Mais de 1.000 pequenos sismos atingiram a ilha vulcânica portuguesa

LISBOA, 21 Mar (Reuters) – Cerca de 1.100 pequenos terremotos abalaram uma das ilhas vulcânicas do meio do Atlântico em menos de 48 horas, levando as autoridades a ativar planos de contingência enquanto especialistas avaliam o que chamam de “crise sísmica”.

Rui Marques, chefe do centro de monitorização sismo-vulcânica CIVISA do arquipélago dos Açores, disse à Reuters na segunda-feira que os sismos, com uma magnitude que varia entre 1,9 e 3,3, foram registados na ilha de São Jorge desde a tarde de sábado.

Ele disse que a maioria dos terremotos, que até agora não causaram danos, foram relatados ao longo da fissura vulcânica da ilha de Manado, a última em erupção em 1808.

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

São Jorge, uma das nove ilhas que compõem os Açores, abriga cerca de 8.400 pessoas e faz parte do grupo central do arquipélago, que inclui os destinos turísticos populares do Faial e do Pico, também vulcânicos.

Descrevendo-a como medida de precaução, Luís Silveira, autarca do concelho de Velas, onde reside a maior parte dos moradores de São Jorge, assinou na segunda-feira um documento para ativar um plano de contingência sismo.

O aumento repentino da atividade sísmica lembra os enxames de terremotos detectados antes da erupção do vulcão Cumbre Vieja na ilha espanhola de La Palma no ano passado, cerca de 1.400 quilômetros (870 milhas) a sudeste dos Açores.

Ao longo de 85 dias, a erupção destruiu milhares de propriedades e plantas. Consulte Mais informação

No entanto, a CIVISA ainda não determinou o que se entende por cadeia de vibração.

“Ainda não é possível conhecer os padrões comportamentais desta crise sísmica”, disse Marques à agência noticiosa Lusa.

A CIVISA enviou uma equipa ao terreno para instalar mais duas estações de monitorização sísmica na ilha e para medir o gás subterrâneo, um indicador de atividade vulcânica.

Em comunicado divulgado no domingo, a autoridade regional de Proteção Civil disse ter contactado o autarca e os bombeiros locais, pedindo-lhes que “ficassem vigilantes” e prestassem assistência à população de São Jorge, se necessário.

Ele pede que as pessoas mantenham a calma, mantenham-se informadas e sigam as recomendações das autoridades. Apenas 63 dos 1.100 sismos registados até agora foram sentidos pelos moradores, disse Marques à Lusa.

“Temos que estar um pouco preocupados”, disse Marques à estação de rádio Antena 1. “Não deveríamos ter soado o alarme, mas vamos ver a situação se desenvolver”.

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Catarina Demony; Editado por Nathan Allen, Alison Williams e Sandra Maler

Nosso padrão: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.