Gigantes da energia da Europa estão pesquisando o potencial de células solares flutuantes

Painéis solares flutuantes na Holanda. Várias grandes empresas de energia estão estudando o potencial de combinar a energia solar flutuante com outras fontes de energia.

Mischa Keijser | Fonte da imagem | Imagens Getty

A empresa de energia alemã RWE investirá em um projeto piloto focado na implantação de tecnologia solar flutuante no Mar do Norte, como parte de uma colaboração mais ampla focada no desenvolvimento de “fazendas solares flutuantes”.

O projeto piloto, denominado Merganser, a ser instalado nas águas de Ostende, na Bélgica, terá capacidade de 0,5 megawatt de pico ou MWp. Em um comunicado no início desta semana, a RWE disse que o Merganser é o primeiro projeto piloto offshore da empresa holandesa-norueguesa SolarDuck.

A RWE disse que a Merganser fornecerá a si mesma e à SolarDuck “uma importante experiência em primeira mão em um dos ambientes offshore mais desafiadores do mundo”.

As lições aprendidas com o projeto permitiriam uma comercialização mais rápida da tecnologia a partir de 2023, acrescentou.

A RWE descreveu o sistema da SolarDuck como baseado em um design que permite que os painéis solares ‘flutuem’ metros acima da água e surfem nas ondas ‘como um tapete’.

Leia mais sobre Energia da CNBC Pro

Um objetivo de longo prazo da colaboração é o uso da tecnologia SolarDuck em um projeto de demonstração maior no parque eólico offshore Hollandse Kust West, que ainda não foi desenvolvido e para o qual a RWE está concorrendo.

Em seu comunicado, a RWE disse que a “integração de sistemas solares flutuantes offshore com um parque eólico offshore” é “um uso mais eficiente do espaço marítimo para produção de energia”.

A ideia de combinar vento e sol não é um conceito específico da RWE. O parque eólico Hollandse Kust (norte), que também estará localizado no Mar do Norte, também planeja usar uma demonstração de tecnologia solar flutuante.

CrossWind, o consórcio que trabalha na Hollandse Kust (Noord), é uma joint venture entre a Eneco e a Shell.

No início deste mês, a empresa portuguesa de energia EDP inaugurou um parque solar flutuante de 5MW em Alqueva. Ele descreveu o parque, que consiste em quase 12.000 painéis fotovoltaicos, como “o maior da Europa em um reservatório”.

O projecto vai permitir combinar a energia solar e a energia hídrica da barragem do Alqueva, disse a EDP. A instalação de armazenamento de bateria também está prevista.

Todos os projetos acima alimentam a ideia de “hibridização”, combinando diferentes tecnologias e sistemas de energia renovável em um único local.

Em comentários publicados na semana passada, o CEO da EDP, Miguel Stilwell d’Andrade, disse que “a aposta na hibridização combinando energia hídrica, solar, eólica e armazenamento” representa um “caminho lógico de crescimento”.

A EDP vai continuar a apostar na hibridação porque otimiza recursos e permite à empresa produzir energia mais barata, acrescentou.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.