Músico afegão quer recriar escola famosa em Portugal

Antigos alunos e docentes do Instituto Nacional de Música do Afeganistão chegaram com as suas famílias a Portugal

O grupo de 273 pessoas, incluindo cerca de 150 estudantes, voou para Lisboa, capital portuguesa, a partir de Doha, no Qatar. Sua partida do Afeganistão foi escalonada em cinco voos para Doha durante seis semanas em outubro e novembro.

“A chegada da comunidade (instituição) hoje significa que o primeiro e mais importante passo para salvar vidas e garantir a liberdade acabou”, disse o fundador e diretor do instituto, Dr. Ahmad Sarmast.

O governo e os doadores corporativos e privados arcaram com os custos da evacuação e reassentamento do grupo.

“A partir de agora, os músicos (do instituto) serão um símbolo de coragem e determinação, não apenas para os artistas afegãos, mas também para o povo afegão, em sua luta contra a opressão e a tirania do Talibã”, disse Sarmast.

Os músicos estão entre as dezenas de milhares de afegãos, incluindo muitos das comunidades esportivas e artísticas do país, que fugiram desde que os combatentes do Taleban tomaram o Afeganistão em agosto, quando os EUA e a Otan encerraram sua presença militar de 20 anos.

A seleção afegã de futebol juvenil também se mudou para Portugal, um país de 10,3 milhões de habitantes que já recebeu 764 afegãos desde o verão.

O Afeganistão tem uma forte tradição musical, e a música pop floresceu lá nas últimas duas décadas. Mas muitos músicos temem por seu futuro sob o Talibã, que governa de acordo com uma interpretação estrita da lei islâmica.

O Instituto Nacional de Música do Afeganistão, fundado em 2010, é conhecido por sua inclusão. Tornou-se um símbolo do novo Afeganistão, com meninos e meninas estudando juntos e se apresentando em casas cheias nos Estados Unidos e na Europa.

O campus da escola em Cabul está agora ocupado pela facção talibã. Suas contas bancárias foram congeladas e seu escritório revistado, de acordo com ex-funcionários da escola.

O plano é recriar escolas em Portugal, permitindo que os alunos continuem seus estudos, como parte de um centro cultural afegão mais amplo, com sede em Lisboa, que acolherá os exilados.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.