Eleições antecipadas em Portugal: porquê agora? Quem lidera as pesquisas? Por que isso Importa?

Portugal está realizando eleições antecipadas no domingo, depois que o Partido Socialista, no poder desde 2015, não conseguiu aprovar seu orçamento no Parlamento.

Ele veio depois que seus aliados tradicionais de esquerda – os comunistas (PCP), os verdes (PEV) e o Bloco de Esquerda (BE) – se recusaram a apoiá-lo porque os compromissos de gastos não eram suficientemente ambiciosos.

“No final de 2021, o orçamento anual foi rejeitado pela esquerda radical, que normalmente apoiava o governo socialista minoritário então no cargo para seu segundo mandato”, disse Elisabetta De Giorgi, professora associada de ciência política da Universidade de Trieste, na Itália. e especialista em política portuguesa, disse a Euronews.

Os sociais-democratas (PSD) de centro-direita, talvez ironicamente a principal oposição, apoiaram originalmente o primeiro-ministro António Costa no interesse da unidade nacional na pandemia sobre o orçamento, mas depois que o apoio foi retirado – e confrontado com um impasse no esquerda – O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ordenou a dissolução do Parlamento e convocaram-se eleições.

As eleições estão marcadas para 30 de janeiro, mas para evitar grandes aglomerações, a opção de voto antecipado foi aberta em 23 de janeiro.

Há 230 assentos em disputa no Parlamento.

O que mostram as últimas pesquisas?

A última sondagem em Portugal mostra que o Partido Socialista lidera com 38% dos votos – número que se mantém constante desde novembro passado.

Os social-democratas da oposição ganharam alguns pontos percentuais com 32% de apoio na pesquisa da Universidade Católica divulgada na sexta-feira passada.

O professor De Giorgi observa que qualquer apoio que o Partido Socialista possa perder não vai para outros partidos de esquerda, mas para os social-democratas moderados de centro-direita.

“Esta é outra peculiaridade de Portugal. Em muitos países do sul da Europa, os partidos mainstream perderam popularidade nos últimos anos, mas em Portugal existe concorrência entre os dois partidos mainstream durante todos estes anos desde o início da crise financeira”, disse.

A aliança comunista-verde e o bloco de esquerda estão atualmente com 6% cada; enquanto o partido Iniciativa Liberal e o partido de extrema-direita Chega (cada um com um deputado) recebem cerca de 5% cada.

21 partidos lutam pelos assentos parlamentares.

Por que o resto da Europa deveria se preocupar com essas eleições?

O professor De Giorgi diz que a principal razão pela qual o resto da Europa – e particularmente o Sul – deve prestar atenção à política em Portugal é a sua estabilidade em termos políticos.

“Eu sei que parece estranho porque eles têm eleições antecipadas, mas politicamente eles têm sido o país mais estável do sul da Europa desde a crise econômica.

“Eles são o único país onde os dois maiores partidos tradicionais continuaram a ser os dois candidatos nas eleições.

“Eles são o único país da região onde nenhum novo desafiante, seja da direita ou da esquerda, realmente desafiou o governo.”

Outra razão para a relativa ancoragem dos dois maiores partidos, segundo o professor De Giorgi, é a diminuição da participação eleitoral. Em 2015 era de 55,8%, mas em 2019 a participação caiu para 48,6%.

Existem curingas?

O professor De Giorgi diz que embora o partido de extrema-direita Chega (que significa ‘chega’ em inglês) tenha ganhado força nos últimos anos e ainda possa se tornar o terceiro maior partido do Parlamento, não se enraizou realmente na política portuguesa que é diferente dele alguns dos outros novos partidos populistas do sul da Europa.

“É a primeira vez na história de Portugal que a direita radical se senta no parlamento e participa em mais uma eleição. E também a primeira vez que a extrema direita pode terminar em terceiro lugar nas eleições.”

Sobre a questão de saber se eles poderiam formar uma aliança com os social-democratas de centro-direita e criar uma maioria de trabalho no Parlamento, a professora De Giorgi diz que, embora não descarte totalmente, ela não acha que seja particularmente provável cenário.

“Ela [Chega party] cresceu muito. Eles chegaram a um acordo com o partido de centro-direita ao nível do governo local nos Açores, nas ilhas, mas não se espera que o PSD faça qualquer acordo com a extrema-direita a nível nacional.”

**Descobrindo a Europa traz para você uma história europeia que vai além das manchetes todos os dias da semana. Baixe o aplicativo Euronews para atualizações diárias sobre esta e outras notícias de última hora. Está disponível em Maçã e Android Dispositivos.
**

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *