Governo lança pacote de apoio empresarial de 1,4 mil milhões de euros

As medidas incluem apoio de crédito direcionado de € 600 milhões para empresas com uso intensivo de energia

Semanas após a crise econômica desencadeada pelo aumento dos custos de energia, o governo português finalmente anunciou hoje o apoio prometido para empresas em dificuldades.

Ele se concentra em uma linha de crédito de € 600 milhões, apoio direcionado para indústrias de energia intensiva, subsídios reforçados e cortes de impostos.

Enquanto os críticos não perderam tempo dizendo que era “muito pouco, muito tarde”, o ministro da Economia, António Costa Silva, sublinhou que o governo “não consegue dar resposta a todos os problemas” dos negócios do país.

“Não conseguimos dar conta de tudo o que acontece no negócio”, pelo que, salienta, “é muito importante” que as empresas alavanquem os fundos disponíveis para a descarbonização “porque isso vai ajudar a reduzir as faturas energéticas”, explica o Expresso.

Primeiro pelas várias ações anunciadas. Tomando o pacote em ordem cronológica, o ministro da Economia destacou o ‘apoio reforçado’ às indústrias intensivas em gás:

  • actual apoio de € 400.000 por ano a aumentar para € 500.000 (para financiar 40% do aumento dos custos do gás. Mas nesta medida entende-se que “em determinadas circunstâncias” e com a aprovação da Comissão Europeia, certas empresas pode receber entre € 2 milhões e € 5 milhões em apoio anual.
  • Serão disponibilizados 290 milhões de euros para ‘acelerar a transição e a eficiência energética, promover a descarbonização industrial, a produção de energia renovável e a otimização do consumo de energia.
  • 15 milhões de euros para subsidiar o custo do transporte ferroviário de mercadorias. Isso dará às empresas € 2,11 por km percorrido por cada trem elétrico e € 2,64 por km para trens movidos a diesel.
  • Serão desembolsados ​​120 milhões de euros para ajudar a IPSS (agência privada de solidariedade social) a pagar as suas contas de gás natural. Será ainda oferecida às IPSS uma linha de financiamento até ao final de 2023,4
  • Linha de crédito de 600 milhões de euros para empresas a partir da segunda quinzena de outubro. O seu funcionamento é sob a forma de uma ‘garantia mútua’ com um limite de retorno de oito anos, com um período inicial de 12 meses durante os quais não é necessário efectuar pagamentos.
  • 25 milhões de euros para apoio de 20% das taxas de IRC (imposto empresarial) aplicáveis ​​à eletricidade, gás natural e fertilizantes; suspensão temporária para continuar no ISP (imposto de combustível) e imposto de carbono para gás natural, bem como diesel agrícola.

Todas estas ações somam-se, diz António Costa Silva, a uma despesa pública de 1,4 mil milhões de euros – uma fração do aumento de receitas que todos os dias vai para o tesouro do Estado devido à inflação.

E em relação aos ‘lucros exorbitantes’ obtidos pelas empresas de combustíveis/cadeias de supermercados, apesar do entusiasmo de Ursula Von der Leyen por eles, este governo optou por ‘esperar em silêncio’ por uma luz verde mais formal.

A Comissão Europeia propôs ontem uma série de medidas – incluindo um imposto de 33% sobre os lucros das empresas de combustíveis fósseis, a chamada “contribuição de solidariedade”.

No entanto, Mendonça Mendes – ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal para os Assuntos Fiscais – disse que o governo ‘queria esperar para ver’ como esta proposta seria recebida.

“Vamos esperar em silêncio para ver o que se desenvolve a nível europeu”, disse hoje.

Quando o governo apresentou ação de apoio à família quase duas semanas atrás, o consenso na época era que oferecia ‘um punhado de nada’. Pior, um pouco de nada com algumas surpresas bastante desagradáveis.

Desde então, os ministros fizeram um grande esforço para tentar reescrever manchetes negativas – não funcionando realmente.

Esta última apresentação quase certamente segue o mesmo caminho.

Os partidos políticos darão suas opiniões a tempo do noticiário da noite. Mas o analista político José Gomes Ferreira disse à SIC que as empresas “não têm motivos para suspirar de alívio”.

O pacote de suporte é uma colcha de retalhos de “retoques e revisões” (uma frase que possivelmente funciona melhor em português do que em inglês). Não há nada ‘definindo’ nele para fornecer ajuda real às empresas ou para facilitar suas vidas, disse ele.

Mais reações virão nas próximas horas.

natasha.donn@portugalresident.com

Chico Braga

"Explorador. Organizador. Entusiasta de mídia social sem remorso. Fanático por TV amigável. Amante de café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.