Mais britânicos agora podem obter um novo cartão de residência

“Hoje a Direção-Geral dos Assuntos Consulares do Ministério dos Negócios Estrangeiros e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras abriu um escritório [in Porto] para os cidadãos britânicos que não têm autorização de residência devido ao Brexit possam exercer plenamente os seus direitos no nosso país”, explicou o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, durante uma visita ao Centro de Atendimento ao Cidadão Britânico no Porto.

O novo posto de atendimento a cidadãos britânicos para o distrito do Porto, uma área estimada em cerca de mil habitantes, junta-se aos novos postos de atendimento recentemente criados nos Açores, Madeira, Lisboa, Cascais e Loulé, disse o ministro, acrescentando que existem pretende instalar um posto em Quarteira, outro em Coimbra e outro em Faro em Outubro.

“Estimamos que cerca de 1.000 cidadãos britânicos vivem em nossa área. Com o reagrupamento familiar poderemos chegar a 1.500 cidadãos britânicos que podem beneficiar deste apoio e serviço.”

“Dificuldades”

O ministro do Interior explicou que os cidadãos britânicos alojados em Portugal já beneficiavam de uma solução electrónica (QR code) que lhes dava esses direitos, mas reconheceu que havia “dificuldades” com o papel.

“Houve dificuldades porque em alguns pontos do país, possivelmente por falta de informação, nem todos os serviços aceitaram este código QR como mecanismo de acesso aos serviços. Por isso pretendemos aumentar a resposta e aqui no Porto esta plataforma está em teste desde 27 de setembro e hoje está em pleno funcionamento”, explicou.

Prazo final do ano

O ministro reiterou hoje que espera que os cerca de 36 mil cidadãos britânicos que vivem em Portugal tenham o novo cartão de residência pós-Brexit até 31 de dezembro.

“Até o final do ano, e esse é o nosso objetivo, podemos garantir que todos os 36.000 cidadãos do Reino Unido que se inscreveram na plataforma do Brexit no momento do Brexit possam ter todos os documentos que lhes permitam ter direitos fundamentais.”

O ministro explicou que Portugal tem o dever de assegurar um serviço de “mais proximidade” para que “todos os cidadãos britânicos possam sentir-se plenamente incluídos e acolhidos na nossa comunidade nacional”.

José Luís Carneiro lembrou que Portugal tinha cerca de “300 mil portugueses” no Reino Unido e contou com as autoridades britânicas também “reconhecendo os seus direitos”, nomeadamente a saúde e a proteção social.

Marco Soares

Entusiasta da web. Comunicador. Ninja de cerveja irritantemente humilde. Típico evangelista de mídia social. Aficionado de álcool

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *