Espanha, Portugal Seca ‘sem precedentes’ em 1.200 anos

A mudança climática já está forçando os produtores de vinho a inovar, incluindo a mudança de vinhedos para altitudes mais altas.

Partes de Portugal e Espanha são as mais secas em mil anos devido a um sistema atmosférico de alta pressão impulsionado pelas mudanças climáticas, de acordo com um estudo publicado segunda-feira, que alerta para um grave impacto na produção de vinho e azeitona.

O Alto dos Açores, um anticiclone que gira no sentido horário sobre partes do Atlântico Norte, tem um grande impacto no clima e nas tendências climáticas de longo prazo na Europa Ocidental.

Mas em um novo estudo de modelagem publicado na revista geociências da naturezaPesquisadores nos Estados Unidos descobriram que esse sistema de alta pressão “mudou dramaticamente ao longo do século passado e que essas mudanças no clima do Atlântico Norte foram sem precedentes no último milênio”.

Usando simulações de modelos climáticos nos últimos 1.200 anos, o estudo descobriu que esse sistema de alta pressão começou a crescer para cobrir uma área maior há cerca de 200 anos, quando a poluição humana por gases de efeito estufa começou a aumentar.

No século 20, expandiu-se ainda mais dramaticamente, em sintonia com o aquecimento global.

Os autores então examinaram evidências de centenas de anos de chuva preservada em estalagmites portuguesas e descobriram que, à medida que o Alto dos Açores se expandia, os invernos no Mediterrâneo ocidental se tornavam mais secos.

O estudo cita projeções de que as chuvas podem cair mais 10 a 20 por cento até o final deste século, o que os autores acreditam que tornaria a agricultura ibérica uma das mais vulneráveis ​​​​da Europa.

Eles alertam que o Alto dos Açores continuará a se expandir no século 21, à medida que os níveis de gases de efeito estufa aumentarem, levando a um aumento do risco de seca na Península Ibérica e ameaçando importantes culturas.

“Nossos resultados têm implicações importantes para as mudanças projetadas no hidroclima do Mediterrâneo ocidental ao longo do século 21”, disseram os autores.

As videiras murcham

O Alto dos Açores funciona como um “porteiro” para a precipitação na Europa, de acordo com o estudo, com o ar seco a cair nos meses de verão e causando condições quentes e secas em grande parte de Portugal, Espanha e Mediterrâneo ocidental.

Durante o período frio e úmido do inverno, o sistema de alta pressão aumenta, enviando ventos de oeste que levam a chuva para o interior.

Essas chuvas de inverno são “vital” tanto para a saúde ecológica quanto econômica da região, mas diminuíram, principalmente na segunda metade do século XX.

Embora pesquisas anteriores não tenham desvendado os efeitos da variabilidade natural no Alto dos Açores, os autores disseram que seus resultados mostram que sua expansão durante a Era Industrial está ligada a aumentos nas concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa.

Um estudo citado nas últimas pesquisas estima que a área adequada para a viticultura na Península Ibérica poderá diminuir em pelo menos um quarto até 2050 e possivelmente desaparecer quase totalmente devido à grave escassez de água.

Enquanto isso, os pesquisadores previram uma queda de 30% na produção das regiões de azeitonas do sul da Espanha até 2100.

Os vinicultores já estão procurando maneiras de se adaptar às mudanças climáticas, como B. mudança de vinhedos para altitudes mais altas e experimentação de cultivares mais tolerantes ao calor.

No ano passado, os cientistas descobriram que uma forte geada de primavera que devastou as videiras na França se tornou mais provável pelas mudanças climáticas, pois as plantas brotavam mais cedo e, portanto, eram mais suscetíveis a danos.


A crise climática pode dobrar a frequência de secas regionais extremas de verão na Europa


Mais Informações:
Nathaniel Cresswell-Clay et al., Azores High in 20th Century Expansion sem precedentes nos últimos 1.200 anos, geociências da natureza (2022). DOI: 10.1038/s41561-022-00971-w

© 2022 AFP

Citação: Secura de Espanha, Portugal ‘sem precedentes’ em 1.200 anos (4 de julho de 2022), recuperada em 8 de julho de 2022 de https://phys.org/news/2022-07-spain-portugal-dryness-unprecedented-years.html

Este documento é protegido por direitos autorais. Exceto para comércio justo para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é apenas para fins informativos.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.