Liverpool cava fundo para superar as pernas cansadas e dar ao Chelsea sua terceira derrota consecutiva na final da FA Cup

LONDRES – Eles podem estar machucados e feridos, sua energia drenada de uma temporada em que jogaram todos os jogos possíveis e, o mais importante, podem ficar sem outro jogador importante agora, mas a máquina do Liverpool continua. Dois troféus para baixo, talvez mais dois para ir.

Como há dois meses em Wembley, eles levaram duas horas e uma disputa de pênaltis para vencer um tenaz time do Chelsea fadado a fazer história no 150º ano da FA Cup, quando se tornou o primeiro a vencer três finais em episódio perdido. Foi um destino cruel para Thomas Tuchel e seus jogadores depois de ter “jogado 240 minutos da final, 0-0 contra talvez o melhor time de ataque da Europa”, disse ele.

“Nós merecemos, assim como eles.” Portanto, é uma prova do calibre histórico deste time do Liverpool que Jurgen Klopp agora está de olho em algo mais notável do que apenas o troféu que completou sua coleção após menos de sete anos em Merseyside.

É provável que, com sua busca quádrupla terminando nos próximos oito dias, o Manchester City faça o suficiente nos dois jogos restantes para conquistar o primeiro lugar na Premier League. Mas mesmo que seja esse o caso, e mesmo que o Real Madrid ganhe a Liga dos Campeões em Paris, deve ser lembrado como uma das maiores temporadas da ilustre história do Liverpool. Klopp pode ter um elenco mais forte do que em qualquer momento em seu mandato – muito menos em comparação com os anos anteriores – mas isso continua a se estender. Não há descanso para seus principais jogadores nesta fase da temporada, e ainda assim eles cavam fundo o suficiente em uma série interminável de jogos.

A equipe que encerrou a espera de 30 anos por um título da liga terminou a espera mais curta, mas não insignificante, por uma FA Cup aos 16. Ainda pode ter acontecido às custas das lutas à frente, com Mohamed Salah lesionando a virilha no início da luta e Virgil van Dijk retirado com uma lesão muscular, mas poucos em vermelho teriam trocado a fumaça carmesim que envolveu seu extático final Wembley por um esquadrão totalmente apto pronto para mais glória.

Se tal coisa pode ser imaginada, ainda mais fé corre pelo Liverpool enquanto eles lutam a meio caminho da glória sem precedentes no futebol inglês. Como disse o vencedor da partida, Alisson: “Isso nos dá mais confiança para a Premier League e também para a final da Liga dos Campeões. É um momento incrível. Agora só nos resta aproveitar.” Eles não terão muito tempo, mas merecem aproveitar ao máximo seu tempo. Os ‘monstros mentais’ de Klopp passaram por um grande teste físico e emocional nas duas finais de copas nacionais do Chelsea nesta temporada.

Em seus quatro encontros nesta temporada, essas duas equipes mostraram o melhor uma da outra. Nenhum dos três confrontos anteriores produziu um vencedor, não é de admirar que o time de Klopp tenha atacado esta competição desde o início com a determinação de um lado de se envolver em uma batalha nas trincheiras. Thiago voou para tackles, os três da frente perseguindo todas as bolas, enquanto Trent Alexander-Arnold e Andrew Robertson voaram sobre seus ombros.

A intensidade inicial não poderia durar. Este foi o 60º jogo do Liverpool na temporada, o 61 do Chelsea. Cada um desses 5.500 minutos parecia sobrecarregar o campo de Wembley. Com menos de um quarto do jogo disputado, Thiago Silva coxeava enquanto Edouard Mendy esticava as pernas em desconforto. Na outra ponta, Alisson logo se juntaria a ele, enquanto Caoimhin Kelleher não precisava repetir suas façanhas na final da EFL Cup, era apenas uma questão de tempo até que alguém desistisse.

Parecia não haver nada de especial que obrigou Mohamed Salah a cair na grama aos 33 minutos. Enquanto Jurgen Klopp estava disposto a esperar e ver por causa da forma física de Alisson, não havia espaço para debate quando se tratava de seu artilheiro. Pode ter significado outra final ruim para o egípcio, mas o Liverpool espera que sua ação rápida seja suficiente para manter sua aptidão para retaliar em ambos os lados.

Aqui estava um jogo em que nem mesmo os substitutos pareciam 100% prontos. Com o tempo regulamentar chegando ao fim, Timo Werner foi chamado de seu aquecimento, aparentemente para refrescar um ataque do Chelsea que tinha corrido para cima e para baixo por muitos metros duros. Mas o tendão esquerdo do alemão parecia estar causando desconforto, e uma massagista estava à disposição para consertar apenas o suficiente.

Contra pernas tão pesadas, Luis Diaz, reforço do Liverpool em janeiro, foi leve como uma pena. Ele próprio não tem falta de jogos, mas talvez meia temporada em Portugal não exija tanto. Quando Alexander-Arnold disparou uma bola cruzada no canal esquerdo, ele tinha muitas jardas para pegar Trevoh Chalobah. Ele o fez com facilidade, mas poderia ter feito melhor com um chute rasteiro que atingiu as pernas de Mendy antes de ser cortado pelo goleiro.

Pelo menos o primeiro tempo contundido deu a Thomas Tuchel tempo para fazer ajustes que, por algum motivo, deram aos Blues, que por algum motivo estavam vestidos de amarelo da cabeça aos pés, um ponto de apoio no jogo. Isso ocorreu às custas de seu jogo de ataque, quando Reece James interveio para lidar com Diaz e Mason Mount encarregados de perseguir Robertson, ocasionalmente tendo que deixar Romelu Lukaku e Christian Pulisic por conta própria.

Este último o fez de forma bastante eficaz, principalmente nos primeiros golpes do segundo tempo. Ele tem um talento especial para cronometrar suas corridas da caixa até o tee shot; Já tendo visto uma tentativa rolando logo atrás do poste mais distante de Alisson, Alexander-Arnold fez um excelente trabalho ao receber um cruzamento de James antes que seu oponente americano pudesse conceder.

Após a decepção dois anos atrás, quando ele parecia pronto para se tornar o vencedor do Chelsea simplesmente porque uma lesão o forçou contra o Arsenal, Pulisic parecia determinado a fazer desta sua final. Ninguém parecia estar mais correndo em jardas fortes, em um minuto ele estava caindo no meio-campo para driblar um adversário, no próximo ele estava sendo arremessado para a área. Ele pode ter se saído melhor com as chances que surgiram, mas disse tudo sobre a avaliação de Tuchel sobre seu desempenho que quando o quarto árbitro levantou o número 10 para dar espaço para Hakim Ziyech, logo caiu para o 9 de Romelu Lukaku foi alterado .

A essa altura, o Chelsea estava se agarrando como no início do jogo, com o coelho Duracell, que era Diaz, chegando muito perto duas vezes de cada lado de Robertson e acertando a entrega de James Milner de perto contra o poste.

Com 90 minutos de início, outra meia hora parecia um esforço exaustivo para esses dois, que cavaram os recessos mais profundos de seus músculos para dar a Wembley uma das melhores finais de copa da memória recente. Van Dijk também não conseguiu ver isso, um problema muscular acabou com sua noite antes da prorrogação. Ruben Loftus-Cheek entrou para o ataque e conseguiu os 13 minutos completos antes de ser sacrificado quando os pênaltis se aproximaram. Uma decisão que Tuchel defendeu foi garantir que seus melhores batedores de pênaltis estivessem em campo.

Desta vez, Tuchel optou por não quebrar o vidro que impedia Kepa Arrizabalaga dos pênaltis depois que o especialista em pênaltis não conseguiu defender na final da EFL Cup. Mendy pelo menos conseguiu justificar a confiança depositada nele, atrasando a coroação do Liverpool quando se sentou à sua esquerda para recusar Sadio Mané e negou a seu compatriota a chance de conquistar a vitória na Copa Africana de Nações, garantir a qualificação para a Copa do Mundo e uma FA Cup no local.

No entanto, serviu apenas para atrasar a coroação do Liverpool. Alisson caminhou para a esquerda, convenientemente poupando Mason Mount do esforço. Enquanto olhava com júbilo para o céu, não pareceu duvidar nem por um segundo que Kostas Tsimikas cuidaria do assunto alguns segundos depois. Como tantas vezes durante o mandato de Klopp, essa crença foi firmemente justificada.

Elite Boss

Leave a Reply

Your email address will not be published.