Lisboa partilha há anos informação de dissidentes com regimes repressivos – POLITICO

Ao longo da última década, a Câmara Municipal de Lisboa vazou rotineiramente informações pessoais de defensores dos direitos humanos a vários regimes repressivos, expondo-os e às suas famílias a perigos incalculáveis.

A prática foi exposta na sexta-feira depois que um grupo de dissidentes russos revelou no início desta semana que as autoridades da cidade o haviam feito. dividido seus dados pessoais na Embaixada da Rússia e no Ministério das Relações Exteriores em Moscou.

Depois de inicialmente descartar o incidente como um erro burocrático, as autoridades municipais admitiram na sexta-feira que de fato fazia parte do procedimento operacional padrão da Prefeitura: desde 2011, as autoridades municipais têm fornecido nomes, números de identificação, endereços residenciais e números de telefone de ativistas a países que apoiam manifestantes foram apontados.

As autoridades obtiveram a informação por causa de uma portaria local que exige que os ativistas que planejam realizar protestos forneçam essas informações pessoais à Prefeitura, que então encaminha as informações aos policiais encarregados de garantir que os eventos sejam realizados em um ambiente seguro.

Mas a descoberta de que tais informações também foram compartilhadas com regimes repressivos – incluindo Angola, Venezuela e China – surpreendeu e consternou grupos dissidentes baseados em Lisboa, que agora temem que seus líderes possam se encontrar na mira de governos estrangeiros.

E desafia o estatuto de Portugal de refúgio de exilados políticos, bem como a sua reputação de país defensor da liberdade de expressão. O prefeito de Lisboa já está enfrentando pedidos de demissão, e os ativistas internacionais dos direitos civis do país lamentam a mancha que temem que isso deixe na percepção global de Portugal.

“Descobri esta manhã e estou francamente chocada”, disse Alexandra Correia, coordenadora do Grupo de Apoio ao Tibete de Portugal, que disse ao POLITICO que os seus dados pessoais foram partilhados com a embaixada chinesa em abril de 2019, depois de receber autorização para realizar um Reunião em favor do 11º Panchen Lamaque está detido pelas autoridades chinesas desde 1995.

“É particularmente bizarro porque o nosso protesto aconteceu no Largo de Camões, que não fica perto da embaixada chinesa, pelo que a câmara nem pode alegar que os informou por questões de segurança”, disse Correia.

A ativista disse que a revelação a assustou e surpreendeu sua filha, que agora se preocupa com o que pode acontecer com familiares no Tibete, onde as autoridades chinesas ainda praticam a pena de morte.

“Esta situação não pode ser descartada como um contratempo burocrático”, disse Correia, acrescentando que se juntaria a outros grupos dissidentes para pressionar a Prefeitura a agir de acordo com suas ações. “É uma grave violação da minha privacidade, dos meus direitos fundamentais como europeu e é inaceitável que isto esteja a acontecer num país democrático da União Europeia.”

Ao lado de Correia, representantes do Comitê de Solidariedade com a Palestina disseram à mídia portuguesa que também descobriram que suas informações foram compartilhadas com a embaixada de Israel. Este grupo expressou preocupação sobre como os serviços de inteligência israelenses podem rastrear seus membros, citando um item Haaretz Reportagem sobre o banco de dados do Mossad de ativistas falando contra o governo israelense.

“Vergonha Nacional”

O escândalo em torno das práticas de compartilhamento de informações de Lisboa colocou o prefeito Fernando Medina em uma posição política delicada apenas quatro meses antes das eleições municipais da cidade.

Na quinta-feira, o candidato conservador da oposição Carlos Moedas – ex-comissário da UE para Pesquisa e Ciência – exortou Medina a renunciar sobre o incidente. O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, classificou as revelações como “profundamente lamentáveis” e disse que numa nação democrática todos merecem ter os seus direitos fundamentais respeitados.

Medina competiu na emissora nacional RTP na noite de quinta-feira desculpas publicamente para o que ele viu como um “erro burocrático”, que disse ser resultado do cumprimento da cidade de “legislações desatualizadas”. Apesar de acusar a oposição de usar o escândalo para obter “vantagem política”, o prefeito reconheceu que os procedimentos internos da Prefeitura precisariam ser alterados para que a situação não se repetisse.

Pedro Neto, diretor-executivo da subsidiária portuguesa da Amnistia Internacional, disse que a mudança de procedimentos não foi suficiente e instou Lisboa a ir mais longe para proteger aqueles que colocou em “grave perigo”.

“Os protestos contra a detenção de milhões de uigures na China tiveram lugar em Lisboa, e a câmara municipal deu à Embaixada da China a informação não só para localizar os organizadores aqui em Portugal, como também para rastrear as suas famílias na China”, disse a net. “É inacreditável que nosso governo tenha sido cúmplice dessa repressão.”

Neto disse que a cidade de Lisboa agora tem a obrigação moral de realizar uma revisão abrangente de todos os dados compartilhados com potências estrangeiras e de informar qualquer ativista denunciado. “Claro que os nossos ministérios do Interior e dos Negócios Estrangeiros devem estar envolvidos para garantir a proteção dos afetados em Portugal e o bem-estar das suas famílias no estrangeiro”.

O diretor da Amnistia Internacional qualificou o caso de “constrangimento nacional” e disse que reforça a impressão de que Portugal é apenas um “pequeno país sujeito a gigantes económicos”.

“Assim como Lisboa falhou em defender os direitos humanos aqui, nossos líderes nacionais falharam em fazê-lo durante sua presidência da União Europeia”, acrescentou Neto, citando o mandato de Portugal como presidente rotativo do Conselho da UE, que terminou em fins de julho.

“Poderíamos ter sido porta-estandartes dos direitos humanos e dos valores fundamentais da UE, mas, em vez disso, mantivemos a discrição e agora estamos encerrando nossa presidência com este escândalo em casa.”

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *