Ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos morreu aos 79 anos

LISBOA, Portugal (AP) – O ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos morreu nesta sexta-feira em uma clínica em Barcelona, ​​Espanha, informou o governo angolano.

Ele tinha 79 anos e morreu após uma longa doença, disse o governo em um anúncio em sua página no Facebook.

O anúncio disse que dos Santos, que governa Angola há quase 40 anos desde 1979, é “um estadista de grande proporção histórica que … governou a nação angolana em tempos muito difíceis”.

Dos Santos morava principalmente em Barcelona desde sua aposentadoria em 2017 e estaria sendo tratado lá por problemas de saúde.

O actual líder de Angola, João Lourenço, anunciou um luto nacional de cinco dias a partir de sexta-feira, durante o qual a bandeira do país será hasteada a meio mastro e os eventos públicos serão cancelados.

Dos Santos chegou ao poder quatro anos depois que Angola conquistou a independência de Portugal e se envolveu na Guerra Fria como um campo de batalha por procuração.

Sua jornada política abrangeu o governo marxista de partido único nos anos pós-coloniais e um sistema democrático de governo adotado em 2008. Ele renunciou voluntariamente quando sua saúde começou a falhar.

Em público, dos Santos era modesto e às vezes até parecia tímido. Mas nos bastidores, ele era um homem inteligente.

Ele manteve um controle apertado sobre o palácio presidencial do século 17 em Luanda, capital atlântica do país sul-africano, dividindo a riqueza de Angola entre seus generais do exército e rivais políticos para garantir sua lealdade. Ele rebaixava qualquer um que achasse que estava ganhando um nível de popularidade que poderia comprometer seu comando.

Por mais de duas décadas, o maior inimigo de Dos Santos foi Jonas Savimbi, líder dos rebeldes da UNITA cuja insurgência guerrilheira lutou no mato pós-independência para derrubar o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) de Dos Santos.

O MPLA foi apoiado financeiramente pela União Soviética e militarmente por Cuba na sua guerra contra a UNITA. Savimbi foi apoiado pelos Estados Unidos e África do Sul.

A guerra durou, com curtos períodos de paz mediada pela ONU, até 2002, quando o exército finalmente localizou e matou Savimbi no leste de Angola.

Dos Santos abandonou abruptamente sua política marxista após o colapso da União Soviética no início dos anos 1990. Aproximou-se dos países ocidentais cujas empresas petrolíferas estavam investindo bilhões de dólares principalmente na exploração offshore.

Seus seguidores elogiaram sua capacidade de se adaptar às circunstâncias em mudança. Seus críticos o chamavam de inescrupuloso.

Dos Santos foi convidado para a Casa Branca pelo então presidente George W. Bush em 2004, quando os Estados Unidos buscavam reduzir sua dependência do petróleo do Oriente Médio.

Angola tornou-se no segundo maior produtor de petróleo da África Subsariana depois da Nigéria, produzindo cerca de 2 milhões de barris por dia. Além disso, mais de US$ 1 bilhão em diamantes foram desenterrados a cada ano.

No entanto, a riqueza nunca chegou ao povo angolano, que durante e após a guerra civil foi ameaçado por grandes áreas de campos minados inexplorados e pouco acesso a instalações básicas, como água corrente ou estradas. A educação e a saúde eram – e continuam – escassas.

Mais de US$ 4 bilhões em receitas do petróleo desapareceram dos cofres de Angola entre 1997 e 2002, disse a Human Rights Watch, com sede em Nova York, em um relatório de 2004 baseado em uma análise dos números do Fundo Monetário Internacional.

O Departamento de Estado dos EUA disse que a riqueza de Angola está “concentrada nas mãos de uma pequena elite que muitas vezes usa cargos governamentais para ganhos pessoais maciços”.

Acreditava-se que Dos Santos possuía propriedades valiosas no Brasil, França e Portugal, bem como contas bancárias no exterior.

Sob seu governo, e apesar da pobreza geral, os protestos de rua eram raros e rapidamente interrompidos por policiais fortemente armados, popularmente conhecidos como “ninjas”. Uma Guarda Presidencial bem paga e bem equipada estava estacionada no Palácio dos Santos e ladeava as ruas sujas e esburacadas da cidade sempre que saía.

Dos Santos, filho de um pedreiro de Luanda, capital litorânea de Angola, começou sua vida política em 1961 com botas e armas como guerrilheiro de 18 anos do MLPA lutando pela independência de Portugal.

Os chefes do MPLA o tiraram do combate em 1963 e o enviaram para a União Soviética para treinar como engenheiro de petróleo e especialista em comunicações militares.

