EUA e parceiros lançam plano para o ‘futuro’ da Internet enquanto China e Rússia adotam práticas maliciosas ‘perigosas’

NOVOAgora você pode ouvir os artigos da Fox News!

Os Estados Unidos na quinta-feira, com mais de 55 parceiros globais, divulgaram a “Declaração sobre o Futuro da Internet” – um “compromisso político” de nações democráticas para promover uma “visão positiva” para a internet e tecnologias digitais em meio a “sérios desafios políticos”. ‘ e um ‘novo modelo perigoso de política na internet’ de países como Rússia e China.

A “Declaração sobre o Futuro da Internet” (DPI) visa reafirmar os princípios básicos de como os países “devem se comportar em relação à internet e ao ecossistema digital”.

“Estamos unidos por uma crença no potencial das tecnologias digitais para promover a conectividade, a democracia, a paz, o estado de direito, o desenvolvimento sustentável e o gozo dos direitos humanos e liberdades fundamentais”, disse o comunicado. “À medida que usamos cada vez mais as tecnologias digitais para trabalhar, comunicar, conectar, engajar, aprender e aproveitar nosso tempo livre, nossa dependência de uma Internet aberta, gratuita, global, interoperável, confiável e segura continuará a crescer”.

XI JINPING DA CHINA É ‘PARCEIRO SILENCIOSO’ NA ‘AGRESSÃO’ DE PUTIN NA UCRÂNIA, ALERTA O DIRETOR DA CIA BURNS

No entanto, os EUA e as nações que apoiaram a declaração observaram que “também reconhecem os riscos associados a essa confiança e os desafios que enfrentamos”.

“Os parceiros desta declaração pretendem trabalhar em prol de um ambiente que fortaleça nossos sistemas democráticos e encoraje a participação ativa de cada cidadão nos processos democráticos, assegure e proteja a privacidade dos indivíduos, mantenha a conectividade segura e confiável, resista aos esforços, a internet global para fragmentar e promover uma economia global livre e competitiva”, disse o comunicado.

FBI, Departamento do Tesouro e CISA alertam sobre hackers patrocinados pelo estado da Coreia do Norte

Os países que aderiram à DFI incluem: Andorra, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Bulgária, Cabo Verde, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Croácia, Chipre, República Checa, Dinamarca, República Dominicana, Estónia, Finlândia, França, Geórgia, Alemanha , Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Israel, Itália, Jamaica, Japão, Quênia, Kosovo, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Maldivas, Malta, Ilhas Marshall, Micronésia, Montenegro, Nova Zelândia, Holanda, Níger, Macedônia do Norte, Peru, Polónia, Portugal, Roménia, Sérvia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Suécia, Taiwan, Trinidad e Tobago, Reino Unido, Ucrânia, Uruguai e Comissão Europeia.

CIA ESTABELECE MISSÃO PARA COMBATER A CHINA, ‘A AMEAÇA GEOPOLÍTICA PRIORITÁRIA QUE ENFRENTAMOS’

A Índia ainda não aderiu, mas um funcionário observou que, mesmo após o lançamento de DFI, outras nações ainda são bem-vindas.

Altos funcionários do governo disseram que tendências online perigosas vêm se desenvolvendo há décadas, mas se intensificaram durante a guerra da Rússia contra a Ucrânia.

“Os últimos dois meses são um exemplo extremo de tal comportamento no contexto da invasão russa da Ucrânia”, disse um funcionário, acrescentando que a Rússia “promoveu agressivamente a desinformação em casa e no exterior, censurou fontes de notícias da Internet, bloqueou sites legítimos”. e chegou a atacar fisicamente a infraestrutura da Internet na Ucrânia.”

Mas as autoridades disseram que a Rússia está “praticamente sozinha” em suas práticas maliciosas na internet, citando a China e “outros estados de sentido” que emergiram como líderes em um “novo modelo perigoso de política na internet”.

Autoridades também disseram que DFI vai procurar abrir a internet, mesmo que seja “restringida por alguns governos autoritários e plataformas online, e ferramentas digitais são cada vez mais usadas para reprimir a liberdade de expressão e negar outros direitos humanos e liberdades fundamentais”.

A DFI também está tentando lidar com o “comportamento malicioso patrocinado pelo Estado ou tolerado”, que eles dizem estar em ascensão, citando a disseminação de desinformação e conteúdo nocivo ilegal, e pode ameaçar a segurança de indivíduos e contribuir para a radicalização e a violência – também como o cibercrime de ransomware afeta a segurança e a resiliência da infraestrutura crítica.

BIDEN ADMIN TEM ‘PROFUNDA PREOCUPAÇÃO’ SOBRE O ‘ALINHAMENTO’ DA CHINA COM A RÚSSIA NA GUERRA CONTRA A UCRÂNIA, DIZ OFICIAL

“A desinformação e atividades estrangeiras maliciosas são usadas para semear divisões e conflitos entre indivíduos ou grupos na sociedade e minar o respeito e a proteção dos direitos humanos e das instituições democráticas”, disseram autoridades.

Os EUA e os países parceiros trabalharão por meio de DFIs para promover os direitos humanos, proteger a internet e evitar paralisações da internet impostas pelo governo e garantir acesso inclusivo e acessível à internet”.

Os EUA e seus parceiros também “trabalharão juntos para combater o cibercrime, incluindo o cibercrime, e impedir atividades cibernéticas maliciosas”.

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR O APP FOX NEWS

Altos funcionários do governo disseram na quinta-feira que os Estados Unidos e seus parceiros trabalharão juntos nas próximas “semanas, meses e anos para implementar esses princípios e promover essa visão globalmente, respeitando a autonomia regulatória de cada um dentro de nossas próprias jurisdições e de acordo”. nossas respectivas leis nacionais e obrigações legais internacionais.”

Kristina Biddle, da Fox News, contribuiu para este relatório.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.