Mais interessado em política, mas menos votos

Os jovens portugueses votam pouco e estão alienados das estruturas partidárias, embora sejam mais interessados ​​e engajados na política.

Os jovens “estão sistematicamente menos envolvidos” em modalidades “convencionais” como eleições ou comícios partidários, concluiu o estudo “A Participação Política da Juventude em Portugal” apresentado na Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa.

No entanto, desempenham um “papel particularmente destacado e diferenciador” na participação política na Internet, nomeadamente nas discussões políticas nas redes sociais e na participação cidadã, através de manifestações, assinatura de petições, angariação de fundos ou boicote a “certos produtos para fins políticos” . . Razões” ou contra as mudanças climáticas.

“Não podemos compreender a participação política dos jovens e a sua predisposição para o interesse pela política se olharmos apenas para a afluência às urnas”, disse Pedro Magalhães, investigador da Universidade de Lisboa e um dos coordenadores do estudo.

A investigação, financiada pela Fundação Gulbenkian em parceria com o Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade Católica Portuguesa, envolveu as Universidades de Aveiro, Lisboa, Minho e Porto.

Votar nas eleições “é extremamente importante”, mas Pedro Magalhães alertou que “não deve ser menosprezado o interesse e a motivação que os jovens estão cada vez mais a demonstrar para outras formas de participação”.

“Atitudes políticas, visão de mundo e política… Os jovens de lá, ao contrário do que muitas vezes se supõe, em termos de passividade, desinteresse… O que vemos é exatamente o contrário”, explicou.

O estudo foi desenvolvido em 2020 e teve como referência outros dois de 2007 e 2015 sobre o mesmo tema. Os pesquisadores usaram o European Social Survey, pesquisas e entrevistas com jovens.

Patrício Costa, professor da Universidade do Minho e também coordenador desta investigação, explicou que há indicadores que mostram que a geração mais jovem (entre os 15 e os 24 anos) é “mais consciente” e tem “diferentes preocupações, diferentes motivações”. e que “as estruturas partidárias não estão respondendo”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.