Marcelo Rebelo de Sousa eleito Presidente de Portugal

As eleições presidenciais portuguesas de domingo viram uma vitória na primeira volta de Marcelo Rebelo de Sousa, com o candidato de centro-direita nominalmente apoiado a sair vitorioso depois de obter 52 por cento e 2,4 milhões de votos em Portugal continental e no arquipélago dos Estados Unidos.

A margem de Rebelo de Sousa variou do distrito de Viseu, no norte, onde atingiu 62,57 por cento, a 31,71 por cento no distrito de Beja, no Alentejo, segundo dados da direcção eleitoral do Ministério do Interior.
O ex-professor, deputado e comentarista de TV perdeu por pouco a maioria na capital Lisboa com 49,74 por cento, enquanto quebrava essa marca no Porto, segunda maior cidade de Portugal, com 51,28 por cento e também conquistando a maioria nos Açores com 58,07 por cento. e Madeira para 51,35 por cento.
Isso o colocou bem à frente do vice-campeão, ex-reitor da Universidade de Lisboa, António Sampaio da Nóvoa.
Enquanto o último Rebelo de Sousa no distrito de Beja estava logo à frente com 31,47 por cento dos votos nas duas maiores cidades de Portugal, Sampaio da Nóvoa recuou em Lisboa e Porto com 25,83 por cento e 21,77 por cento
respectivamente.
Em terceiro lugar, Marisa Matias, apoiada pelo bloco de esquerda, teve o seu ápice em Coimbra com 13,91 por cento dos votos e 10,05 por cento e 10,22 por cento em Lisboa e Porto, respectivamente.
Para Matias, os 10 por cento dos votos de domingo foram os melhores de todos os tempos para um candidato de um partido do bloco, conquistado pelo ex-líder Francisco Louçã em 2006.
A abstenção na eleição presidencial foi de 51,2%, a segunda mais alta já registrada para esse tipo de eleição, com 4,7 milhões de eleitores sobrecarregados de um total de 9,6 milhões de eleitores registrados.
A maior abstenção até à data foi observada pela última vez a 23 de Janeiro de 2011, quando 53,6 por cento dos eleitores decidiram não votar na reeleição de Cavaco Silva.
Na eleição de domingo, os votos em branco responderam por 1,24% e os papéis cancelados por outros 0,92%, ambos significativamente abaixo da última eleição de 2011, quando registraram 4,26% e 1,93%, respectivamente.
Após a sua vitória, Marcelo Rebelo de Sousa prometeu que a sua presidência será “livre e justa” e apoiará uma governação “eficaz e próspera”.
Depois de uma campanha que evitou outdoors e comícios tradicionais e contou com o reconhecimento que conquistou ao longo de dez anos como comentarista de televisão, o professor, como era conhecido nessa função, permaneceu neutro.
O ex-líder social-democrata expressou sua intenção em seu papel de chefe de Estado de “promover a unidade nacional”, “promover uma política de convergência” e “cultivar uma relação frutífera entre as instituições soberanas e os atores políticos, econômicos, sociais e culturais”. .
“O Presidente da República é o primeiro a querer que o governo governe com eficácia e sucesso, pois isso é importante para o sucesso de Portugal. Da mesma forma, é importante que a oposição se mostre ativa e representativa, pois sua contribuição garantirá uma revisão feita com toda a força da democracia”, disse Rebelo de Sousa.
As felicitações de seus rivais derrotados não tardaram a chegar.
Em segundo lugar, António Sampaio da Nóvoa disse já ter falado e que “a partir de hoje, Marcelo Rebelo de Sousa é o meu presidente e de todos os cidadãos portugueses”, antes de acrescentar que “Portugal precisa de muita união”.
O primeiro-ministro António Costa, por seu turno, enviou uma mensagem de felicitações em nome do governo, numa resposta oficial que não deixou perguntas sem resposta.
“Em nome do governo, gostaria de felicitar o professor Marcelo Rebelo de Sousa pela vitória nas eleições presidenciais e manifestar os nossos sinceros votos pelo maior sucesso possível no exercício do mandato que os portugueses nos deram hoje. ‘, disse Costa, antes de expressar ‘máxima lealdade e plena cooperação institucional’.
Além disso, o primeiro-ministro lamentou também o elevado número de abstenções, mas elogiou o “facto de, ao contrário do que tem acontecido noutros países europeus, os portugueses terem rejeitado claramente candidatos populistas que se apresentam como hostis ao sistema”.
Costa disse que isso mostra “uma fé saudável no quadro democrático” antes de agradecer aos 59.000 cidadãos que participaram da realização da eleição “que decorreu sem incidentes indevidos”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.