De regresso a Angola em 1970, negociou habilmente compromissos para evitar que o MPLA se fragmentasse em facções e foi nomeado para o Comité Central do partido como recompensa.

Quando a independência veio em 1975, dos Santos tornou-se ministro das Relações Exteriores e mais tarde ministro do Planejamento e vice-primeiro-ministro no estado marxista de partido único.

Surpreendentemente, após a morte de Agostinho Neto, primeiro presidente de Angola, em 1979, o MPLA elegeu dos Santos como presidente de 37 anos. Dos Santos era visto como uma figura consensual entre os veteranos do partido rival, mas poucos contavam com sua longevidade política.

Dos Santos nunca tentou estabelecer um culto à personalidade e permaneceu uma figura misteriosa. Ele teria dito uma vez em particular que acreditava que sua verdadeira vocação era a de monge.

Tampouco era conhecido pela sensibilidade política: construiu uma mansão multimilionária à beira de uma favela de Luanda, enquanto milhões de angolanos lutavam contra a fome durante a guerra civil.

Nas primeiras eleições democráticas do país em 1992, na sequência de um tratado de paz assinado no ano anterior, foi considerado um perdedor certo contra Savimbi.

Margaret Anstee, ex-enviada especial da ONU para Angola, descreveu Santos como quase o oposto de Savimbi.

“Seu comportamento era sério e reservado, a ponto de eu sentir uma sensação de timidez ou timidez, por mais absurdo que isso parecesse. O contraste com o Dr. A personalidade extravagante de Savimbi não poderia ter sido mais vívida”, escreveu ela em seu livro de 1996 sobre Angola intitulado Órfãos da Guerra Fria.

Mas em mais uma prova de seu poder de permanência, dos Santos perseverou novamente, superando por pouco Savimbi como presidente enquanto liderava o MPLA para uma maioria parlamentar nas eleições gerais simultâneas.

Enquanto Savimbi descartava sua derrota nas urnas e voltava à luta armada, o apoio ocidental gradualmente se voltava atrás de Santos.

Os inimigos assinaram outro acordo de paz mediado pelas Nações Unidas em 1994, mas também se desfez quatro anos depois.

Enquanto isso, dos Santos – com um exército de cerca de 100.000 soldados, muitos com anos de experiência em combate na selva – se interessou como mediador de poder regional, começando pelos países vizinhos.

Ele enviou 2.500 soldados à República do Congo em 1997 para ajudar o presidente Denis Sassou-Nguesso a tomar o poder e, no ano seguinte, enviou um contingente ao Congo para ajudar o governo do presidente Joseph Kabila a combater aqueles apoiados por Ruanda e Uganda para ajudar os rebeldes.

O fim da guerra civil de Angola em 2002 trouxe ao país sul-africano, que tem mais de três vezes o tamanho da Califórnia, uma oportunidade para um desenvolvimento econômico mais amplo.

Mas a infra-estrutura pública foi destruída; 4 milhões de pessoas – cerca de um terço da população na época – fugiram de suas casas por causa dos combates; e a riqueza do petróleo e dos diamantes permaneceu nas mãos da elite política e militar.

O Índice de Percepção da Corrupção 2005 da organização berlinense Transparência Internacional classifica Angola entre os 10 países mais corruptos do mundo.

“Enquanto crianças mutiladas por minas terrestres mendigavam nas ruas, esposas de políticos voavam para Nova York com orçamentos de saúde do governo para cirurgias plásticas”, escreveu o professor de economia da Universidade de Stanford John McMillan em um estudo de 2005 sobre a corrupção angolana.

Sob pressão para finalmente realizar uma votação, dos Santos anunciou eleições gerais em 2008 e eleições presidenciais no ano seguinte.

O MPLA dos Santos foi o mais votado para os assentos parlamentares. Mas então o chefe de Estado mudou de ideia, primeiro adiando a eleição presidencial e depois cancelando-a.

Ele mudou a constituição para que o presidente seja eleito pelo partido que vence as eleições gerais. Isso o manteve no poder por mais oito anos.

No entanto, com sua saúde supostamente se deteriorando, Dos Santos anunciou em 2016 que estava se aposentando.

Foi substituído por um fiel do MPLA, João Lourenço, o atual Presidente, que fez da campanha anticorrupção o seu carro-chefe. Ele tem como alvo os filhos adultos de Santos, que têm uma riqueza pessoal fabulosa, mas não seu antecessor.

Dos Santos, que foi casado quatro vezes, deixa a atual esposa, Ana Paula, com quem teve três filhos. Ele é conhecido por ter pelo menos outros três filhos e vários netos.

Direitos autorais 2022 The Associated Press. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, transcrito ou redistribuído sem permissão.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.