“Intensificação” da propaganda de extrema-direita em Portugal

O Relatório de Segurança Interna RASI de 2018 admitiu que as tensões entre extremistas de extrema direita e grupos antifascistas “se deterioraram significativamente” em Portugal no ano passado e alerta para a “divulgação intensa” de propaganda online destinada a grupos de extrema direita entre as próximas eleições parlamentares.

O documento, elaborado pelo Internal Security System (ISS) e divulgado pelo governo no início desta primavera, dizia que “continua uma intensa disseminação de publicidade virtual pela direita”.

E o objetivo é “criar condições favoráveis ​​para o sucesso eleitoral das forças políticas nacionalistas ou populistas em 2019”, diz o texto.
Alertas vermelhos já estavam sendo levantados no relatório de 2017, destacando a reorganização dos movimentos com ligações à extrema-direita em consonância com o que estava acontecendo no resto da Europa.

“Além de intensificar os contatos internacionais, esses extremistas desenvolveram esforços para reunir seus diversos setores (grupos de identidade, nazistas e skinheads) para avançar seus objetivos política e metapoliticamente”, disse o relatório do ano passado.

Um ano depois e “não houve mudanças significativas” face a 2017: “A extrema direita portuguesa continua a mostrar grande dinamismo na luta pela ‘reconquista’ da Europa (especialmente no que diz respeito ao combate à imigração, islamização, multiculturalismo e marxismo)”, diz o relatório.

Segundo o documento, “o grupo identitário e o setor neofascista foram novamente sustentados pela organização de conferências, ações de propaganda, comemorações de datas simbólicas, ações de protesto, eventos musicais e treinamentos de artes marciais em perfeita coordenação com as ações de seus homólogos, com os quais também mantinham contactos frequentes”.

E a corrente menos ativa “skinhead neonazista” manteve suas atividades tradicionais (concertos, encontros), além de estar regularmente associada a iniciativas de grupos identitários e do movimento neofascista, concluiu o relatório.

Em janeiro de 2019, o semanário Expresso noticiou que o número de investigações abertas sobre supostas ofensas de discriminação e discurso de ódio dobrou em um ano, passando de 31 em 2017 para 63 em 2018.

No entanto, apenas alguns casos foram processados: um em 2016, dois em 2017 e nenhum em 2018.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *