Médicos portugueses pedem cessar-fogo

Cerca de 7.000 médicos a trabalhar em Portugal escreveram uma carta aberta apelando ao cessar-fogo imediato na Ucrânia e à abertura de um corredor humanitário, independente e gratuito que permitirá ajudar pessoas e salvar vidas.

“Nós, médicos a trabalhar em Portugal, somos contra o conflito que está a decorrer neste momento em território ucraniano e apelamos urgentemente ao cessar-fogo, bem como à existência imediata de um corredor humanitário independente e livre que permita que a ajuda chegue efectivamente a quem preciso fazer isso”, escrevem os médicos na carta.

O pedido para que os médicos que trabalham em Portugal assinem esta carta foi criado pela Ordem dos Médicos (OM) para “resgatar feridos em combate que sofrem, sejam ucranianos ou russos”, mas também para levar comida à Ucrânia para levar água, medicamentos e material médico, disse à Lusa o presidente.

“Independentemente da guerra, os feridos têm direito a tratamento. É uma questão de direitos humanos e nessa perspectiva lançamos este alerta que se repetirá em todo o mundo”, frisou.

Segundo o presidente do OM, os milhares de médicos que assinaram a carta são portugueses, russos, ucranianos, ingleses, cubanos, brasileiros, espanhóis e de outras nacionalidades.

Nacionalidades diferentes

“Felizmente em Portugal temos uma diversidade de nacionalidades na área da medicina, o que é importante e uma mais valia para nós”, disse.

Para Miguel Guimarães, os médicos têm o dever de adotar tal atitude “em defesa da neutralidade médica, em defesa do acesso aos cuidados de saúde para os doentes, neste caso os feridos de guerra”.

Nele, os médicos pediram “o fim imediato das hostilidades e a solução de todas as questões políticas exclusivamente por meios pacíficos”.

“Juramos dedicar nossas vidas ao serviço da humanidade. Nossa missão é salvar vidas. Queremos um mundo sem medo. Onde ninguém tem que sofrer sem acesso a cuidados médicos. Queremos a ciência a serviço da vida e não da destruição”, diz a carta, justificando que estão “juntos pela paz e pela vida, com humanismo e solidariedade”.

“Ser médico significa estar na linha de frente em tempos de paz e guerra, estar na linha de frente e não deixar ninguém sozinho. Estamos aqui para servir nossos pacientes”, dizem os signatários, enfatizando que não categorizam as pessoas como “amigos ou inimigos” e não permitem que “considerações de religião, nacionalidade, raça, partido político ou status social” interfiram em seus deveres e seja paciente.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *