Jorge Sampaio, Presidente de Portugal, 1939-2021

Jorge Sampaio, o ex-presidente de Portugal, que morreu na sexta-feira aos 81 anos, era conhecido como um socialista afável com um interesse vitalício pelos direitos humanos, apesar de ter nascido privilegiado.

No cenário internacional, Sampaio, que ocupou a presidência por uma década de 1996 a 2006, destacou-se ao presidir o retorno de Portugal de sua ex-colônia de Macau à China e desempenhou um papel importante no estabelecimento da independência de Timor-Leste.

“Ele provou que você pode nascer privilegiado e transformar sua vida em uma luta pelos desprivilegiados”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, atual presidente de Portugal.

Embora nascido em uma família liberal de classe média em Lisboa, Jorge Fernando Branco de Sampaio era fluente em inglês, tendo passado grande parte de sua infância nos Estados Unidos, onde seu médico e pai estudou saúde pública, e mais tarde na Inglaterra.

Sampaio entrou pela primeira vez na política portuguesa como estudante de direito na década de 1960 na Universidade de Lisboa. Incendiário ruivo, juntou-se à resistência estudantil contra o regime autoritário do Estado Novo e dirigiu a associação estudantil entre 1960 e 1961. Após se formar em 1961, Sampaio iniciou a carreira de advogado e frequentemente defendia presos políticos.

Depois que o regime de direita foi derrubado em um golpe quase sem derramamento de sangue conhecido como Revolução dos Cravos em 1974, Sampaio co-fundou um movimento político de esquerda. Mas ele logo se juntou ao Partido Socialista (PS) em 1978 e tornou-se seu líder em 1989 – cargo do qual foi eleito prefeito de Lisboa como líder de uma coalizão PS-partido comunista.

Reeleito prefeito em 1993, interrompeu seu segundo mandato para concorrer com sucesso à presidência em 1996. Em 2001 foi reeleito para mais um mandato de cinco anos.

No exterior, Sampaio é talvez mais conhecido por presidir o retorno do domínio chinês em 1999 sobre Macau, a pequena área perto de Hong Kong que Portugal governou de várias maneiras desde o século XVI. Mais tarde, numa autobiografia, lamentou que Portugal não tivesse conseguido deixar um legado cultural maior.

Sampaio também foi reconhecido por seus esforços incansáveis ​​para apoiar a independência de Timor Leste, a ex-colônia portuguesa no norte da Austrália que ocupou e anexou a vizinha Indonésia em 1975, enquanto Portugal estava atolado em convulsões domésticas.

Ele fez campanha para enviar uma força de paz multinacional apoiada pelos EUA para reprimir a violência desencadeada por milícias pró-indonésias depois que os timorenses votaram pela independência em um referendo apoiado pela ONU em 1999. O território tornou-se um estado soberano em 2002.

“Ele foi um grande defensor da causa de Timor-Leste e desempenhou um papel crucial no acordo político e diplomático que levou à independência”, disse José Ramos-Horta, ex-presidente de Timor-Leste, à emissora portuguesa Rádio Renascença.

Em 2004, a recusa de Sampaio em convocar eleições antecipadas depois que José Manuel Barroso renunciou ao cargo de primeiro-ministro para chefiar a Comissão Europeia foi denunciada por partidos da oposição, incluindo o seu próprio.

Quatro meses depois, ele cedeu e dissolveu o parlamento porque, disse mais tarde, acreditava que o país “flutuaria” sob Pedro Santana Lopes, o sucessor indicado por Barroso.

Sampaio deixa sua segunda esposa, Maria José Ritta, e seus dois filhos. O governo ordenou três dias de luto nacional.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *