Itália oscila para a direita política após a vitória do partido neofascista

Um partido de extrema-direita neofascista chamado Irmãos da Itália liderou a votação nas eleições parlamentares de domingo.

Os parceiros da Itália na União Européia estão sinalizando desconforto, até vigilância, depois que a Itália, um dos membros fundadores do bloco, virou politicamente para a direita. O resultado das recentes eleições na Itália levanta questões preocupantes sobre se Roma honrará seus compromissos com os princípios, leis e ambições da UE.

A primeira-ministra francesa disse na segunda-feira que seu governo se juntará às autoridades da UE para garantir que os direitos humanos básicos sejam garantidos na Itália, depois que o partido neofascista de extrema-direita Irmãos da Itália, de Giorgia Meloni, liderou os votos nas eleições gerais de domingo.

Meloni cresceu em um bairro da classe trabalhadora em Roma conhecido pela política de esquerda. Apesar disso, ainda adolescente, ingressou na associação juvenil local de um movimento fundado por apoiadores de Benito Mussolini.

“Na Europa, defendemos alguns valores e, claro, vamos garantir e o presidente da Comissão garantirá que esses valores – direitos humanos, respeito por outras pessoas, em particular respeito ao direito ao aborto – sejam respeitados por todos ( Estados-Membros)», disse a primeira-ministra Elisabeth Borne à emissora francesa BFM TV.

Tais pronunciamentos entre parceiros de longa data da UE são altamente incomuns e seguem o aviso pré-eleitoral da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, de que a Europa “tem as ferramentas” para lidar com qualquer país – e, por extensão, a Itália – se as coisas estiverem “indo em um direção.”

A União Europeia de 27 países já está enfrentando desafios, incluindo aumento da inflação e custos de energia, e não precisa da ameaça de que um líder italiano de extrema direita possa se juntar a um bloco nacionalista vocal, incluindo Hungria e Polônia, que atacou repetidamente o padrões democráticos da UE.

Os líderes europeus estarão observando para ver qual Meloni emerge: a incendiária que criticou os direitos LGBT, a violência islâmica e a migração em massa e os burocratas de Bruxelas, ou a que vem atenuando sua retórica e endossando o apoio da UE nas últimas semanas tem a Ucrânia.

“É muito cedo para dizer o que vai mudar para a UE e seu equilíbrio de poder”, disse Arturo Varvelli, do grupo de reflexão do Conselho Europeu de Relações Exteriores.

Por um lado, disse Varelli, o foco de Meloni nos interesses nacionais da Itália não ajudará a fortalecer a soberania europeia.

“No entanto, Meloni também mudou sua linha política nos últimos meses, por exemplo, em relação à política da Rússia”, disse ele. “Isso contribui para a imprevisibilidade da linha pró-europeia do futuro governo italiano.”

A probabilidade de um eurocético liderar a Itália, a terceira maior economia da UE, é um golpe potencial para um projeto europeu que já luta contra o nacionalismo. Também ocorre apenas algumas semanas depois que um partido fundado por extremistas se tornou o segundo maior partido no parlamento da Suécia.

Previsivelmente, os partidos de direita em toda a Europa foram fortalecidos pelo resultado.

“Suécia no norte, Itália no sul: governos de esquerda foram ontem”, tuitou Beatrix von Storch, líder da Alternativa para a Alemanha.

O populista de Portugal Chega disse que a mudança da Itália para a direita anuncia uma “reconfiguração política” na Europa. Após o resultado das eleições na Suécia, segundo o partido, foi “à Itália enviar um sinal claro de que o continente europeu está em profunda mudança”.

O legislador anti-islâmico holandês Geert Wilders twittou uma imagem da bandeira italiana com as palavras: VIVA ITALIA e um emoji de coração.

Mas a preocupação mais imediata na sede da UE em Bruxelas é provavelmente se Meloni unirá forças com a Hungria e a Polônia para atingir um dos principais elementos da arquitetura jurídica da Europa: que os tratados e leis da UE devem ter precedência sobre a lei nacional.

A Hungria e a Polônia usaram o tribunal superior da Europa para questionar a legitimidade da UE em questões como a política de migração e a independência do judiciário. A Hungria, em particular, está bloqueando as sanções contra a Rússia, mas também é uma pedra no sapato da UE em muitas outras áreas, da política fiscal às declarações de política externa.

Com a Itália a bordo, as coisas podem se tornar muito mais complexas para a UE, que rotineiramente exige votos unânimes dos 27 países membros.

“Um dos dilemas fundamentais da UE – unidade versus ambição – tornou-se muito mais difícil após as eleições italianas”, tuitou Janis Emmanouilidis, do think tank European Policy Centre, com sede em Bruxelas.

Também havia preocupações sobre se o provável parceiro de coalizão de Meloni, o líder de direita da Lega, Matteo Salvini, retornará ao Ministério do Interior da Itália, de onde ele liderou uma repressão às chegadas de imigrantes do norte da África e quaisquer grupos de caridade que possam tentar ajudá-los.

A própria Meloni pediu um bloqueio marítimo para impedir que barcos de imigrantes deixem as costas africanas, e tanto ela quanto Salvini querem que a Europa rastreie potenciais requerentes de asilo na África.

Mas mesmo sem uma mudança de postura na Itália, a UE já está profundamente dividida em relação à política de asilo e está focada em terceirizar seus desafios migratórios para os países que as pessoas estão deixando ou transitando para chegar à Europa.

Meloni também propôs renegociar partes do pacote de recuperação econômica da pandemia acordado com Bruxelas, que vale quase US$ 200 bilhões para a Itália – uma quantia considerável, dado seu enorme problema de dívida. Opositores políticos em casa levantaram preocupações sobre sua capacidade de administrar adequadamente os fundos, um problema contínuo para a Itália.

Em Bruxelas, a Comissão Europeia não quis comentar o resultado da eleição ou o fato de muitos eleitores terem votado em partidos antieuropeus. “É claro que esperamos uma cooperação construtiva com as novas autoridades italianas”, disse o porta-voz Eric Mamer.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *