Novo rumo à ‘dolorosa’ história de Portugal abre debate nacional

LISBOA (Reuters) – Um novo curso de história do ensino médio abriu o debate sobre a identidade nacional em Portugal, um país a apenas algumas décadas de uma ditadura, onde historiadores dizem que o público ainda precisa lidar com os legados de séculos de colonialismo.

Os alunos examinarão o que a descrição oficial chama de “passado doloroso” de Portugal. Os cursos opcionais estabelecem conexões entre o comércio de escravos colonial de Portugal e a escravidão moderna e abordam tópicos como limpeza étnica e genocídio.

O principal arquiteto do curso, Miguel Barros, presidente da Associação de Professores de História, diz que novas abordagens da história estão ganhando importância à medida que os partidos de extrema-direita expandem sua influência pela Europa.

“Portugal ainda se considera um ‘bom colonizador’, e muitos dizem que aqui não existe racismo. Ao mesmo tempo, vemos a extrema direita crescendo e o discurso de ódio se espalhando online”, disse Barros à Reuters. “Quero que os historiadores lutem contra isso.”

Os defensores dizem que o curso preenche um vazio em um sistema educacional que falhou em questionar a história de conquista de Portugal na Ásia e o comércio atlântico de escravos entre a África e o Brasil. Portugal emergiu de sua última colônia apenas na década de 1970, quando a democracia voltou para casa após décadas de regime fascista.

Mas seu currículo – e a atitude em relação ao passado do país que representa – tem sido criticado, e não apenas pela direita nacionalista. O ex-ministro das Relações Exteriores e presidente do parlamento Jaime Gama, um socialista, o chamou de “herético”.

“Isto segue a ideologia que está em voga atualmente, sobretudo na cultura anglo-saxónica, de confessar os pecados para ser libertado”, disse ao jornal Observador. “Não permite nenhum símbolo nacional, nenhum herói.”

O historiador João Pedro Marques, que escreveu extensivamente sobre o tráfico de escravos português, chamou-o de “uma plataforma para o politicamente correto obscurecer o passado deste país e do Ocidente”.

Bárbara Gois, uma ativista política luso-brasileira negra de 28 anos, disse que o único problema com o curso é que ele é opcional.

“Imagine como deve ser sentar em uma aula de história onde a única representação de pessoas negras é como escravos passivos sendo usados ​​para experimentos científicos”, disse ele. “Nossa sociedade é construída sobre o racismo. Não estou surpreso que algumas pessoas fiquem na defensiva sobre isso… mas os alunos precisam aprender como tudo se encaixa.

Relatado por Victoria Waldersee; Editado por Andrei Khalip e Peter Graff

Chico Braga

"Explorador. Organizador. Entusiasta de mídia social sem remorso. Fanático por TV amigável. Amante de café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *