MotoGP: Miguel Oliveira sobre divisão da KTM: “As diferenças fizeram-nos naturalmente distanciar-nos” | MotoGP

Apesar de Oliveira ter conquistado as únicas vitórias da KTM na MotoGP em 2022, o piloto português foi afastado do novo Miller depois que um contrato de dois anos foi fechado com o australiano.

Oliveira, que venceu corridas em Mandalika e Buriram na temporada passada, manteve-se em negociações com a KTM com a possibilidade de se juntar à recém-marcada equipa GASGAS Tech 3 na mesa.

Mas depois de perder o lugar de fábrica e sentir que ambas as partes caminhavam em direções diferentes, Oliveira decidiu mudar para a Aprilia com a RNF.

Em declarações ao canal de televisão português Antena, Oliveira disse: “Não diria que a KTM se comportou mal comigo. Nós apenas tínhamos maneiras diferentes de pensar. A reestruturação da equipe andou de mãos dadas com a vontade de ter um piloto além de mim.

“É claro que essas diferenças nos distanciaram e não tínhamos futuro juntos. Não que a porta não estivesse aberta porque eles realmente queriam que eu ficasse e corresse para o GASGAS, que é basicamente uma KTM pintada de vermelho.

“A ideia era trazer de volta a marca GASGAS e ter uma dupla de pilotos ibéricos porque a marca é ibérica.

“Eles queriam um piloto espanhol e um piloto português, mas não gostei muito da ideia. Sinceramente, acredito que há momentos em nossas vidas em que precisamos de uma mudança. Existem alguns movimentos que só acontecem uma vez e você precisa aproveitar essas oportunidades.

“Eu estava muito interessado em fazer essa mudança e sair da minha zona de conforto.”

A temporada de 2023 é a primeira desde 2016 que Oliveira não faz parte da equipe KTM. Depois de não conseguir atrair Oliveira, a equipa GASGAS Tech 3 foi mais longe com a contratação do Campeão de Moto2 Augusto Fernandez.

Vencedor de quatro corridas de MotoGP com a KTM desde 2020, Oliveira tem sido um dos pilotos mais difíceis de bater quando ele e a RC16 estavam no seu melhor.

Falando sobre seu tempo com a marca austríaca, Oliveira acrescentou: “A KTM me deu muito conforto na minha carreira esportiva. Eu estava garantido nos próximos quatro anos da minha vida. Mas no fundo eu sabia que não era isso que eu queria.

“Eu queria experimentar novas oportunidades e realmente me tornar campeão mundial, o que acho que acontecerá em breve.”

Isabela Carreira

"Organizador sutilmente encantador. Ninja de TV freelancer. Leitor incurável. Empreendedor. Entusiasta de comida. Encrenqueiro incondicional."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *