Incêndios devastam partes da Europa em meio a onda de calor extrema

Lisboa, Portugal — Uma série de incêndios florestais queimou partes da Europa, com bombeiros combatendo incêndios em Portugal, Espanha e sul da França nesta quarta-feira em meio a uma onda de calor incomum que as autoridades associaram às mudanças climáticas.

Em Portugal, o comandante da Proteção Civil André Fernandes disse que vários incêndios levaram à evacuação de mais de 600 pessoas. Cerca de 120 pessoas precisaram de tratamento médico, com duas pessoas – um civil e um bombeiro – sofrendo ferimentos graves, disse Fernandes.

Aviões encharcados de água estão ajudando 1.300 bombeiros a combater o pior incêndio na região central do país, enquanto outros 1.000 estão trabalhando para conter outro incêndio.

A onda de calor na Europa também alimentou incêndios na Espanha e na França – e na Turquia, do outro lado do Mediterrâneo.

Mais de 800 bombeiros estão lutando contra dois incêndios florestais na área nos arredores de Bordeaux, no sudoeste da França, de acordo com serviços de emergência regionais. Os incêndios começaram na terça-feira perto das cidades de Landiras e La Teste-de-Buch, e os bombeiros não conseguiram apagá-los até quarta-feira de manhã.

Cerca de 6.500 pessoas foram evacuadas de acampamentos e vilarejos na área florestal. O número de feridos não é claro. Os dois incêndios destruíram mais de 1.800 hectares (4.400 hectares) de terreno, disseram os serviços de emergência.

Imagens dos bombeiros mostraram chamas subindo por arbustos e prados, sopradas por ventos fortes e fumaça escurecendo o horizonte.

Os governos locais proíbem atividades em áreas florestais de risco. Várias áreas no sul da França estão em alerta de incêndio devido ao clima quente e seco e aos ventos fortes. Os incêndios florestais atingiram a região de Gard, no sudeste da França, na semana passada.

Portugal vive há muito tempo incêndios florestais fatais. Em 2017, os incêndios florestais mataram mais de 100 pessoas. Ninguém morreu de incêndios florestais desde então, quando Portugal melhorou a sua gestão florestal e estratégia de combate a incêndios.

No ano passado, Portugal registou o menor número de incêndios florestais desde 2011. Mas massas de ar quente e seco sopradas pelos ventos africanos empurraram as temperaturas na Península Ibérica para além dos seus máximos habituais.

A nação atlântica, que está em alerta máximo para incêndios florestais desde a semana passada, está queimando sob um aumento nas temperaturas que deve enviar termômetros na região central do Alentejo para 46 C (115 F) na quarta e quinta-feira. As autoridades disseram que 96% do país foi classificado no final de junho como uma seca “extrema” ou “grave”.

Mais de 3.000 hectares (7.400 hectares) foram consumidos só no distrito de Leiria, a norte de Lisboa, disse o autarca Gonçalo Lopes à emissora estatal portuguesa RTP.

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, que cancelou viagens ao exterior para lidar com a emergência, disse que um melhor cuidado das florestas e terras agrícolas abandonadas é fundamental para protegê-las.

“Em 2017 o estado percebeu que ter bombeiros suficientes era muito importante, mas não era suficiente”, disse Costa. “Temos que ir à raiz do problema… O abandono e a não gestão da propriedade é um dos maiores fatores de risco para os incêndios florestais.”

A vizinha Espanha atingiu altas de 43°C (109,4°F) em várias cidades do sul na terça-feira.

Mais de 400 pessoas foram evacuadas na terça-feira devido a incêndios florestais que consumiram 3.500 hectares (8.600 hectares) no oeste da Espanha.

Autoridades da União Europeia emitiram um alerta na semana passada de que as mudanças climáticas estão por trás dos verões muito secos e quentes do continente até agora, pedindo às autoridades locais que se preparem para os incêndios florestais.

Cayetano Torres, porta-voz do meteorologista nacional da Espanha, disse que a onda de calor “incomum” e a falta de chuva nos últimos meses criaram condições ideais para os incêndios.

“Estas são as condições perfeitas para a propagação do fogo, que ao adicionar vento garante a sua propagação”, disse.

No sudoeste da Turquia, as chamas explodiram em uma área perto da vila de Mesudiye, perto do resort de Datca, no Mar Egeu, e se espalharam por várias casas na área, segundo o gabinete do governador provincial. Ele disse que pelo menos nove helicópteros estavam jogando água e cinco aviões foram mobilizados para extinguir o fogo.

No verão passado, chamas provocadas por ventos fortes e temperaturas escaldantes destruíram florestas nas regiões do Mediterrâneo e do Mar Egeu na Turquia. Os incêndios florestais, que mataram pelo menos oito pessoas e inúmeros animais, são descritos como os piores da história turca.

O governo do presidente Recep Tayyip Erdogan foi criticado por sua resposta inadequada e prontidão para combater incêndios florestais em grande escala, incluindo a falta de aeronaves modernas de combate a incêndios.

———

Joseph Wilson relata de Barcelona, ​​​​Espanha. Angela Charlton em Paris, Renata Brito em Barcelona e Suzan Fraser em Istambul, contribuíram para este relatório.

———

Siga todas as histórias da AP sobre questões de mudança climática em https://apnews.com/hub/climate

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.