Enorme transportador de carros destinado a Rhode Island afunda no meio do Atlântico

LISBOA – Um grande cargueiro que transportava carros da Alemanha para os Estados Unidos afundou no meio do Atlântico nesta terça-feira, 13 dias após um incêndio a bordo, informaram o gerente do navio e a Marinha portuguesa.

O Felicity Ace, um cargueiro de 650 pés carregado com 3.965 veículos – incluindo Audis, Lamborghinis, Porsches e quase 200 Bentleys – estava a caminho do Porto de Davisville em North Kingstown, RI, quando o incêndio começou em 16 de fevereiro. resgatados após o início do incêndio de origem desconhecida.

O navio afundou a cerca de 400 quilômetros dos Açores, em Portugal, enquanto era rebocado, informou a MOL Ship Management, com sede em Cingapura, em comunicado. Uma equipe de resgate apagou o fogo.

O navio de 200 metros de comprimento dobrou para estibordo antes de afundar, disse o gerente do navio.

A Marinha portuguesa confirmou o naufrágio e disse que ocorreu fora das águas portuguesas. Um helicóptero da Força Aérea Portuguesa estava a evacuar os 22 tripulantes quando o fogo começou, deixando o navio à deriva.

Rebocadores oceânicos com equipamento de combate a incêndios haviam lavado o casco com mangueira para resfriá-lo.

Não ficou claro quantos carros estavam a bordo do navio, mas navios do tamanho do Felicity Ace podem transportar pelo menos 4.000 veículos.

As montadoras europeias se recusaram a discutir quantos veículos e quais modelos estavam a bordo, mas os clientes da Porsche nos Estados Unidos foram contatados por suas concessionárias, disse a empresa.

“Já estamos trabalhando para substituir todos os carros afetados por este incidente e os primeiros carros novos serão construídos em breve”, disse Angus Fitton, vice-presidente de relações públicas da Porsche Cars North America, Inc., à Associated Press em um e-mail.

Joshua Vavra e sua esposa Lyndsey estão esperando para pegar o volante de seu SUV Porsche Macan de US$ 65.000 desde novembro. Vavra, que mora em Chester, NH, disse ao Boston Globe que soube do incêndio quando visitou o Rennlist, um site frequentado por entusiastas da Porsche.

“Não seria horrível se o carro da minha esposa estivesse lá?”, ele se perguntou.

De fato, uma ligação para sua concessionária Porsche em Stratham, NH, confirmou as suspeitas.

“Agora eles estão nos recomendando repetir o pedido”, disse Vavra.

John Kennedy, vice-presidente regional de operações do McGovern Automotive Group, disse ao Globe em 19 de fevereiro que recebeu uma notificação push em seu telefone na quinta-feira alertando-o sobre o incêndio. Ele estima que entre cinco e oito carros com destino à concessionária Shrewsbury Audi da empresa estão presos no navio, com base em estimativas de remessa anteriores do Grupo Volkswagen, dono da Audi, e no fato de que a maioria de suas remessas chega a Rhode Island.

O estoque dos varejistas já está no nível mais baixo de todos os tempos devido a interrupções no fornecimento global relacionadas à pandemia e escassez de chips de computador. A Audi Shrewsbury normalmente estocaria de 175 a 200 veículos, disse Kennedy. Ultimamente ele tem sorte quando são duas dúzias.

“Se você ouvir que pode haver de cinco a oito carros naquele navio, essa é uma porcentagem muito grande dos carros que poderíamos ter à venda”, disse ele.

O navio transportava veículos elétricos e não elétricos, segundo as autoridades portuguesas. A suspeita do que iniciou o incêndio de 16 de fevereiro recaiu sobre as baterias de lítio usadas em veículos elétricos, embora as autoridades digam que não têm provas concretas sobre a causa.

As autoridades temiam que o navio pudesse poluir o oceano. O navio transportava 2.000 toneladas longas (2.200 toneladas longas) de combustível e 2.000 toneladas longas (2.200 toneladas longas) de óleo. Ele pode transportar mais de 17.000 toneladas longas (18.700 toneladas longas) de carga.

A Marinha portuguesa disse em comunicado que apenas alguns pedaços de destroços e uma pequena mancha de óleo eram visíveis no local onde o navio afundou. Os contrabandistas tinham quebrado a mancha com mangueiras, dizia-se.

Diz-se que um avião da Força Aérea Portuguesa e um navio da Marinha Portuguesa permanecem no local e estão atentos a sinais de poluição.

Este relatório utilizou material de histórias publicadas anteriormente.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.