Neonazistas portugueses estão lutando na Ucrânia

UMA pequeno grupo de neonazistas portugueses deve se preparar para isso junte-se às fileiras apoiado por combatentes estrangeiros Ucrâniaescreve Expresso.

Eles devem sair de Lisboa no dia 20 de março e levar consigo’dinheiro e armas‘.

Esta é a primeira vez que os grandes meios de comunicação de Portugal já lhe dão espaço ligações bem documentadas entre a Ucrânia e batalhões armados neonazistas desde o início da invasão russa.

A ‘história’ remonta a anos, muito antes desta crise atual – e isso será um choque para muitos.

Mas pelo expresso Esta semana o legado será plenamente reconhecido. A reportagem do jornal centra-se no grupo de oito ‘nacionalistas’ (como o jornal descreve), liderados por Mário Machado, “que se juntarão às tropas do Volodymyr Zelenskyy“em pouco mais de uma semana.

“Porque ele é obrigado a se apresentar a um departamento de polícia a cada duas semanas como resultado de um processo que ele está mirando Crimes de incitação ao ódio racial e à violência pelas redes sociais”, Machado tem que voltar para este fim” – em outras palavras, ele não pode ficar fora do país por muito tempo.

O grupo que ele lidera se entende como tal um portuguêsnomeado como ‘Ana’ e descrito como “orgulho de pertencer à extrema direita“.

O Expresso refere-se a uma tatuagem que a Ana tem numa perna com os números 88. Estes parecem corresponder à oitava letra do alfabeto, H. “HH é a abreviatura da saudação nazi ‘Heil Hitler'”, explica o Expresso.

Ana teria “garantido” que sua ideologia não afetaria sua missão. “Minha ajuda será valiosa, independentemente de os necessitados serem judeus ou não”, disse ela ao jornal.

“Ana diz que não tem medo do cenário que a espera na Ucrânia. “Todo dia é um bom dia para morrer. Devemos viver sem medo”, disse ao repórter do Expresso Hugo Franco.

O jornal afirma que os oito estão se juntando a uma milícia da extrema direita da Ucrânia em Lviv.

Não é um batalhão Azov, sublinha o Expresso. O Azov é o “grupo neonazista ucraniano armado mais poderoso”, acrescenta o jornal, descrevendo como o grupo de nacionalistas portugueses “completou os detalhes de sua jornada através de mensagens criptografadas no Surespot e no Wickr Me”.

José, outro integrante do grupo, explica ao jornal como é fácil acessar e usar esses aplicativos sem revelar nenhum dado ou informação pessoal.

“Nós apenas criamos um apelido e podemos limitar o tempo de disponibilidade das mensagens, o que torna as capturas de tela muito mais difíceis e a comunicação mais segura”, explica ele.

Parece que foi José quem disse ao jornal que os Oito vão tirar 5000 euros, roupa militar e colete à prova de balas.

Nesse ponto é preciso fazer uma pausa para tirar a foto: todos os dias; Quase todas as horas, pessoas humildes e quotidianas transformadas em voluntários saem de Portugal carregadas de mantimentos (alimentos, medicamentos, produtos de higiene: o nosso próprio jornal escreveu sobre algumas destas iniciativas nas últimas semanas). Ajuda militar e suprimentos também chegam à Ucrânia todos os dias – da UE; dos EUA – e agora aprendemos que não só os neonazistas estão profundamente envolvidos, mas outros estão se juntando a eles (e isso está longe de ser um segredo…)

Enquanto escrevíamos isso, ‘notícias de última hora’ diziam: União Europeia responde à ameaça russa: ‘Continuaremos a enviar armas à Ucrânia’.

O Alto Representante da UE, Josep Borrell, assegurou ao El País espanhol ao meio-dia: “Continuaremos a enviar o maior número possível de armas para a Ucrânia. E continuaremos a sancionar a Rússia.”

No entanto, os leitores preocupados terão dificuldade em encontrar qualquer coisa na enxurrada de manchetes de hoje que se refira aos batalhões neonazistas “escondidos da vista de todos”.

Eles também se beneficiam das armas enviadas pelos aliados da Ucrânia?

Escusado será dizer que nenhuma das atrocidades cometidas pelos militares russos contra o povo ucraniano pode de forma alguma ser desculpada pelo facto de os neonazistas estarem envolvidos na luta para proteger estes ucranianos e as suas vilas, cidades, vilas e aldeias – mas as implicações mais amplas desses batalhões entrincheirados no conflito são impressionantes.

Como jornalista investigativo Majid Nawaz comentou no início de março: “Isso é como conceder ao KKK um batalhão formal, repleto de regalias e regalias, nas forças armadas dos EUA. É como se o exército britânico tivesse um batalhão formal da Frente Nacional. É absurdo, é perigoso e é chocante.”

“O que acontece com esses nazistas servindo como batalhões organizados para a vitoriosa Ucrânia? Eles continuam a se espalhar e recrutar como um câncer sobre as forças armadas europeias como já fizeram?”

O Expresso não se faz essas perguntas. A sua conta apega-se estritamente ao que está a acontecer e como se relaciona com Portugal.

AZOV recruta em português

Então aceite isso Batalhão Azov ativo na Ucrânia e lutando contra os russos, o jornal descreve como “tudo começou há alguns dias recrutamento através de seus canais de propaganda telegrama (outro aplicativo) em português.

“Com as bandeiras de Portugal e do Brasil no início do texto, os ultra-ucranianos dão conselhos sobre as rotas mais seguras para os voluntários entrarem em Lviv ou Kiev, bem como áreas a evitar devido ao risco de emboscada por tropas russas. “.

As mensagens são: “Se você tiver seu próprio equipamento, como kits de primeiros socorros, capacetes, roupas militares, equipamentos militares, sacos de dormir e travesseiros, armas, traga-os também”.

Mas eles alertam que pessoas com armas só podem entrar na Ucrânia se tiverem licença para isso.

Todos os voluntários também são divididos em dois grupos: aqueles com experiência militar anterior e aqueles sem.

Aqueles com experiência militar anterior recebem armas primeiro‘, dizem as postagens. “Os demais voluntários receberão treinamento militar e treinamento em aulas de primeiros socorros/paramédicos“.

Os vários grupos de telegramas associados ao batalhão Azov referem-se a voluntários estrangeiros que, uma vez “instalados na Ucrânia”, provavelmente estarão associados a um Força Internacional de Defesa Territorial. “Muitos desses estrangeiros poderiam se juntar a essa milícia, como aconteceu nos últimos dias.

“Já temos um grupo de Espanhóis, suecos, bielorrussos e britânicos. Ainda não temos português”, disse um dos recrutadores de Azov ao Expresso.

“Até agora, voluntários militares vieram de países como Estados Unidos, Colômbia, Turquia, Croácia, Sérvia, Argentina, Brasil, Austrália, República Tcheca, Polônia, Eslováquia e Vietnã.

“De acordo com dados de um estudo de centro de soufan, uma ONG que investiga fenômenos extremistas, Pelo menos 4.000 voluntários estrangeiros já estão envolvidos nesta milícia ucraniana. Existem pistas Um português lutou no batalhão Azov entre 2014-2019. De acordo com relatórios recentes, o número pode ser um pouco maior.”

A letra do Expresso termina tão perturbadoramente como começou: “Existe um cordão umbilical entre os movimentos de extrema-direita portugueses e estes ucranianos, uma vez que nos últimos anos foram realizados seminários e competições de artes marciais em Portugal e na Ucrânia“.

natasha.donn@algarveresident.com/ Origens expresso/ Guardião/ A colina/ Posto de Jerusalém/ Transporte Radical

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *