centros de detenção em toda a Rússia. A censura dos conteúdos da mídia e da Internet, a repressão política, a impunidade da violência, a disseminação do discurso de ódio, a propaganda de guerras agressivas, as severas restrições à liberdade de reunião e associação, o direito à liberdade e à segurança pessoal e o direito de votar e votar são todos os indicadores repressão à democracia, ao exercício dos direitos humanos e do Estado de direito na Rússia. Tudo isso requer uma avaliação mais aprofundada do impacto dessas medidas rigorosas na dimensão humana da segurança. Qualquer violação do respeito e proteção dos direitos humanos e liberdades fundamentais é contrária aos compromissos da OSCE.

Nossas delegações, assim como muitas outras no Conselho Permanente, expressaram repetidamente preocupação crescente com esses acontecimentos. A resposta da Federação Russa foi insuficiente. Notamos que a Rússia também não respondeu adequadamente às conclusões e recomendações do Relatório da missão dos especialistas do Mecanismo de Moscou 2018 sobre alegações de impunidade por denúncias de violações e abusos dos direitos humanos na República da Chechénia, e que continuam a surgir informações alarmantes sobre violações e abusos dos direitos humanos na Chechénia.

Hoje estamos dando o passo de invocar a Seção 12 do Documento de Moscou de 1991 da Conferência da Dimensão Humana da OSCE (Mecanismo de Moscou) criar uma missão de peritos para investigar e relatar as preocupações em curso que identificamos como ameaças particularmente graves ao cumprimento por parte da Federação Russa das disposições de dimensão humana da OSCE, a fim de avaliar as práticas jurídicas e administrativas da Rússia à luz da sua avaliação da OSCE compromissos, estabelecer fatos e emitir recomendações e conselhos.

A missão de especialistas será encarregada, entre outras coisas, de relatar:

  • Primeiro, avaliar a conformidade legal e prática da Rússia com os compromissos da OSCE de dimensão humana e identificar as ações do governo russo nos últimos anos que levaram à situação atual dos direitos humanos e liberdades fundamentais no país.
  • Em segundo lugar, avaliar o impacto de tais desenvolvimentos na sociedade civil russa, na mídia livre, no Estado de direito e no funcionamento dos processos e instituições democráticas na Rússia, e na consecução da meta da OSCE de segurança abrangente.

Incentivamos os Especialistas de Missão a aplicar uma abordagem sensível ao gênero em sua avaliação. Além de estabelecer os fatos, também incentivamos os especialistas a fazer recomendações e oferecer conselhos à Federação Russa, à OSCE e à comunidade internacional sobre como abordar as questões preocupantes. Em particular, incentivamos os especialistas a fazer recomendações à OSCE e seus Estados participantes sobre o reconhecimento de alertas precoces e a abordagem desses desafios emergentes de maneira oportuna e eficaz.

Estamos ansiosos para trabalhar com o Escritório da OSCE para Instituições Democráticas e Direitos Humanos (ODIHR) nos preparativos para a missão.

Obrigado, Sr. Presidente.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *