França luta contra grandes incêndios florestais, Grã-Bretanha queima em onda de calor recorde

  • Incêndios florestais destroem florestas no Gironde, no sudoeste da França
  • Temperaturas no Reino Unido ultrapassam 40°C pela primeira vez
  • Alemanha e Bélgica preparam-se para possíveis temperaturas recordes
  • Mais de 30 incêndios florestais devastam partes da Espanha
  • Portugal tem mais de 1.000 mortes extra devido a ondas de calor

LONDRES/PARIS, 19 de julho (Reuters) – Bombeiros no sudoeste da França lutaram para conter grandes incêndios florestais nesta terça-feira e a Grã-Bretanha registrou sua temperatura mais alta já registrada, enquanto Portugal registrou mais de 1.000 mortes relacionadas a ondas de calor enquanto a Europa queimava.

O sul e o oeste da Alemanha e a Bélgica também se prepararam para temperaturas potencialmente recordes, já que os cientistas das ondas de calor estão atribuindo às mudanças climáticas que se deslocam para o norte e leste.

Numerosos incêndios florestais foram relatados na Itália. Um dos maiores incêndios ocorreu nas colinas de Massarosa, na Toscana, na noite de segunda-feira e ainda estava acontecendo na tarde de terça-feira.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

“O fogo continua a engolir as florestas de maneira assustadora devido ao vento”, disse o governador da Toscana, Eugenio Giani, observando que 365 hectares de terra foram destruídos.

Também foram registrados incêndios em florestas perto de Roma, bem como nas margens do Lago Orta, ao norte de Milão e perto da cidade de Trieste, no nordeste.

Um incêndio florestal alimentado por ventos fortes atingiu uma área montanhosa perto de casas nos arredores de Atenas, levando as autoridades a ordenar a evacuação de pelo menos uma área.

Uma temperatura de mais de 40°C (104°F) foi provisoriamente registrada pela primeira vez no Reino Unido, disse o Met Office, e as autoridades colocaram o Reino Unido em um “estado nacional de emergência” por causa das temperaturas sem precedentes.

As rotas de trem de Londres ao longo das costas leste e oeste do país foram canceladas e os centros urbanos normalmente movimentados pareciam tranquilos. A Network Rail twittou imagens mostrando curvas e torções nos trilhos.

A leste da capital, um grande incêndio consumiu casas na vila de Wennington, com chamas varrendo os campos vizinhos e se aproximando de uma igreja histórica. Grandes áreas de grama ao redor da capital estavam em chamas.

INCÊNDIO “INSTABILIZADO”

No sudoeste da França, a região vinícola de Gironde sofreu seus maiores incêndios florestais em mais de 30 anos, e as autoridades disseram que um homem foi preso por suspeita de incêndio criminoso.

Os incêndios se espalharam por 19.300 hectares (cerca de 75 milhas quadradas) ao redor de Bordeaux desde 12 de julho, forçando 34.000 pessoas a fugir de suas casas.

Cerca de 2.000 bombeiros, apoiados por oito bombardeiros de água, combateram o incêndio.

À medida que as mudanças climáticas causadas pelo homem provocam secas, espera-se que o número de incêndios florestais extremos aumente em 30% nos próximos 28 anos, de acordo com um relatório das Nações Unidas de fevereiro de 2022.

“Estamos vendo ondas de calor com mais frequência, e as ondas de calor são mais quentes do que sem a mudança climática”, disse Friederike Otto, professora de ciência climática do Imperial College London, à Reuters.

O foco foi no impacto da onda de calor na saúde, com atenção especial aos idosos e vulneráveis.

A chefe da agência de saúde de Portugal DGS, Graça Freitas, disse à Reuters que de 7 a 18 de julho foram registradas 1.063 mortes devido à onda de calor acima do normal.

“Portugal… está entre as áreas do mundo que podem ser (mais) afetadas pelo calor extremo”, disse Freitas. “Temos que ficar cada vez melhores na preparação para os períodos de calor.”

Carlos Antunes, pesquisador da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, disse que os dados mostram que as pessoas mais velhas são as mais propensas a morrer de ondas de calor.

As altas temperaturas noturnas também estão dificultando os esforços de combate a incêndios em toda a Europa e piorando as condições de saúde, já que as horas noturnas não oferecem resfriamento, disseram especialistas nesta terça-feira. continue lendo

CHAPA E FUMAÇA

Na Itália, as temperaturas nesta semana devem chegar a 40°C em parte do norte e centro e no calcanhar sul da bota italiana, Puglia, e nas ilhas da Sardenha e Sicília.

Cinco cidades foram colocadas em alerta vermelho por causa da onda de calor na terça-feira. O alerta, que alerta para sérios riscos à saúde relacionados ao clima, cobrirá nove cidades na quarta-feira e aumentará para 14 na quinta-feira, incluindo muitas das maiores áreas metropolitanas da Itália, como Roma, Milão e Florença.

Embora o mercúrio na Espanha e em Portugal tenha voltado a níveis mais normais no verão, os bombeiros de ambos os países ainda estavam lutando contra vários incêndios.

Mais de 30 incêndios florestais continuaram a devastar partes da Espanha, com as autoridades prestando atenção especial a quatro incêndios em Castela e Leão e na Galiza.

Mais de 6.000 pessoas em 32 aldeias foram evacuadas em Losacio, na província noroeste de Zamora, onde duas pessoas morreram e três ficaram gravemente feridas.

Até agora este ano, 70.000 hectares (173.000 acres) foram queimados na Espanha, cerca do dobro da média da última década, mostraram dados oficiais antes da onda de calor.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

Reportagem adicional de Marie-Louise Gumuchian em Londres, Catarina Demony em Lisboa, Dominique Vidalon em Paris e Renee Maltezou em Atenas, Aleksandar Vasovic em Belgrado, Crispian Balmer em Roma, Bart Biesemans na Bélgica; Editado por Nick Macfie, Gareth Jones, Bernadette Baum, Alexandra Hudson e Richard Chang

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.