George Cohen: Morte do campeão mundial deixa apenas DOIS membros sobreviventes de 1966

A morte de George Cohen aos 83 anos deixa apenas dois membros sobreviventes da seleção da Inglaterra que chegou à final da Copa do Mundo de 1966.

Sir Bobby Charlton e Sir Geoff Hurst são agora os únicos jogadores sobreviventes da equipe que derrotou a Alemanha Ocidental por 4 a 2 após a prorrogação em Wembley.

Continua sendo o único grande triunfo da Inglaterra em torneios, embora a atual temporada de Gareth Southgate tenha chegado agonizantemente perto de derrotar a Itália na final da Euro 2020 do verão passado.

Cohen começou como lateral-direito na final de 66 e foi nomeado vice-capitão, com Sir Bobby Moore assumindo a braçadeira enquanto a Inglaterra ganhava vantagem graças a um hat-trick de Hurst.

Cohen também teve um momento infame no início do torneio, quando estava prestes a trocar de camisa com um jogador argentino após a vitória da Inglaterra nas quartas de final, mas foi interrompido pelo técnico Sir Alf Ramsey, que mais tarde rotulou os argentinos de “animais” por fazerem falta no jogo. O incidente foi capturado pela câmera e continua sendo uma imagem memorável até hoje.

Durante sua carreira internacional, Cohen somou 37 internacionalizações pela Inglaterra, sendo seu último jogo contra a Irlanda do Norte em 1967.

Cohen passou toda a sua carreira no Fulham, fazendo 459 partidas entre 1956 e 1969. Ele se tornou conhecido por seus tackles difíceis e corridas sobrepostas no flanco direito do lado oeste de Londres.

Uma estátua do zagueiro foi inaugurada do lado de fora de Craven Cottage em 2016, 50 anos após o triunfo da Inglaterra na Copa do Mundo.

George Cohen (esquerda), que começou como lateral-direito na final da Copa do Mundo de 1966, morreu aos 83 anos

Além de vencer a Copa do Mundo com a Inglaterra, Cohen passou toda a sua carreira no Fulham antes de se aposentar em 1969.

Além de vencer a Copa do Mundo com a Inglaterra, Cohen passou toda a sua carreira no Fulham antes de se aposentar em 1969.

Bobby Charlton (à esquerda) e Geoff Hurst (à direita) são agora os únicos dois membros sobreviventes do XI titular de 1966.

Bobby Charlton (à esquerda) e Geoff Hurst (à direita) são agora os únicos dois membros sobreviventes do XI titular de 1966.

A equipe vencedora da Inglaterra comemora com o Troféu Jules Rimet.  Fila de trás (esquerda-direita): Peter Bonetti, George Eastham, Harold Shepherdson, Jack Charlton, Gordon Banks, Roger Hunt, Bobby Moore, George Cohen, Bobby Charlton.  Fila da frente: Nobby Stiles, Martin Peters e Ray Wilson

A equipe vencedora da Inglaterra comemora com o Troféu Jules Rimet. Fila de trás (esquerda-direita): Peter Bonetti, George Eastham, Harold Shepherdson, Jack Charlton, Gordon Banks, Roger Hunt, Bobby Moore, George Cohen, Bobby Charlton. Fila da frente: Nobby Stiles, Martin Peters e Ray Wilson

Aqui está o que aconteceu com o resto da seleção da Inglaterra que chegou à final da Copa do Mundo de 1966.

Gordon Banks – Um dos goleiros mais respeitados do futebol inglês, Banks fez 73 partidas pela Inglaterra, além de 356 partidas pelo Leicester City e 250 pelo Stoke City. Na Copa do Mundo de 1970, fez uma das melhores defesas já vistas para evitar um gol certeiro do brasileiro Pelé. Banks morreu em fevereiro de 2019, aos 81 anos.

O capitão Bobby Moore tenta recuperar o troféu Jules Rimet do goleiro Gordon Banks na volta da vitória

O capitão Bobby Moore tenta recuperar o troféu Jules Rimet do goleiro Gordon Banks na volta da vitória

Jack Charlton – O zagueiro também jogou por apenas um clube, passando 21 anos notáveis ​​no time do Leeds United, acumulando 762 jogos e 95 gols. Isso incluiu um título da liga, vitórias na FA Cup e na League Cup e duas vitórias na European Inter-Cities Fairs Cup. Jogou 35 vezes pela Inglaterra e depois dirigiu a República da Irlanda em três grandes torneios. Morreu em julho de 2020, aos 85 anos, de linfoma e demência.

Jack Charlton, que morreu em 2020 aos 85 anos, carrega o troféu após o triunfo da Inglaterra na Copa do Mundo em Wembley

Jack Charlton, que morreu em 2020 aos 85 anos, carrega o troféu após o triunfo da Inglaterra na Copa do Mundo em Wembley

Bobby Moore- Um dos maiores zagueiros de todos os tempos, Moore levou a Inglaterra à glória em 1966, limpando as mãos para evitar sujar as luvas brancas imaculadas da rainha durante a apresentação do troféu. Passou a maior parte de sua carreira no West Ham, fazendo 647 aparições e capitaneando por mais de uma década. Pelé descreveu Moore como o melhor zagueiro que já enfrentou. Moore morreu de câncer de cólon e fígado em fevereiro de 1993, aos 51 anos.

Ray Wilson – Lateral-esquerdo que atuava pelo Everton na época da vitória de 1966, tendo iniciado a carreira no Huddersfield Town. Ele havia vencido a FA Cup em Wembley pouco antes da glória na Copa do Mundo. Wilson somou 63 partidas pela Inglaterra e também disputou a final da Euro 1968. Ele era o jogador mais velho da seleção inglesa na final de 1966 aos 31 anos. Ele morreu em maio de 2018 aos 83 anos, após sofrer de Alzheimer por 14 anos. teve.

Nobby Stiles – Dançou em Wembley com o troféu Jules Rimet em uma mão e a dentadura postiça na outra. Stiles era um meio-campista defensivo sensato encarregado de perseguir jogadores adversários perigosos e recuperar a bola. Nas semifinais contra Portugal, tirou Eusébio do jogo. Passou a maior parte de sua carreira no Manchester United e alcançou grande sucesso. Faleceu em outubro de 2020 aos 78 anos. Ele tinha câncer de próstata e demência avançada.

Desdentado Nobby Stiles (à direita) e Alan Ball (à esquerda) comemoram em campo depois de derrotar a Alemanha Ocidental na final de 1966

Desdentado Nobby Stiles (à direita) e Alan Ball (à esquerda) comemoram em campo depois de derrotar a Alemanha Ocidental na final de 1966

Alan Bola – O meio-campista era admirado por Ramsey por sua resistência e trabalho árduo, o que lhe rendeu 72 internacionalizações por seu país. Mudou-se do Blackpool para o Everton no verão de 1966 e depois jogou pelo Arsenal e Southampton antes de passar para a gestão. Morreu de ataque cardíaco em abril de 2007, aos 61 anos.

Bobby Charlton – Uma lenda da Inglaterra que foi o maior artilheiro da seleção nacional com 49, até ser superado por Wayne Rooney. Quando se aposentou do serviço internacional em 1970, ele também foi o vencedor do recorde da equipe com 106. Uma carreira longa e distinta foi marcada por 17 anos no time principal do Manchester United, durante os quais ele sobreviveu ao desastre aéreo de Munique e venceu a Copa da Europa uma década depois. Charlton, agora com 85 anos, foi diagnosticado com demência em 2020.

Bobby Charlton marcou os gols da vitória da Inglaterra contra Portugal nas semifinais da Copa do Mundo de 1966 para selar uma vitória por 2 a 1

Bobby Charlton marcou os gols da vitória da Inglaterra contra Portugal nas semifinais da Copa do Mundo de 1966 para selar uma vitória por 2 a 1

Martin Peters Peters, do West Ham, marcou o segundo dos quatro gols da Inglaterra contra a Alemanha Ocidental. Foi apenas sua oitava internacionalização, mas ele venceria 67 e marcaria 20 gols. Jogou mais de 700 partidas pelo West Ham, Tottenham, Norwich e Sheffield United em sua carreira profissional. Outro, que sofria de doença de Alzheimer mais tarde na vida, morreu em dezembro de 2019 aos 76 anos.

Roger Hunt- Hunt jogou em todas as seis partidas do torneio de 1966 e marcou três gols, incluindo dois contra a França. Ele passou a maior parte de sua carreira no Liverpool, marcando 244 gols em 404 jogos, estabelecendo-se como um artilheiro prolífico. Ele morreu em setembro de 2021 aos 83 anos.

Geoff Hurst – Indiscutivelmente o mais reconhecido dos heróis de 1966 e certamente para uma geração moderna, Hurst marcou um hat-trick para afundar a Alemanha Ocidental. Seu terceiro gol na fase final da prorrogação foi acompanhado pelo comentário imortal de Kenneth Wolstenholme: “Eles acham que acabou… é agora!” Ele marcou 24 gols em 49 jogos na Inglaterra, apareceu em mais dois torneios e foi 242 marcados gols em 500 jogos pelo West Ham. Agora com 81 anos.

“Eles acham que está tudo acabado… é assim agora” quando Geoff Hurst completou seu hat-trick com o quarto gol da Inglaterra na final

Aleixo Garcia

"Empreendedor. Fã de cultura pop ao longo da vida. Analista. Praticante de café. Aficionado extremo da internet. Estudioso de TV freelance."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *