Ex-primeiro-ministro português Sócrates é julgado por branqueamento de capitais | Portugal

Um tribunal português absolveu o ex-primeiro-ministro José Sócrates das acusações de branqueamento de capitais e falsificação, mas absolveu-o das acusações de corrupção no julgamento que durou anos.

Sócrates é acusado de embolsar 34 milhões de euros de três empresas durante seu mandato entre 2005 e 2011, mas o ex-primeiro-ministro manteve sua inocência.

Ele teria escondido fundos com a cumplicidade do empresário e amigo de longa data Carlos Santos Silva.

A decisão de retirar as acusações de corrupção foi um golpe para os promotores, que acusaram um total de 19 pessoas e nove empresas de 189 crimes, uma medida que causou alvoroço em Portugal.

O juiz de instrução Ivo Rosa finalmente confirmou apenas uma dúzia de acusações quando leu um resumo de mais de três horas de sua decisão, que foi transmitido ao vivo pela televisão.

Os promotores podem recorrer. A data da audiência ainda não foi definida.

“Todas as grandes mentiras da acusação desmoronaram”, disse Sócrates ao deixar o tribunal de Lisboa, prometendo continuar lutando para provar sua inocência.

Ao lado de Sócrates e Santos Silva, o ex-banqueiro Ricardo Salgado enfrenta três acusações de peculato e o ex-ministro Armando Vara enfrenta acusações de lavagem de dinheiro.

Rosa dissecou muitas das conclusões dos promotores quase ponto a ponto, às vezes citando “ausência de provas” e “falta de rigor”.

Sobre os subornos que Sócrates teria recebido de Salgado, ex-chefe do Banco Espírito Santo, o juiz disse que as provas eram “manifestamente insuficientes para sustentar sua condenação por qualquer forma de corrupção passiva”.

As acusações contra Sócrates constrangeram o atual primeiro-ministro Antonio Costa, integrante do primeiro de seus dois governos.

Antes da audiência, Costa reiterou que não tinha “nada a acrescentar” desde que o escândalo da prisão de Sócrates estourou em novembro de 2014.

A prisão ocorreu quando Costa assumiu as rédeas do Partido Socialista e exortou seus apoiadores a não confundirem seus interesses com os de seu ex-líder.

Na altura, a imagem de Sócrates já estava manchada pela forma como lidou com a crise da dívida de Portugal, levando-o em 2011 a procurar ajuda financeira internacional para evitar a falência do país e ganhar o direito de chegar ao poder. Sócrates, que ficou em prisão preventiva durante nove meses e depois em prisão domiciliária antes de ser libertado seis semanas depois, disse ter sido vítima de uma “campanha de difamação”.

Mas ele admitiu em entrevistas que tem emprestado dinheiro regularmente do namorado Santos Silva, um relacionamento que ele provavelmente terá que resolver em seu julgamento.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.